quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Mourinho e a Pré-História

Como espectáculo, a Supertaça de Espanha foi emotiva e disputada; como jogo de futebol, foi uma partida de fraca qualidade, com muita precipitação, muito choque, uma equipa claramente abaixo das suas capacidades físicas e outra a roçar o absurdo, em alguns aspectos. Enfim, para muitos, terão sido mais dois grandes duelos. Para mim, foi a confirmação de que o Real de Mourinho dificilmente beliscará a hegemonia do Barcelona de Guardiola nos tempos mais próximos. É quase unânime que o Real esteja cada vez mais forte, e cada vez ameace mais o domínio blaugrana. Pessoalmente, acho isso um disparate. Acho que a estratégia é cada vez mais primitiva e depende cada vez mais ou da desinspiração do adversário, ou da leviandade da arbitragem, ou da sorte.

Já a época passada parecia notar-se a tendência para aquilo de que vou falar de seguida, mas estes dois jogos foram bem mais elucidativos a esse respeito. No mesmo dia, portanto, em que um treinador pré-histórico apurou uma selecção portuguesa para uma final de um campeonato do mundo, provando que o futebol é, de facto, o desporto dos pobres, Mourinho, provavelmente o treinador que mais revolucionou a profissão que exerce, e provavelmente o treinador que mais fez pela modernização dos treinadores portugueses, voltou à Pré-História. Não vi ainda ninguém referi-lo - o que me choca, de algum modo - mas a estratégia do Real Madrid, nos dois jogos, passou por uma marcação homem a homem (sim!, homem a homem) no campo todo. É verdade que não havia acompanhamentos ao longo de todo o campo, e que havia permutas de marcação quando um jogador entrava no espaço de um colega, mas a estratégia passou por haver um jogador madrileno em cima de um catalão, em qualquer zona do campo. Tem sido gabada a pressão alta que o Real Madrid impôs, mas não se tem percebido em que tem consistido. A pressão consiste em encostar, um a um, em cada um dos adversários. Isto não é pressão; é estupidez. E só pareceu dar alguns frutos porque os jogadores do Barcelona, em largos momentos da eliminatória, deram a impressão de ainda estarem de férias.

Este tipo de jaimepachequice tem uma virtude, se é que se pode chamar a isto virtude: potencia os confrontos individuais e, quando uma equipa é (ou está) fisicamente muito superior à outra, pode ter efeitos. De facto, se há altura da época em que o Real Madrid podia, com esta estratégia, vencer o Barcelona, era agora. É no início da época que a diferença de agressividade é mais relevante, pelo simples facto de os indíces físicos de uma equipa que assenta a sua ideia num jogo técnico, nesta altura da época, não lhes permitir explorar todo o seu potencial. Sem capacidade para fazer das suas armas uma mais-valia, perante a agressividade do adversário, o Barcelona concedeu assim mais perdas de bola do que é hábito. É coisa, porém, que não se repetirá no futuro, quando a equipa estiver melhor preparada do ponto de vista físico. O que estou a defender é que a estratégia do Real aparentou ser boa porque a altura da época assim o propiciou. Mas, mesmo tendo-o propiciado, não foi suficiente, o que por si só é até irónico.

