segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Lições de Mestre (8)

Este texto não estava previsto, mas seria estúpido não aproveitar a oportunidade. E já que também não estava previsto que o jogador ficasse no plantel, junta-se tudo para falar de algo que merece ser falado, apesar de a minha opinião acerca do assunto ser já sobejamente conhecida. O que trago é uma jogada a acabar o jogo de apresentação do Sporting, frente ao Valência, e, a meu ver, um dos lances que melhor definem aquilo que, para mim, significa o termo "classe", quando aplicado ao jogo. Antes de falar daquilo que quero, vou perder algum tempo com a consequência que o lance teve, ou seja, com a possibilidade de cruzamento em zona muito mais privilegiada e com o lance de perigo criado pela equipa. Como o Jorge D. escreve neste texto, um cruzamento é como outro passe qualquer. Apesar de ouvirmos recorrentemente que uma equipa deve chegar à linha para cruzar, não creio que cruzar deva ser uma tarefa, nem individual nem colectiva, a ter em conta numa equipa de futebol. Depende da circunstância, das probabilidades de êxito, do posicionamento dos colegas em função do posicionamento defensivo do adversário. Nunca percebi a ideia de chegar à linha e cruzar lá para dentro, mesmo quando o jogador que cruza - o que é raro - olha para a área antes de cruzar. Entre outras coisas, o lance que trago mostra como um jogador com uma inteligência muito acima da média entende aquilo de que se está a falar. Por duas vezes podia ter cruzado, uma com o pé esquerdo, outra com o pé direito. Tinha colegas na área, arranjou espaço para o fazer, e era o que quase toda a gente achava que deveria ter feito. Ninguém o criticaria, como ninguém critica quem quer que seja que cruze uma bola para a área, por menos sentido que faça cruzar nessa ocasião. Quanto a mim, desde que pegou na bola que percebi que não era assim que iria terminar o lance. E percebi-o por uma única razão, porque sabia que o portador da bola se chamava Pereirinha.



Não sei se é possível definir melhor aquilo que entendo por "classe" como aquele atributo que é comum a um jogador de futebol e a um toureiro. Nos dias que correm, privilegia-se a intensidade, o fazer as coisas com a concentração máxima, o empenho, o esforço. Um jogador com classe é normalmente hostil a fazer as coisas com os dentes cerrados. Não é que não possa fazê-lo também, mas é algo que lhe macula a imagem. Fazer as coisas com calma, como se o gesto técnico mais complicado do mundo fosse a coisa mais fácil para aquela criatura, é o que define essa pessoa. Dá sempre a impressão de que se manda no jogo, de que os adversários são bonecos que se tira da frente sem grande esforço. Um jogador com classe faz as coisas difíceis parecerem fáceis, faz as coisas com graciosidade, dando a impressão de que, se as faz assim, com aquele desprezo todo, talvez pudesse fazer muito mais, se de facto se empenhasse. A meu ver, um dos principais problemas do futebol actual é não se priviligiar a classe acima de qualquer outro atributo. Imagine-se uma equipa em que os jogadores fazem tudo com classe e tem-se o Barcelona. Só para demonstrar o quão importante pode ser a valorização de tal atributo, olhe-se, por exemplo, para o que era Abidal antes de perceber que, ostentando classe, era muito mais jogador. Antes era um jogador cinzento, eficaz a defender, mas banalíssimo com bola. Agora parece um médio criativo a jogar a defesa, a parar a bola dentro da área defensiva, com vários adversários à ilharga, a dar toques em zonas perigosas, a sair a jogar onde mais ninguém se arriscaria a sair a jogar. Agora que descobriu o que é ter classe, parece outro jogador. Isso conseguiu-o porque o ambiente que o rodeia lhe mostrou que não há outro atributo mais importante que esse.

