quarta-feira, 4 de julho de 2007

Certezas (5)

Ao longe, o penteado e o passo pesado fazem lembrar Miccoli. Ao perto, não engana. Toque fino, elegância, suavidade e perfeição: é craque. Tecnicamente, um prodígio. Perfeito na recepção, é rápido a pensar e a executar. Embora extraordinário a nível técnico, não se envaidece em desfavor dos objectivos da equipa. Segura, entrega, desmarca com a mesma facilidade com que ultrapassaria, se assim fosse proveitoso, meia-dúzia de adversários. Cada movimento seu enfeitiça o apreciador de bom futebol: o seu jogo tem um perfume que nem todos podem ter. Destes brasileiros, poderiam vir às centenas para o nosso campeonato.

"É lento!", dirá quem o vir. Sim, parece. Mas é a aparente lentidão que lhe dá o encanto e que lhe permite a execução fina e o gesto perspicaz. "Se não é lento, pelo menos não é agressivo!", insistem. Não, não é agressivo. Mas desde quando é que a agressividade é critério? Laudrup, Bergkamp, Hagi eram agressivos? Zidane? Rui Costa? Quantos há que nunca precisaram de agressividade? Não tem o volume de jogo de Adrien Silva, de quem se fala excessivamente. Não aparece a dividir todas as bolas como este, nem reúne os aplausos babados do público por estar assim mais em jogo. Ofensivamente, contudo, além de suficientemente talentoso, é um trabalhador. Corre, dá espaços, cria linhas de passe, respeita apoios, entrega simples... Se defensivamente parece carecer de força e agressividade, compensa posicionalmente, sendo tacticamente irrepreensível. Se ofensivamente não se lhe notam rasgos individuais, compensa fazendo fluir de forma única o jogo. Não é ele quem dá nas vistas, mas é ele quem possibilita que os outros dêem nas vistas. Além de tudo, parece ainda ser extremamente humilde: qualidades daquelas seriam sempre uma tentação, mas parece não querer deslumbrar-se com todo o valor que tem.

Quero acreditar que um jogador destes vai ser aproveitado no futuro, mas temo que o não seja. Tem valor para estar ao mais alto nível dentro de poucos anos, mas a imbecilidade dos treinadores de futebol e, sobretudo, dos adeptos, pode fazer periclitar a sua promissora carreira. Jogadores como ele, que não deslumbram quem não percebe de futebol, têm sempre dificuldades em vingar neste mundo iníquo. O melhor que lhe poderia acontecer seria ficar este ano já no Sporting. A pré-época, vai fazê-la. Vejamos depois o que se segue, mas nada melhor que ser treinado por alguém que entende de futebol e que sabe potenciar os jogadores. Por tudo isto, boa sorte para o Yannick Pupo...

16 comentários:

Tuareg disse...

Concordo inteiramente com a análise desta jovem promessa brasileira. Lembro me de o ter observado uma vez, ainda antes de chegar à Academia, e apesar da qualidade que já possuía, é evidente a evolução, principalmente a nível táctico, que tem vindo a fazer desde essa altura. Espero sinceramnte que convença Paulo Bento, e que permança após a pré-epoca.
Parabéns pelo blog

Abraço

http://perigonaarea.blogspot.com

Rodrigo disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Se você quiser linkar meu blog no seu eu ficaria agradecido, até mais e sucesso. (If you speak English can see the version in English of the Camiseta Personalizada. If he will be possible add my blog in your blogroll I thankful, bye friend).

disse...

Boa tarde!
Antes de mais,parabéns pelo blog!
Ainda por cima com um tema ligado ao dia-a-dia da maioria de nós!

Convido-o agora a visitar também a acrescentar o meu link à vossa barra de links laterais:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Obrigado!

BAD-RELIGION disse...

Epa, como é que eu entra em contacto com vocês ?

punktaveira[.at.]gmail.com

alem que me mande um mail, obrigado :)

Nuno disse...

pá, o meu mail é nunoa10@hotmail.com

Podes entrar em contacto através disso...

BAD-RELIGION disse...

Já mandei mail... mas não obtive grande resposta... enfim... "siga pa bingo" :)

Abraço

Adriano Nobre disse...

Ahahahahahahahahahahahahahaah
Espera... Ahahahahahahahahahahah

« Ao perto, não engana. Toque fino, elegância, suavidade e perfeição: é craque. Tecnicamente, um prodígio. Perfeito na recepção, é rápido a pensar e a executar. Embora extraordinário a nível técnico, não se envaidece em desfavor dos objectivos da equipa.» Ahahahahahahahahahahahah

Nuno disse...

