terça-feira, 16 de outubro de 2007

Perder as estribeiras

Neste momento, após a vitória afortunada dos sub-21, estou a ponto de perder as estribeiras com:

1) Ricardo Baptista. O guarda-redes do Fulham denunciou hoje falhas técnicas graves. Com a possibilidade de Rui Patrício, não percebo esta opção.

2) Centrais. Não há um que se aproveite. João Pedro não é nada. Nuno André Coelho não é quase nada. Gonçalo Brandão, pelo menos central, não é. É muito grave quando sinto falta de Manuel da Costa. Vasco Fernandes é o melhorzito, mas joga adaptado a lateral. Pergunta: E Daniel Carriço, não?

3) Pelé. Pá, mas quem é que disse ao gajo que era jogador de futebol? E quem é que disse a quase toda a gente que o admira que ele era jogador de futebol? Uma em cada duas jogadas decide mal; pensa que, por não ter maus pés, pode fazer coisas que não são para ele; pensar é mentira; quer marcar golo até se estiver a bater um pontapé de baliza; em lances divididos, posiciona-se ao contrário do que devia e, em vez de dar a linha ao adversário, dá-lhe o meio; tenta ganhar lances em velocidade, quando pode dar um passo atrás antes e evitar que o adversário lhe fuja; abusa dos passes longos e, mesmo que o companheiro a quem quer dar a bola esteja marcado por três adversários, não hesita em fazê-lo; quando a bola vem da esquerda e deve ir para a direita, ou vice-versa, volta a metê-la na esquerda, onde está tudo congestionado; quando tem a possibilidade de escolher entre fazer um passe de dois, três metros, ou um passe de quarenta metros, escolhe sempre o segundo, mas mesmo quando o pode fazer rasteiro, levanta a bola, o que não só dificulta a recepção do companheiro, como retarda a sua chegada ao mesmo. Mau demais...

4) Paulo Machado. Já chega de dizer coisas que não são verdade sobre este fulano. O rapaz é cumpridor, é um jogador de nível razoável, mas fica por aí. Achar que ele pode emprestar criatividade a uma equipa é não perceber nada de futebol. É um jogador mediano, que nunca há-de ir além disto...

5) Vieirinha. Diverte-se com a bola. Mais nada. A equipa ganha muito pouco com as poucas vezes em que consegue desequilibrar no um para um.

6) João Moreira. Fraquíssimo em termos posicionais. Não sabe entrar para finalizar; não sabe mexer-se para criar espaços para a entrada dos companheiros; abusa de lances individuais, que não são, obviamente, para rapazes com a falta de qualidade técnica igual à dele; faz menos de uma tabela por jogo; foge da sua posição.

7) Djaló encostado à linha. Não é a sua posição. E, só por isso, tem alguma desculpa. Mas as más decisões são sempre más decisões.

8) Targino. É um jogador esquisito. O seu um para um é ir para cima do adversário, mexer-se ligeiramente e esperar que este se desvie. Se não se desviar, pode ser que o consiga levar à frente. Desengonçado, trapalhão, tem más opções a cada estalar de dedos.

9) Cícero. O que é aquilo? Não é o ser feio, que isso já nasceu assim. É mesmo o não ser jogador de futebol. Dá-me ideia que aquilo é... vá lá... uma bigorna dentro de umas chuteiras.

10) Rui Caçador. Sem dúvida que, tendo em conta que veio substituir Couceiro, as coisas estão melhores. Mas há decisões que não se percebem. Consigo lembrar-me de mais de uma dezena de jogadores que não fazem parte dos planos principais de Rui Caçador e que, neste momento, tinham de estar à frente dos que lá andam: Rui Patrício na baliza; Pedro Correia e André Nogueira como defesas-direitos; Daniel Carriço e Paulo Renato para centrais; Vasco Fernandes a central e não a defesa-direito; chamada de Tiago Pinto; Nuno Coelho em vez de Pelé; mais oportunidades a Zezinando; Hélder Barbosa a titular; Bruno Pereirinha a titular; João Coimbra sempre à frente de Paulo Machado; mais oportunidades a Celestino; Diogo Tavares e Carlos Saleiro para o ataque; etc. Mas Caçador continua a apostar em jogadores com manifesta falta de nível. Se, com Miguel Veloso e Manuel Fernandes, as deficiências da selecção não foram evidentes, já sem estes perde-se facilmente na Bulgária e ganha-se a uma selecção medíocre de Montenegro por pura sorte. Assim Portugal não vai a lado nenhum...