Muito sinceramente, o mais difícil, em qualquer arte, é fazer as coisas mais difíceis dando a impressão de que são fáceis. Em futebol não é diferente. É por isso que um jogador que consegue ter pormenores de classe não pode ser um jogador banal; é por isso que alguém que faz aquilo que Pereirinha fez neste lance tem de ser valorizado acima de qualquer outro jogador. Não está em causa o excelente trabalho a livrar-se dos dois primeiros jogadores, mas essencialmente a forma como os toureou posteriormente, como ameaçou cruzar e pôs a bola entre os dois, solicitando o colega nas costas deles. E não o fez de uma forma simples; fê-lo de tal maneira bem feito que, apesar de não ter dado velocidade à bola, os dois adversários ficaram sem capacidade de reacção. A isto chama-se classe. Tomou a melhor decisão, permitiu a um colega ficar numa posição bem mais privilegiada para cruzar do que a que tinha, e ainda humilhou dois adversários. Nas bancadas, o público gostou da faena. Mas, apesar de ter entusiasmado as bancadas como mais ninguém naquela noite, duvido que alguém se lembre de dizer que Pereirinha merecia mais a titularidade do que dois Joões Pereira. O que Pereirinha fez não está ao alcance de muitos. Mas há palermas que o acham banal, palermas para os quais nem sequer devia entrar nas contas de Domingos. Pois eu digo que, para além de Postiga e Matías Fernandez, ninguém tem mais classe que ele naquele plantel. O futebol tinha tanto a ganhar se as pessoas se deixassem de preocupar com atributos cristãos como a transpiração e a dedicação, e passassem a perceber o que distingue um grande jogador de futebol de um atleta medíocre que se esforça.

P.S.: Ao terminar o texto e ao rever o lance, percebi que um dos dois jogadores do Valência toureados era Daniel Parejo, um dos jogadores actualmente com mais classe no futebol espanhol. Um toureiro a tourear outro - não podia ser mais perfeito.

32 comentários:

Luis Santos disse...

Boas!

Muito bom texto. Concordo plenamente. Sempre achei o Pereirinha um bom jogador, muito mal "entendido" por treinadores e adeptos.

Cumprimentos!

Mike Portugal disse...

Não sei se notaste mas existe um outro jogador que tem grande classe cada vez que toca na bola. Chama-se André Martins. Ainda é verdinho em alguns aspectos, mas nota-se que está lá a classe. Se for bem trabalhado, vai ser um caso sério.

Quanto ao Pereirinha: é o chamado jogador colectivo. Trabalha para a equipa como ninguém e mostra que se for bem enquadrado num esquema, tem tudo para ser uma mais valia. Foi estupidamente desaproveitado pelo bronco do Manuel Machado.

Nuno disse...

Mike Portugal, o Gonçalo escreveu aqui um texto sobre o André Martins há já mais de 3 anos. É este:

(http://entredez.blogspot.com/search/label/Andr%C3%A9%20Martins)

Na altura, ainda era júnior de primeiro ano, jogava como médio-defensivo, e não nos deixou dúvidas quanto ao seu talento. Não nos espantou, de modo algum, que esteja onde está hoje, pois tem valor para isso. E por isso o incluímos na rubrica "Certezas".

O problema dele não será o mesmo que o do Pereirinha, pois tem algumas qualidades que costumam ser apreciadas, como a agressividade e o empenho máximo. Mas desconfio que vai ter problemas por ser pequeno, o que é outra das imbecilidades por que se caracteriza muita gente que anda no futebol. Enfim...

Nuno disse...

Luís, obrigado pelo comentário. O Pereirinha é o jogador mais injustiçado em Portugal. Tanto eu como o Gonçalo andamos a dizer isso há anos. E é lamentável que se continue a desaproveitar todas as suas qualidades.

Cumprimentos

Mike Portugal disse...

Já li o post. Há lá uma coisa que o Gonçalo diz que eu não concordo. O rapaz é baixo e isso não é "mudavel", certíssimo, mas ele terá que ganhar mais massa muscular (mesmo apenas tendo 1,66m) se quiser competir ao mais alto nível e em equipas de topo. A sua debilidade física não lhe irá permitir disputar uma época inteira de um campeonato e provas europeias.