Isso é asma?

Adriano Nobre disse...

É! :)
Asma da grossa. E devidamente diagnosticada: sucede-me sempre que me deparo com referências a Laudrup, Bergkamp, Hagi, Zidane ou Rui Costa para sustentar os méritos e as virtudes de Yannick Pupo.
Já agora, googlei o nome do homem – veio à baila em conversa com amigos, a propósito das notícias sobre o ‘Patinho’ – e parece que, desde que saiu do Sporting, o dito Pupo andou pelo Marília (?!), Corinthians Alagoano, Grêmio Barueri, Monte Azul, Taboão da Serra e Serrano BA, antes de chegar ao clube atual, um tal de Grêmio Osasco. Sete clubes em quatro anos. E todos eles verdadeiros “timaços”.
Pergunto-te: passado cinco anos, manténs a tese de que o homem é “tecnicamente um prodígio” e que é “a imbecilidade dos treinadores de futebol e, sobretudo, dos adeptos”, que está a “fazer periclitar a sua promissora carreira”? Ou antes admites que – e perdoa-me a imagem deselegante – incorreste num erro da ejaculação argumentativa precoce?
Às vezes acontece. Não vem daí mal ao mundo.
Agora, se me permites, vou ali buscar a bomba da asma e voltar ao trabalho.

Nuno disse...

Adriano Nobre, as referências a esses jogadores serviam o propósito de mostrar que a falta de agressividade não é necessariamente um mau atributo. Se tens problemas de leitura, não posso fazer nada.

"Pergunto-te: passado cinco anos, manténs a tese de que o homem é “tecnicamente um prodígio” e que é “a imbecilidade dos treinadores de futebol e, sobretudo, dos adeptos”, que está a “fazer periclitar a sua promissora carreira”?"

Mantenho. Aliás, fiz a ressalva no texto: achava que tinha qualidades, mas tinha dúvidas de que seria aproveitado. Precisamente por causa do estilo "molengão". Mantenho a opinião que tinha nessa altura. Não o voltei a ver jogar, desde que voltou para o Brasil. Mas, aliás, se na Europa já poucos o aproveitariam como devia, no Brasil desconfio que ainda menos hipóteses tenha. Tem tudo a ver com as características dele.

Posso fazer eu uma pergunta? Já alguma o viste jogar? É que justificar uma aposta falhada com o declínio da carreira é muito fácil. Basta estar à frente de um computador a conferir dados. Aqui gosta-se de dar opiniões sustentadas, e pouco importam os "dados" e as "estatísticas".

Adriano Nobre disse...

Sim, claro, tens razão. Perdoa-me a impertinência. Sou uma besta.
No fundo é como dizes: "Aqui gosta-se de dar opiniões sustentadas". Enganei-me na porta. Vou antes opinar para onde me digam: "Aqui há caracóis e ninguém escreve como se o Pupo fosse o novo Fernando Redondo". É capaz de ser mais o meu ambiente.

Nuno disse...

E continuas sem dizer se chegaste a vê-lo jogar ou não...

Adriano Nobre disse...

Vi. E foi deslumbrante. Mágico. Arrepiante. Não há palavras que descrevam o potencial que transpirou daquele pedaço de jogador na dupla vintena de minutos que tive o privilégio de observar. Aliás, minto, há palavras, sim: as tuas, nesta prosa que aqui deixaste. Viva tu e o teu lirismo sustentado. Viva Pupo e o seu futebol de filigrana. Há dias em que lamento não viver ao lado do estádio do Grêmio Osasco para poder continuar a apreciá-lo. Nos treinos. Onde ele deve ser verdadeiramente bom.

Nuno disse...

Há uma coisa que ainda não percebi. Vieste cá dizer que isto era "lirismo" porque o gajo não deu em jogador, ou porque o viste jogar e não gostaste? Já agora, em que jogo foi, e contra quem?

Adriano Nobre disse...