Sempre que a pressão homem a homem que o Real exercia conseguia evitar que o Barcelona saísse a jogar, roubando a bola em zonas altas, o Real parecia conseguir ameaçar os catalães. Mas sempre que não o conseguia, sempre que os catalães, pondo o seu jogo de passe curto em acção, conseguiam sair da primeira zona de pressão, o que tinham a seguir era um amontoado de jogadores completamente desorganizados. Por norma, o Barcelona trabalha os seus ataques, lateraliza, especula, etc. Contra um Real Madrid completamente desorganizado, preocupado em marcar homem a homem, sempre que um jogador catalão se soltava, fruto da dinâmica colectiva, ou fruto de uma acção individual, ficava com uma auto-estrada à sua frente, bastando à equipa um ou dois passes para criar uma situação de perigo. Estando a equipa fisicamente no seu melhor, este tipo de coisas tenderá a acontecer mais vezes, e arriscaria a dizer que, entrando Mourinho com esta estratégia no próximo jogo, o mais provável é sair goleado outra vez. O lance mais paradigmático é aquele em que Messi, estorvado já por Pepe, finaliza descaído para a esquerda, com boa intervenção de Casillas. A forma como Messi fica com uma avenida à sua frente, no corredor central, com Pepe e Sergio Ramos, os últimos dois homens, abertos a toda a largura do campo, demonstra bem a falta de organização defensiva da equipa neste último jogo. Sempre que o Barcelona conseguiu soltar um jogador, o Real passou mal, pois teve de ajustar marcações e estava constantemente onde os jogadores do Barcelona queriam que estivesse. Se o resultado não foi mais desnivelado e se o Real pareceu sempre capaz de disputar o resultado, tal deveu-se - como já disse - ao facto de o Barcelona não estar ainda num momento em que consiga potenciar essas situações.

No melhor livro sobre futebol escrito em português, é Mourinho quem é o herói da coisa. Nuno Amieiro, defendendo um conceito de zona que considero absolutamente certeiro, exemplifica por norma com o Porto de Mourinho. Bem sei que as pessoas gostam da versatilidade de Mourinho, mas abdicar de um princípio que lhe foi tão caro desde sempre, e que lhe fez até a fama, é das coisas menos nobres, para não dizer estúpidas, que podia fazer. Percebo a necessidade de, a cada pontapé de baliza catalão, fazer cair um jogador em cada um dos centrais, e outro no médio-defensivo que entra no meio, de modo a evitar que o Barça comece a construir logo desde trás, mas fazer um acompanhamento directo a cada uma das individualidades catalãs, ao longo de todo o campo, não é nunca a melhor forma de tentar parar o Barça. Nem mesmo com a impunidade sobre a violência das entradas. É que basta uma distracção, ou que um catalão consiga desembaraçar-se individualmente do seu opositor, para que toda a estratégia deixe de ter sentido. Em termos defensivos, o Real foi tacticamente uma desgraça, pois os jogadores estavam posicionados onde havia jogadores catalães e não onde deveriam. Mas a verdade é que toda a gente gabou a forma como a equipa da capital conseguiu manietar o Barcelona. É por estas e por outras que afirmo que as pessoas não vêem os jogos; ouvem os barulhos e vêem cores e traços no ecrã que depois interpretam de modo aleatório.

Antes de terminar, um pormenor a que não se prestou atenção. Ao vir para a segunda parte, o Barcelona passou a bater os pontapés de baliza para a frente, abdicando de sair a jogar. Para quem diz que Guardiola não tem versatilidade, eis um exemplo de como estão errados. Apercebendo-se de que a capacidade ofensiva do Real dependia exclusivamente das bolas que conseguia roubar em zonas altas, e percebendo que a sua equipa não está numa fase da equipa em que consiga superar a agressividade dessa pressão, e que estava a ter dificuldades para ultrapassar essa primeira zona de pressão e começar a construir, Guardiola, em vantagem, ordenou que os pontapés de baliza fossem batidos para o meio-campo. Com isto, até pode ter permitido ao Real ganhar quase todas as primeiras bolas, e até pode ter facultado a bola ao adversário, mas preveniu-se contra o único modo de perder o desafio. É que, com bola, o Real nunca teve clarividência para superar a equipa catalã, estando esta organizada defensivamente. Na segunda parte, tirando lances de bola parada, o Real não foi ameaçador. E não o foi porque deixou de poder contar com o único meio pelo qual estava a sê-lo: a recuperação da bola em zonas altas, apanhando o adversário desorganizado. Para aqueles que consideram Guardiola demasiado agarrado aos seus ideais, ficou a boa resposta; do banco, percebeu onde estava a força do adversário, e abdicou de um dos princípios que lhe é mais caro para poder contrariá-la.