Mas trabalhando esse aspecto, penso que temos ali jogador. O problema agora é que o SCP tem muitas soluçoes para o meio-campo e não sei como o podem encaixar na equipa. Talvez jogando os jogos das taças internas.

Centro de Jogo disse...

Boas Nuno,

Antes de tudo, queria agradecer-te a referência ao meu texto, assim como ao Blogue em que participo, que bem precisa ser divulgado :)

Concordo com tudo o que dizes neste texto, foi uma acção de uma inteligência e perspicácia notável. Pereirinha tinha muito a ganhar, se por vezes, fizesse aquelas macacadas típicas dos extremos (não que ele seja um extremo, vejo-o mesmo como médio interior), em que ganham o espaço perto da bandeirola de canto, em vez de se aproximarem da baliza, coisa que o público e muitos treinadores tanto adoram. Com isso conseguiria colocar muita gente do seu lado. Ele até o faz, apesar de o fazer só com a perna direita (aquelas “pedaladas” por cima da bola), mas quando isso acontece nunca é para acelerar, é para temporizar, deixar a defesa em contenção e camuflar a acção, que supostamente seria de 1x1, e que se torna em superioridade para a equipa de Pereirinha. Há que entender, que quando na linha, e com a defesa organizada, o espaço mais importante é o que está nas costas de quem faz a pressão, no sentido da baliza (tal como nesse lance que ai mostras), e não o oposto.

Houve outro lance, não estou bem recordado se foi Pereirinha, mas penso que sim, que já dentro de área, joga para André Martins (como diz o Mike, vai ser um caso sério. Tem imensa qualidade, mesmo que no seguimento não tenha tomado a decisão correcta, devia ter rodado e entregar no outro lado onde tinha um colega sozinho) e com um simples passe interior deixou 4 defesas do Valência colados à relva! Não sei se te recordas.

Quanto a André Martins, é pequeno, mas o seu talento é inversamente proporcional à sua estatura. Se formos ver, no Top 10 mundial, provavelmente com fisionomias de “Atleta” só aparecem o Ibra e Cristiano, todos os outros são de estatura mais comedida. Isto pode indicar que aquilo que se procura (os grandes) podem não ser a regra, mas sim a excepção! Se observarmos então que a grande maioria de todos os outros são do Barça, e nem de estatura média são, são muito abaixo dessa, então alguma coisa estará mal. De uma vez por todas, no futebol a diferença entra ser grande é pequeno… está apenas na inteligência, o perfil morfológico nada importa!

O que dizes em relação a Abidal, podes também dize-lo em relação a Keita, parece outro jogador depois de ser “Guardiolizado”. Por isso te digo, que a única coisa que Alexis Sanchez tem a favor no Barcelona, será Guardiola, se tiver tanta inteligência como velocidade vai “beber“ tudo o que o seu treinador disser, e sairá, quase com toda a certeza, melhor jogador do que quando entrou. Ainda assim, é impossível perceber se irá ter essa capacidade.

Abraço.

Jorge D.

Ricardo disse...

É-me de todas as formas incompreensível a "cegueira" generalizada em relação ao Pereirinha. Se ainda a aceito por parte dos adeptos - que, bem vistas as coisas, todos somos e não temos qualificações (pelo menos formais) que nos diferenciem -, já quanto aos treinadores, que o treinaram ou de outras equipas que o poderiam aproveitar, não compreendo como é possível desperdiçar tanto talento.

Tem classe, critério, dá apoios, é instintivo, procura sempre a melhor solução, técnica de recepção, passe, cruzamento excelente, sabe sempre onde estão os colegas, é imprevisível, como em lances deste último jogo, quando tem de resolver sozinho uma situação complexa, tem reacção, velocidade, é agressivo sem bola, tacticamente inteligente. Que mais querem?

Para mim, é um mistério.

Nuno disse...