11) Luis Freitas Lobo. Já ninguém me convence que o tipo que fala na televisão é o mesmo que escreve aqui. Do muito lixo que disse, uma ressalva para uma grande contradição. Portugal não criou uma jogada de perigo em todo o jogo, mas Luis Freitas Lobo estava convencido, no final da primeira parte, que Portugal, apesar de estar a perder por 1-0, estava a jogar bem e conseguiria dar a volta ao marcador. Isto, por si só, é parvo, tendo em conta que a única jogada que se poderia aceitar que tivesse levado perigo tivesse nascido de um remate esporádico, de ângulo difícil, a levar a bola a bater no poste. Ao intervalo, Luis Freitas Lobo terá certamente telefonado ao Luis Freitas Lobo que escreve, porque, ao começar a segunda parte, disse que a construção ofensiva de Portugal não existia. Então Portugal estava a jogar bem e, de repente, a construção ofensiva era nula e o futebol luso só surgia através de acções individuais? Que se passou? Esta falta de rigor, aliada à completa incompetência de certas avaliações de jogadores (Paulo Machado é um jogador tecnicamente muito evoluído? Pelé, ainda que faça um passe por alto quando poderia fazê-lo rasteiro e facilitar a recepção do colega, é um jogador adulto?), só me pode levar a concluir que Luis Freitas Lobo é analfabeto e pede a alguém que escreva por ele.

19 comentários:

Bruno Pinto disse...

Depois de uma análise destas, fica a pergunta: foi alguém que te disse que percebias de futebol ou chegaste a essa conclusão sozinho?

Nuno disse...

Foi sozinho. E também é sozinho que chego à conclusão de que é patético comentar algo quando não se tem nada para dizer...

ChuckE disse...

"Já ninguém me convence que o tipo que fala na televisão não é o mesmo que escreve aqui"

Por falar em escrever, vê lá se encontras aqui o erro semântico, baseado no que comentas a seguir sobre o Luisinho.

Pah, de resto, é o típico escavacanço tuga de quem acha que o que está em campo nunca o faria tão bem como o gajo que está no banco ou não foi convocado. Se ainda n percebeste que um jogo tem 90 minutos, duas equipas que querem ganhar, e que nem sempre o melhor ganha, nem o melhor futebol é jogado, então andas a apanhar bonés. Se ainda não percebeste que cada coach é cada coach, que este tem a sua filosofia e discurso ambicioso, e que não andamos a abarrotar de mourinhos que vá um prós sub-21, então nem prós bónés serves. E por fim, se não percebes que, contra tudo e contra todos, mesmo contra o fair-play (que, off the record, é uma treta), portugal ganhou o jogo, e que deve estar de parabéns, de novo, então não reparaste que não te pediram para bater palmas.

Bruno Pinto disse...

Ó Nuno, eu estava a brincar contigo pah! Vê-se bem que percebes de futebol e fundamentas bem as tuas ideias, mas não concordo com muitas delas. Há aí jogadores de grande valor, a quem passaste um atestado de incompetência. Um jovem tem margem de progressão e é sempre mais fácil falar que andar lá dentro. Se fosses treinador de futebol, era assim que falavas para eles?

MRO disse...

Achas que o Rui Patricio pode ir à selecção !? achas que alguma vez, por muito bons que sejam os miúdos do Sporting alguma vez vamos ter nas esperaças todos os que mereceriam lá estar ? claro que não ... podeia ofender alguém !

MRO disse...

Portanto, sugeres uma equipa :

RUI PATRICIO ( SPORTING )
PEDRO CORREIA ( BENFICA )
TIAGO PINTO( SPORTING )
CARRIÇO( SPORTING )
PAULO RENATO( SPORTING )
PEREIRINHA( SPORTING )
CELESTINO( SPORTING )
JOÃO COIMBRA( BENFICA )
HELDER BARBOSA( PORTO )
SALEIRO( SPORTING )
DIOGO TAVARES( EX-SPORTING )

pode parecer lógico, dada a clara qualidade da sugestão, mas neste futebol de interesses para satisfazer, de egos inchados, numa sociedade cada vez mais politicamente correcta, achas mesmo que o Caçador está para arriscar o salário e escolher os melhores ?!

Pedro Barata disse...

Gostei bastante do blog que não conhecia, gostei do texto. Embora, no entanto, pense que és demasiado crítico, não no sentido construtivo, para com os miúdos. Depois, perdoa-me se estou errado, mas parece haver aí alguma "verdura" (de cor) nas opções propostas. Mas são opções e cada um tem as suas.
Um abraço e parabéns pelo blog

Nuno disse...