O único adversario que recordo sem ter de fazer trabalho de pesquisa (aceitarás que seria uma demanda patética para o debate em questão, porque isto é giro e tal, mas um gajo tem mais que fazer) foi o Huelva, salvo erro numa apresentação aos sócios de 2006, 2007, algures por aí. Terá jogado meio jogo. Nessa mesma pré-época jogou outros tantos minutos num outro jogo qualquer que vi na TV, com amigos, e que por isso recordo os comentários feitos ao artista em questão. Satisfeito? Ou precisas de testemunhas dos visionamentos? Quanto ao resto (e assumindo já que ficarás com a bicicleta por falta de comparência minha no resto da conversa), o meu único ponto em tudo isto - e daí os asmáticos "ahahahah" iniciais - é achar piada à forma como se consegue, neste blogue, defender o indefensável, muitas vezes sem mais argumentação do que o mero "achismo", travestido de conhecimento profundo do jogo e de todas as suas cambiantes. E, claro, também aprecio a soberba com que colas o rótulo de ígnaro a todo o leitor que ouse desafiar o quadro mental em que se cria todo esse teu mundo que não tem adesão à realidade. No fundo, e lendo de forma diagonal o teu blogue, aquilo que eu gostava era de ver-te um dia a orientar uma equipa repleta de Pupos, Pereirinhas e Postigas, de ver-te a fazeres maravilhas com eles, ganhares e deslumbrares com um novo tiki-taka do Nuno e provares que de facto é o mundo que está errado e não tu. E nesse dia vinhas aqui e escrevias: "'tás a ver, Adriano?, és uma besta do caralho!" Tu ficarias feliz por provares o teu ponto. E eu ficaria feliz por ter tido o privilégio de ler-te antes dos sucesso e de ter debatido isto contigo. Mas como isso nunca acontecerá, escuso de perder mais tempo com esta patetice. Fica bem.

Nuno disse...

Adriano, perguntei isso para saber que tipo de jogo teria sido. Talvez explicasse alguma coisa. De qualquer modo, acusares-me de "achismo", quando a única opinião que deste foi que achavas que o "achismo" não era certo, é engraçado. Tu achas que o Pupo nunca foi bom jogador; eu e o Sporting achamos que foi. O Sporting foi buscá-lo e teve sempre grandes esperanças nele. Quis emprestá-lo ao Fátima, e ele preferiu ir para o Brasil. Mesmo assim, manteve-se vinculado ao Sporting mais 1 ou 2 anos. Tens mesmo a certeza de que só eu é que achava que o gajo era bom?

Aquilo a que eu chamo estúpido é a uma intervenção como a tua. Vir cá dizer que eu estava errado (quando ainda por cima fiz a ressalva de que não acreditava que ele viesse a ser aproveitado) depois de 5 épocas é facílimo. Queres um exemplo contrário? Mais ou menos na mesma altura, andava tudo maluco com o Pelé (aquele que chegou a estar no Inter), e eu sempre disse que o gajo era horrível. Onde é que ele está agora? Quem é que tinha razão? Falar agora é fácil. Dar opiniões no momento é que não é.

Mas o problema principal nesta história é só um: é que eu acho que existe uma diferença muito ténue entre a maioria dos jogadores de topo e a maioria dos jogadores amadores. Um jogador que milite agora na terceira divisão não é significativamente inferior à maioria dos jogadores que militam na primeira divisão. As pessoas acham que sim, e gostam de distinguir um profissional de um amador por isso. Acontece que é diferença é essencialmente uma diferença de aposta. De vez em quando, lá aparece um que em pouco tempo salta do amadorismo para a ribalta. Se as pessoas olhassem para casos como esses com atenção, veriam que há qualidades que merecem aposta. Dou-te o exemplo do Hugo Vieira agora, mas podia dar-te o do Sílvio, que não foi especialmente diferente. O Sílvio, em 3 anos, passou de amador para o jogador que o Mourinho achava mais interessante no campeonato português. O que isto significa não é que o Sílvio é um génio, que foi descoberto. Aliás, ele fez os escalões amadores do Benfica e, nessa altura, ninguém achou que tinha qualidades para vingar como profissional. Significa, sim, que, com a devida aposta, um jogador amador pode revelar-se muito mais interessante do que a maioria dos profissionais.

Isto tudo para dizer que, pelo facto de o Pupo ter acabado onde acabou, não significa que ele seja um jogador patético, sem valor para jogar ao mais alto nível. Significa que acabou ali. Só isso. Na minha opinião, acabou ali porque não se lhe perceberam bem as qualidades, e não se apostou nele. Mas até isso eu previ. Portanto, vires cá sugerir que só no dia em que eu te mostrar que estou certo, pondo uma equipa a jogar como eu gosto, com os jogadores de que eu gosto, é que te convenço é estúpido. É estúpido, como de resto foi estúpida toda a tua intervenção aqui. Gostaria de ter discutido o porquê de achares que o Pupo não era bom, mas preferiste sempre fazer barulhos com a garganta. É uma opção. Geralmente, as pessoas aprendem pouco quando trocam a fala por barulhos desse tipo. E eu só tenho que aceitar que as pessoas preferem a estupidez própria à troca de ideias.