Mike Portugal, o jogador mais fiável, do ponto de vista da regularidade, nos últimos anos no futebol português foi o João Moutinho. Joga épocas a fio sem parar. Morfologicamente, é pouco diferente do André Martins. Logo, não concordo com a ideia de que este tem de ganhar massa muscular para poder competir em equipas de topo.

Jorge, a divulgação é justíssima. Passou, há algum tempo, a ser leitura assídua da minha parte.

Do outro lance de que falas não me recordo.

De resto, não poderia estar mais de acordo quanto à questão do perfil morfológico não interessar para nada.

Sim, o Keita também melhorou muito. Mas a mudança do Abidal foi mais radical, e do dia para a noite. Nas primeiras 2 épocas do Guardiola, pouco ou nada melhorou. De repente, e sobretudo quando começou a jogar a central, começou a "inventar" e percebeu que isso lhe dava gozo. Agora parece outro. Sobre o Alexis Sanchez tenho muitas, mas muitas, reservas.

Ricardo, infelizmente, o Pereirinha é só o caso mais gritante. Há tantos que ficam esquecidos por razões semelhantes. Olha, por exemplo, o Miguel Rosa do Benfica (sobre quem vou escrever brevemente), que este ano até fez parte de uma campanha de ilusionismo, para enganar a massa associativa com a ideia de que se anda a apostar na formação, é provavelmente o melhor jogador a sair da formação do Benfica nos desde o Manuel Fernandes, para não dizer mais. E alguém sabe quem ele é? Anda emprestado a equipas da segunda desde que saiu dos júniores. O ano passado foi eleito o melhor jogador da II Liga. Este ano voltará a estar emprestado ao Belenenses. Chamaram-no para fazer a pré-época, para dizer que têm jovens de valor, e ao fim de uma semana livraram-se dele. É muito semelhante ao Pereirinha, não sendo tão veloz nem tendo tanta classe, compensando porém com empenho e agressividade. E arrisca-se a nem sequer vir a ser conhecido. É uma estupidez.

Mike Portugal disse...

Nuno, já os viste os 2 ao vivo de perto? É que se nota bem a diferença. Mas acredito que se ele não pegar este ano, pega para o próximo e deverá já estar fisicamente "apto".

Mike Portugal disse...

Esqueci-me de dizer uma coisa. Se treinassem umas boas rotinas defensivas com o Pereirinha, ele poderia transformar-se num defesa direito de grande classe. A médio direito, para mim, nunca chegará tão alto como poderia chegar se jogasse mais atrás. Como defesa, as suas subidas pelo flanco e combinações com um medio direito de grande classe seriam mortíferas (embora o João Pereira faça bem esse trabalho).

Nuno disse...

Mike, segundo o zerozero, o Moutinho e o André Martins pesam o mesmo e a diferença de alturas é de apenas 1 cm. Não sei se serão dados exactos, mas de qualquer forma parece-me claro que a diferença entre eles é mínima. São, aliás, não só morfologicamente, mas também em termos de características, jogadores muito parecidos.

Quanto ao Pereirinha, só precisa é de alguém inteligente a treiná-lo.

Centro de Jogo disse...

Nuno,

Obrigado pelos elogios ao nosso Blogue :)

Mike, sem que leves a mal, o que é estar "fisicamente apto"? Messi é um anão, descompensado a nível metabólico, e no entanto é só o melhor de todos os tempos! O facto de não se ter desenvolvido fisicamente, não travou o desenvolvimento cognitivo, e é isso que temos de ter em conta! Provavelmente, nem teria o perfil psicológico que tem, se tem crescido como os "ditos normais".

Pereirinha para mim, pode e deve, jogar no meio. Mas até nisso se vê a sua inteligência, há diversas opiniões sobre qual a melhor posição para ele, e consegue jogar bem em todas!