P.S. Que mais é preciso que Pepe faça para que alguém decida que está na hora de bani-lo do futebol? Se há cães que vão para abate por serem demasiado perigosos, por que razão não há matadouros para gente como ele? Estão à espera que parta os dentes a quem? Ao Messi? Sem exagero algum, nos últimos 6 duelos entre as duas equipas, Pepe fez o suficiente para ser expulso, no mínimo dos mínimos, 20 vezes. E o atrasado mental do Pedro Henriques, a comentar o jogo, ainda conseguiu ver, num lance em que o Pepe só olha para o Piqué, e voa direito a ele com o cotovelo armado, que o Busquets é que empurrou o Pepe na direcção do central catalão. Haja paciência para tanta imbecilidade!

53 comentários:

Mike Portugal disse...

É engraçado falares na leviandade da arbitragem, porque o Messe safou-se de apanhar amarelo por 3x devido a comportamento anti-desportivo. E possivelmente safou-se do vermelho devido a reincidência.

E estamos a falar do melhor jogador do mundo, que está a ficar com tiques de vedeta. Isso não dignifica nem o jogador nem a sua equipa.

De resto, estou de acordo com o post.

Ped Zimmerman disse...

Epa o homem perde 5-4 em 180 minutos contra uma equipa que tem o Messi, Iniesta e Xavi e e e' por muitos considerada a melhor equipa de todos os tempos. Ganha um trofeu a esta mesmo equipa o ano passado. So nao passa na champions, sabe-se la por obra de que arbitro e tu tas a dizer que o homem e' primitivo?

Nao tens mais nada que fazer? Um trabalhinho onde tenhas que ir foder a cabeca aos teus colegas de trabalho o dia todo, que ja nem te devem conseguir ver 'a frente, de tanta parvoice que dizes?

Ganha vergonha nessa cara!

Máximo disse...

Também me apercebi dessa alteração do Pep, aliás, na transmissão o Pedro Henriques disse que perante as imagens o Guardiola pedia à equipa para acordar (de facto existiram logo ali uma ou duas perdas de bola no início da 2ª parte) mas o que ele dizia era ao Valdés para bater a bola pra frente.
Quanto ao resto, parece-me óbvio que Mourinho está meio perdido... sabia que seria difícil bater este Barça mas sempre achou que iria conseguir e aquela goleada dos 5 a 0 foi um forte rombo nas convicções. Eu próprio não me iludi com o aparente equilíbrio destes dois jogos, pois de facto o Barça ainda não está no seu máximo e parece-me que só a possibilidade de baixar o seu rendimento dará hipótese ao Real de disputar os títulos.
Quanto ao Pepe enfim, mais do mesmo... Não o crucifico como tu enquanto jogador, pois as características físicas dele são de facto muito fortes e úteis, mas quando do outro lado está o melhor central do Mundo, a larga distância, é dificil não comparar e ver as diferenças. Depois as entradas assassinas são o habitual, mas muita gente confunde saber defender com bater.

Abraço

Ricardo disse...

Ainda bem que falas nesse pormenor da escolha na saída de bola na segunda parte porque ontem, apesar de ter visto o jogo, não o vi completamente concentrado (estava a ver os miúdos em simultâneo), mas pareceu-me que estavam a sair bolas bombeadas a mais. Afinal, foi mesmo assim. O que, claro, demonstra a inteligência de Guardiola. Embora discorde de ti num ponto e no qual me parece que entras em incongruência: não vejo mal nenhum no facto de um treinador abdicar, por estratégia conveniente, de alguns dos seus princípios-base. Guardiola fê-lo nesse pormenor e tu, bem, defendes a estratégia. No entanto, dizes de Mourinho que esteve mal em preferir uma abordagem homem-a-homem (que, embora tenha sido mais visível, não o foi sem algumas permutas e compensações; foi um híbrido), abdicando dos princípios zonais pelos quais é mundialmente conhecido. Não vejo mal, como conceito, a mudança de estratégia, deixando cair alguns princípios. Já sobre quais os princípios, sim, aí há diferenças: Guardiola fê-lo pontualmente, e devido a uma debilidade específica que sabia ter na sua equipa nesta fase da época; Mourinho parece ter abdicado de construir uma equipa capaz de fazer frente ao Barcelona e preferir uma abordagem intimidatória - como, aliás, fez o ano passado.