Tens razão, Chucke, é precisamente o contrário que quero dizer com essa frase. Acontece. Vou já mudar. Sim, sei que não ganha sempre o melhor. Também não exijo que o Caçador seja o Mourinho e estou contente por, pelo menos, ser melhor que o Couceiro. Também sei que Portugal ganhou o jogo, mas isso até me ajuda: seria muito mais fácil criticá-los se tivessem perdido. Apesar de saber tudo, isso, posso ser de opinião que Portugal, com estes jogadores e com estas opções do Caçador, está no mau caminho? Porque isso é tudo o que eu digo.

Bruno, não te preocupes. Não me costumo ofender com facilidade. É até bom que tenhas ideias contrárias: é isso que alimenta um debate. Quanto ao atestado de incompetência, é verdade que possa ter sido injusto para alguns, mas só porque os meti todos no mesmo saco. Claro que o Vieirinha tem mais potencial que o João Pedro. Isso está fora de questão. Agora, há ali malta que não merece uma palmadinha nas costas. E não é só por serem muito maus; é porque há opções melhores e isso deixa-me indignado. Claro que se fosse treinador não falaria assim. Mas o facto de poder escrever isso sem qualquer espécie de compromisso, dá-me liberdade para o fazer. Mesmo assim, se fosse treinador, garanto-te que havia ali muita malta que levava nas orelhas pelas coisas mais banais: aceitaria tudo, menos que os meus jogadores fossem burros como alguns.

Mro, não quero entrar por aí, mas, de facto, há coisas estranhíssimas nesse campo. Basta perguntar-mo-nos como é que, tendo o Sporting uma equipa de juniores genial há 2 épocas, só 2 ou 3 é que estavam no mundial de sub-20 este Verão? Que sentido fará isto? Mas penso que não terá só a ver com clubes. Há de certeza interesses de empresários envolvidos. Pá, tendo em conta que não abundam pontas-de-lança em Portugal, acho incrível, por exemplo, como é que o Diogo Tavares e o Saleiro - que, mesmo que não lhes reconheçam o verdadeiro valor, têm de dar crédito aos golos que marcaram ao longo da sua formação (e foram muitos) - andam esquecidos há tanto tempo. Quanto à equipa, não sugiro isso. Digo é que esses jogadores deveriam entrar nas opções do Caçador. Sugiriria talvez:

Rui Patrício
André Nogueira
Antunes
Manuel da Costa
Daniel Carriço
Nuno Coelho
João Coimbra
Pereirinha
Hélder Barbosa
Vieirinha
Diogo Tavares

Ou o João Coimbra como trinco (acredito que seja a sua melhor posição) e o Celestino ou o Rui Gomes (um miúdo que pertence ao Boavista, mas que anda emprestado há 2 anos) na sua posição.

Nuno disse...

pedro, obrigado. Garanto-te que não há "verdura". Não sou sportinguista. Reconheço, contudo, que grande parte das opções são de jogadores sportinguistas, mas isso explica-se facilmente. Primeiro porque, em termos de formação, diga-se o que se disser, estão a anos de luz dos outros. Depois porque os jogadores formados em Alcochete, de uma maneira geral, atingem níveis intelectuais mais elevados que os outros. Como, para mim, não aceito que um jogador de futebol não seja inteligente, dou preferência aos que o são. Daí as opções.

José Leal disse...

Bem Nuno,

Bates-te em muito míudo, mas devo dizer que aqui as nossas opiniões aproximam-se.

Nâo vou agora individualizar o que concordo ou não, nem se as 2ªs opções são boas ou não.

Só digo é que a minha opinião vai um pouco além da tua, mas creio que aí não chegarás.

A minha opinião é que a nossa formação não é tão boa como a pintam, nem os nossos "jovens" são tão bons como os comentadores profissionais querem fazer crer.

Podemos avaliar um potencial de um jogador, mas quando analisamos o desempenho de um jogo temos de nos cingir ao desempenho e mandar variaveis como o potencial para as silvas.

E ao analisar o desempenho dos nossos jovens, chegamos à conclusão que a grande maioria (em alguns anos todos) não é bom e é simplesmente razoável.

E para isso bastaria uma postura séria, e por exemplo comparar o Carlitos ex-Gil Vicente como os Vieirinhas desta vida.

Nuno disse...