Mike, sem que me leves a mal de novo, eu desconfio que J. Pereira nem com ele próprio consegue combinar, quanto mais ter uma relação de progressão no espaço com "outros corpos estranhos". Tem depois em capacidade de trabalho o que lhe falta em percepção de jogo, acho que é um dos únicos elogios que lhe consigo fazer! Mas também é só uma questão de opinião!

Abraço,

Jorge D.

Centro de Jogo disse...

Nuno,

Esqueci-me de dizer no comentário anterior. A jogada que falo está no resumo do jogo no TV Golo. Penso mesmo que é o ultimo lance do resumo. Um que depois o Ricky W. remata no meio de uma trapalhada que André Martins "causou". O que não invalida, em nada, a qualidade deste ultimo.

Jorge D.

Ricardo disse...

Nuno, sobre as campanhas de ilusionismo já escrevi o bastante para ficar doente: não é só a forma como se enganam os adeptos (neste caso, do meu clube), acho que o assunto transcende o mero "engano" e prejudica gravemente os jogadores jovens porque, se não esitverem do ponto de vista mental suficientemente maduros, podem cair no abismo da desmotivação que os fará nunca mais voltarem à superfície (os exemplos de gente a quem isto aconteceu, gente que conheço pessoalmente e gente que "apenas" acompanhei de fora, são gritantes e são muitos). É preciso ter a noção da pedagogia no futebol. Pedagogia aqui não significa ter medo de dizer verdades ou de dar tau-tau nos meninos; significa fazê-los crescer, subindo paulatinamente o nível de responsabilidade que terão de assumir, sem que se vendam ilusões vazias de sentido. O que o Benfica fez este ano foi das coisas mais aberrantes, prejudiciais (aos jogadores) e enganadoras (para os adeptos). David Simão tem servido para fazer de lateral-esquerdo nos treinos, Ruben Pinto é carta fora do baralho, Nelson Oliveira veremos.

Miguel Rosa? Não tenhas dúvidas nenhumas porque eu não as tenho: se bem enquadrado, será um excelente jogador de futebol. Mas, neste caso específico, pergunto-me também pelas opções pessoais do jogador: preferiu ir para o Belenenses quando tinha opções na primeira divisão porquê? Não será demasiadamente confortável e pouco ambicioso?

Espero, como é óbvio, que para o ano seja aposta clara do Benfica. Tenho muita esperança nele. Como tenho no David Simão.

João D. disse...

já vi o miguel rosa ao vivo no restelo, e de facto ele era de longe o melhor daquela equipa. o problema é o eterno: não tinha espaço no clube que contratou em demasia e teve de escoar jogadores. aquela apresentação - circo, é que era escusada...espero que pelo menos o david e o nelson fiquem no plantel principal que têm qualidade para isso.

Nuno disse...

Jorge, já sei qual é o lance. Sim, o Pereirinha deu uma solução boa ao lance. O André devia ter resolvido de primeira, ou a recepção devia ter sido melhor. Como não teve muito tempo para executar, acabou por ficar rodeado.

Ricardo, só um reparo. Vou falar um pouco mais sobre isso talvez ainda esta semana, mas o que é que te leva a crer que foi o Miguel Rosa que quis ir para o Belenenses? As informações que saíram são contraditórias e, tal como tu, sobrebuto pelas intenções de enganar que o clube tem revelado, diria que acreditaria mais no jogador e no pai do jogador, quando afirmam que foi o Benfica que não quis emprestá-lo a clubes da primeira. E esta história do Miguel Rosa cheira mal e já não é de agora. Há, quase de certeza, problemas que o público não conhece entre certas pessoas ligadas ao Benfica e o pai do Miguel Rosa.

Ricardo disse...

Nuno, o que me leva a crer? O que li, na altura. Falava-se que duas equipas da primeira divisão estavam interessadas mas que foi o próprio jogador a decidir-se por voltar ao Belenenses.