O Mourinho é um labrego que sabe de futebol. A parte de saber de futebol fê-lo milionário mas o facto de ser labrego, esse, por mais sobretudos, relógios, barba por fazer e cabelo bem oleado, não lhe sai da pele nem que ele se banhe todo a perfume caro.

É um parolo e um mal-educado. E seria tão fácil olhar para o lado e ver como se comporta um treinador com classe. Até nisso, Mourinho tem levado banhos consecutivos.

Mike Portugal disse...

Ricardo,

O teu comentário está spot on. Em cheio. Mourinho nunca soube ganhar nem perder, mesmo quando estava no FCP. Só que aí os de lá de cima estavam caladinhos.

No entanto, temos que dizer que Messi e companhia são muito protegidos pelas arbitragens. Fazem simulações atrás de simulações e neste jogo o Messi fez o suficiente para ser expulso por acumulação de comportamento anti-desportivo. O que não quer dizer que outros também não se tenham safo disso.

João Duarte disse...

Acho q há um paradoxo na tua análise. Numa fase de arranque de época, onde estamos longe do top da forma, o futebol técnico do Barcelona não deveria sair priveligiado em relação à abordagem fisica do Mourinho?

Outra questão é q me parece paradoxal é chamar técnico ao futebol do Barcelona. Técnica é forma como tratam a bola, mas as dinâmicas de trocas posicionais e as alterações de ritmo impostas pelo Barça funcionam bem (não só pq a bola corre mais), mas pq os jogadores do Barça são enormes atletas do ponto de vista fisico. Pode-se considerar q são jogadores "leves", mas não fracos ou frágeis.

Guilherme disse...

se o messi safou-se de apanhar amarelos 3x por comportamento anti-desportivo (onde?, quando?, lembro-me no max. de uma situação, aquela pela qual foi amarelado), o que dizer de pepe, khedira, sergio ramos, ricardo carvalho já no final do jogo na grd area, marcelo, etc, etc, etc, etc, etc, etc. já enjoa. e ainda virem dizer que o cesc atirou-se para o chão: *******

Pedro disse...

Mourinho está obcecado por vencer o Barça e poder dizer que foi ele quem destronou a melhor equipa do Mundo. Se tivesse sido "esperto" tinha ficado fora de Espanha e assim poder dizer q foi ele, no Inter, o unico a vencer este super Barça. Escolheu Espanha e abraçou o maior desafio da sua carreira uma vez q treinar o Real e não vencer é um fracasso mesmo q seja contra a melhor equipa de todos os tempos.

Eu continuo a achar q este Barça é uma mescla entre uma táctica quase perfeita e os jogadores perfeitos para a aplicar. É por esse motivo q gostava de ver Guardiola numa outra equipa para ver se mudava de "principios" ou se conseguia adaptar outros jogadores a esta mesma táctica. Mourinho já venceu de várias formas, com várias tácticas e em diferentes equipas. Guardiola terá sempre isso por provar enquanto ficar no barça e ir ganhando tudo o q há para ganhar.

Compreendo perfeitamente o q queres dizer mas o que tu fazias no lugar do Mourinho? Achas possível conseguir jogar de igual para igual com o Barça? Achas q o Real tem jogadores/equipa para isso?

Penso que durantes os anos q levas de futebol nunca terás visto uma equipa como este Barça. A q se deve esta raridade? E pq se torna tão dificil de derrotar? E de imitar?

Batalheiro disse...

Pedro,

Já uma vez questionei essa linha de argumentação aqui no entredez: Porque razão ganhar em diferentes equipas é mais dificil do que ganhar de forma continuada no mesmo clube?

Mike Portugal disse...

Guilherme,

Eu não que só os do Barça é que fizeram por ser expulsos. Disse que têm uma proteção especial dos árbitros. Obvio que também houve jogadores do Real que mereciam ir para a rua.