Sem dúvida, José Leal. A nossa formação está sobrevalorizado. Do Vieirinha, acho isso mesmo. É um jogador que dificilmente se fixará como um valor seguro; dificilmente será titular indiscutível de um grande. É bom para uma equipa de segunda linha, mas mais que isso não lhe prevejo. Mas quanto à questão central, estou de acordo contigo e não estou. Estou de acordo porque acho que os jovens não são tão bons como isso, mas estou em desacordo porque há outros com potencial que, como nunca são explorados, acabam por cair no esquecimento. Fala-se muito da falta de ponta-de-lanças. Isso não é uma falta do nosso futebol. Eles existem; não são é aproveitados. É ridículo que se queira suprir essa lacuna e andarem esquecidos, entre outros, o Saleiro e o Diogo Tavares, para não falar também do Ricardo Nogueira, que se fartaram de marcar golos ao longo da formação. E acredita, pelo menos o Diogo Tavares tinha todas as condições para daqui a 4 ou 5 anos ser o ponta-de-lança da nossa selecção. A culpa de o futebol português não ter avançados de calibre europeu é muito mais de treinadores e seleccionadores do que da escassez geral. E, de uma maneira geral, acontecendo o mesmo noutros sectores, a qualidade geral do futebol português, ainda que se pensa que está muito boa, está mais baixa do que poderia estar.

Nuno disse...

Ah, outro exemplo flagrante é o do Boavista. A formação é boa, mas dificilmente são aproveitados nos séniores. Há um miúdo, o Rui Gomes, que tinha condições para estar numa primeira liga agora, no Boavista ou noutro. Mas anda emprestado a equipas menores há 2 anos e já não acredito que dê alguma coisa. Olha o Zé Pedro, quando apareceu lá, nunca era opção. Agora toda a gente acha que, se tivesse aparecido mais cedo a este nível, teria dado jogador. Pois, mas não apareceu porque não o deixaram...

Metralha disse...

Por exemplo, o Pelé e o Coentrão foram avaliados num jogo apenas: Portugal- Nova Zelandia de sub20.

Grandes exibições, pena é que os neo zelandeses não saibam jogar à bola.

Há tanta coisa inexplicavel nas selecções.

Nelinh6 disse...

Uma questão: conheces bem todos os jogadores de que falaste?
principalmente aqueles que referencias-te como alternativas?

Gonçalo disse...

sim conhecemos. E por só falar do que conhecemos bem nao falamos de jogadores que nao tivemos oportunidade de observar, pelo menos o suficiente para se perceber se são mesmo bons ou não. queres um exemplo? Paim. Apenas o vi jogar meia hora, 15 minutos contra o porto ha 2 anos e outros 15 no europeu de sb19. Pareceu ter qualidade tecnica no 1x1, aliada a uma boa velocidade. Mas isto é pouco para dizer se é bom ou não. Teremos de o ver mais vezes para dizer se realmente é bom ou não... isto é so um exemplo, como poderia falar do miguel rosa do marco matias, do andre carvalhas...isto tudo jogadores que a primeira vista paracem interessantes, mas ainda é cedo para confirmar.

Nelinh6 disse...

fico um pouco estupefacto como alguém que até costuma ser racional nas observações que faz, consegue ser tão radical ao falar de certos jogadores que pouco os viu jogar!
eu também vi prai 3 ou 4 jogos do Paulo Renato (mundial), e a avaliar por isso acho-o muito mas muito fraquinho. Mas como sei que podem existir muitas atenuantes para o seu rendimento nesse mundial (selecção fraca, mal dirigida, etc...), não tomo posições tão radicais...
Por isso não percebo o teu comportamento tão incoerente...

Nuno disse...

Lá está, o problema é esse mesmo. Nesse mesmo mundial, vi o Paulo Renato cometer alguns erros infantis. Mas também o vi a ter preocupações como o sair a jogar, que é fundamental num defesa. E já agora, vi-o marcar quase exemplarmente um dos melhores jogadores do mundial, o Giovanni dos Santos... Não digo que seja óptimo, mas é sem dúvida uma opção muito mais coerente do que o João Pedro, o Gonçalo Brandão, ou o Nuno André Coelho.

Nelinh6 disse...

Não digo que não seja, mas a tirar conclusões por esse mundial, não estaria na selecção.
Por isso acho que erras, quando tomas posições tão radicais sobre jogadores que não acredito que tenhas visto muitas vezes, e muitos deles sem ser fenómenos, tem características interessantes...

Nuno disse...

Pá, qual foi a parte de que ele fez um bom mundial que tu não percebeste? Apesar das duas ou três falhas, revelou coisas boas. Onde é que pararam as sinapses? Mas eu não estou só a tirar conclusões por causa do que se passou nesse mundial. Que jogadores é que não vi muitas vezes? Já se disse que sim, que foram vistos várias vezes. Continuas a não acreditar, problema teu.