Mas parece-me que tens mais conhecimento sobre isso. E faz-me sentido o que dizes: não vejo como é possível a um jovem abdicar da primeira divisão para ir jogar numa divisão secundária. E falta de ambição nunca lhe vi, por isso ter achado muito estranha esta questão. Se é como dizes, faz sentido, embora levante problemas estruturais no Benfica que preferia que não existissem. No fim, quem perde é o jogador. E o clube, por desaproveitar um talento que formou.

Nuno disse...

Ricardo, tanto quanto sei, saíram notícias contraditórias na imprensa. Salvo erro, a própria Bola publicou 2 notícias diferentes, uma em que se dizia que era o Miguel Rosa quem rejeitava as propostas da primeira liga, outra em que fora o Benfica a recusá-las. Segundo o pai do jogador, havia 4 propostas de clubes da primeira liga, Nacional, Setúbal, Olhanense e Feirense, se não me engano, e que foi o Benfica que as recusou, "obrigando" o atleta a decidir-se pelo Belenenses.

As críticas que fazem ao Miguel Rosa é que ele não quer sair de Lisboa e os argumentos a favor dessa tese são que preferiu sempre ficar em clubes da zona, como o Estoril, o Carregado e o Belenenses, e que o Benfica teria interesse em valorizar um activo. Acontece que Setúbal não é mais longe de Lisboa do que o Carregado, por exemplo, e não me parece legítimo afirmar, sem dados extra, que, dessas vezes, foi a vontade do jogador que imperou. E tendo eu conhecimento de haver quezílias entre dirigentes do Benfica e os pais do jogador, creio honestamente que foi o Benfica quem inviabilizou as outras propostas. Para muitos, isso não faz sentido porque não é do interesse do Benfica. Pois, mas eu não sei se é o "Benfica" que está por trás disto, ou se é apenas um ou outro dirigente com determinado poder e a pensar em interesses próprios, como seja os problemas pessoais que tem com a família do jogador. E então se pensar que o Carraça regressou ao clube duas semanas antes do Miguel Rosa ter sido dispensado, depois de ter sido dado quase como certo para esta época, fica difícil não associar as coisas.

Guilherme disse...

Viva Nuno podes especificar as tuas dúvidas sobre o Alexis Sanchez? Foi daqueles que me passou completamente ao lado.

Guilherme disse...

aliás, a única coisa que sei dele foi o que li no paradigma guardiola mais os usuais artigos encomiásticos mas bem pouco factuais. Pelo que uma opinião pragmática e fundamentada seria bem vinda.

Bruno Pinto disse...

Eu não percebo como é que o Pereirinha, o jogador mais talentoso que saiu da academia sportinguista desde Futre, nunca foi titular no Sporting, Guimarães e naquela equipa turca da qual nunca soube o nome.

O futebol tinha tanto a ganhar se os patetas como tu fossem para para a apanha da uva e deixassem o futebol para quem percebe de futebol.

Nuno disse...

Guilherme, o Alexis Sanchez é o tipo de extremo que não me cai no goto. É forte no um para um, mas toma más decisões com frequência. Vale essencialmente pelo que consegue individualmente, e é por isso que tenho muitas reservas quanto ao seu possível sucesso em Barcelona. Tem uma característica que o Guardiola certamente apreciará, pois a aprecia nos seus atacantes, a agressividade defensiva. Mas com bola é francamente mau, do ponto de vista colectiva. E antevejo-lhe dificuldades para se integrar no modelo catalão. Por exemplo, o Affelay é um extremo muito mais ao estilo do Barcelona e continua a ter bastantes dificuldades em "entrar" no modelo. Prevendo-se, pelo menos de início, que não seja titular, vejo ainda com menos bons olhos a sua possível habituação a esta equipa. Terá poucos minutos e menos margem para errar, portanto. O que num jogador como ele só complica. Enfim, pode vir a ser, porque ainda é novo, um reforço interessante daqui a 2 anos. Para já, duvido muito. E, se tivesse que apostar, sobretudo pelos atributos intelectuais dele, diria que não vai trazer nada a este Barcelona. O Rossi teria sido bem melhor.

Monsieur Homais diz: "Eu não percebo como é que o Pereirinha, o jogador mais talentoso que saiu da academia sportinguista desde Futre, nunca foi titular no Sporting, Guimarães e naquela equipa turca da qual nunca soube o nome."

Monsieur Homais, o que não percebes está explicado no texto e evidenciado no lance. Aquilo que não percebes só te faz semelhante à grande maioria dos que vêem futebol. À grande maioria que vê erradamente, como é óbvio. O lance e aquilo que digo era para quem tem ideias. Não era para ti. Desculpa se te induzi em erro.

Sobre pessoas que não percebem de futebol irem para a apanha da uva, o que dizer? Deixa-me pensar. O que é que faz perceber mais de futebol: apanhar uva ou trabalhar no LIDL?

Bruno Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Mas és CZV? Pensei que fosses HX4 ou, vá lá, A81T. Mas se és CZV, peço desculpa. CZV do Lidl não é brincadeira nenhuma. Grande Monsieur Homais! Assim é que é, a mostrar às gentes como é que se sobe na vida. Que grande pinta, pá!

E, de facto, um CZV do Lidl é bem capaz de ganhar pipas de massa, bem mais do que quem apanha uvinha. E, como ganha mais, tem mais direito a falar de futebol do que quem apanha uva. Até porque há uma relação directa entre perceber de futebol e ter um bom ordenado. Olha o Bill Gates, ninguém percebe tanto do jogo como ele.

Mas deixa que te diga: gosto de te ver assim, Monsieur Homais. Gosto de te ver assim orgulhoso por seres um CZV do Lidl. É o sonho da vida de qualquer um. Olha, é o meu. Ando há anos para me diplomar em ciências de CZV, mas não consigo. É difícil à brava. Talvez um dia, quem sabe. E, aí sim, poderei gozar com quem apanha uva e poderei falar de futebol. Ah, não vejo a hora de ser um grande CZV de um supermercado assim-assim!

Bruno Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Arranjas? A sério? Prometes? E faz parte das competências de um CZV arranjar tachos. Que bom!

Bruno Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jonnybalboa disse...

Estava tudo bem...até teres colocado postiga e qualidade no mesmo paragrafo.

Batalheiro disse...

Hemingway!

Nuno disse...

Bruno Pinto apaga os seguintes comentários:

1) "Nuninho, eu sei que tu és um teórico da bola frustrado, isso percebe-se.

Agora tenho uma pergunta para ti: sabes quanto ganha por mês um CZV no Lidl? Não sejas pateta páhhhhhh... ;) Vá, agora vai lá para a apanha da uva e deixa de dizer disparates..."

2) "Se for preciso eu digo-te o que significa CZV."

3) "Manda-me o teu CV. Eu arranjo-te lá um tacho a limpares retretes."

4) "Diz-me a loja que preferes e a carga horária que pretendes. Eu sei que queres continuar a treinar os putos da tua aldeia."

Conjecturo 3 possibilidades para que isto tenha acontecido: 1) que se tenha arrependido de ter falado do seu cargo extraordinário de CZV no Lidl, dando a conhecer, por exemplo, ao Ministro, onde poderá ser encontrado; 2) que não tenha gostado da tareia que levou, tentando assim eliminar as provas da mesma, para que mais ninguém saiba disso; e 3) que se tenha lembrado de que os seus comentários podem mais tarde entrar num texto num dos grupos do "Campeonato do Mundo dos Comentários Hilariantes".

Ao Monsieur Homais que é o Bruno Pinto queria o Entre Dez explicar que todos os comentários são direccionados para um endereço de email, e aí armazenados, não adiantando, por isso, a sua eliminação por parte de quem os fez. Obrigado!

Guilherme disse...

estimado nuno obrigado pelos comentário sobre o alexis. talvez no futuro uma análise às possibilidades (infinitas?) que se abrem com a vinda de cesc e de alexis, assim este o queira?

quanto ao resto: hilarious