Se quiseres ler, tens aqui um post isento que fala sobre várias situações de jogadores do Barça e do Real.

http://visaodemercado.blogspot.com/2011/08/video-do-dia_18.html

Mike Portugal disse...

Batalheiro,

Ganhar em diferentes equipas é mais dificil porque requer uma habituação a novos estilos e novos modelos dos adversários. No entanto também não é facil fazer o que o Ferguson tem feito. Ganhar consistentemente durante tanto tempo no mesmo campeonato com a mesma equipa (salvo seja).

O que eu gostava mesmo de ver era esta equipa do Barça, com todos os jogadores e treinador que agora têm, sem o Messi. Aí é que eu queria ver se o nº de vitórias se mantinha.

Mike Portugal disse...

Já agora, acrescento mais isto ao meu argumento da protecção que o Barça tem:

http://www.youtube.com/watch?v=L8kWfSeDb9I

Deste ninguém fala.

DC disse...

Fabuloso texto. Em cheio em tudo. Este texto devia ser escarrapachado à frente dos idiotas que dizem que o Barça só ganha pelo árbitro e pelos ainda mais idiotas que defendem a táctica usada pelo Mourinho, especialmente no ano passado na Champions!
Perfeito!

Pedro disse...

Concordo em absoluto...

Mike,
viste o que aconteceu imediatamente antes desse video que colocaste não viste?

http://www.youtube.com/watch?v=eEMR2lMirMM

É que contar só metade da história não me parece muito correcto.

João Duarte, não é paradoxo porque o que é dito é que o Real se encontra bastante mais forte fisicamente que o Barcelona e como a parte física é importante no desporto...

Mike Portugal disse...

Pedro,

Vi, mas ainda ninguem tinha mencionado esta agressão (esta sim uma verdadeira agressão). Tal como não vejo ninguem a falar do Messi a atirar bolas para fora com o jogo parado, nem a agressão ao Ozil, nem o banco do Barcelona a cercar o Marcelo, criando o sururu todo. O Marcelo ía ser expulso sem a intervenção deles, porque é que tiveram que se levantar?

É esta dualidade que me chateia. É que é só para uns.

Pedro disse...

"Porque razão ganhar em diferentes equipas é mais dificil do que ganhar de forma continuada no mesmo clube?"

O Mike Portugal já o disse. Basicamente é avaliar a capacidade de começar do zero, com realidades distintas, jogadores diferentes. Na minha opinião é vencendo esses desafios que um treinador é um grande treinador. Guardiola tem muito mérito mas será um mérito aliado à felicidade de estar no sítio certo no momento certo ou é mérito próprio, fruto do trabalho e mêtodo? Penso que só se terá a resposta a isto quando ele mudar de clube. Ou perder de uma assentada Iniesta, Xavi, Messi ☺☺☺...Claro que Fergunson com os anos e curriculo no United vai deixar marca mas fica sempre a dúvida se conseguiria repetir a proeza num clube q lhe desse condições diferentes do United. E repara, o Fergunson demorou vários anos até criar uma grande equipa. Mourinho ganha imediatamente (menos no Real por causa do super Barça). Irei sempre defender Mourinho, por muitos defeitos que tenha, nesta situação.

Mourinho chega ao Chelsea, novos jogadores, nova realidade, novo campeonato e pimba, sucesso total desde o primeiro treino. Teve milhões ao dispôr tal como outros antes dele tiveram. Chega ao Inter e não só mantêm a dinâmica vencedora entre portas (muitos não o conseguem fazer) como vence na Europa. Mourinho tem sucesso de forma sistemática e sustentada e, parece-me, que as tácticas utilizadas não foram as mesmas.

Pedro disse...

É uma conversa paralela, mas ok..
como deves calcular, não te vou dizer que é uma agressão, porque é, e que deve ser punida, mas é numa resposta a outra. Se não consideras que enterrar o dedo no olho de uma pessoa não é uma agressão é porque nunca te aconteceu. :p

O Messi devia obviamente ter levado amarelo pela atitude, não me parece que haja discussão aí.

A agressão ao Ozil não a vi, só o vi a queixar-se, suponho que tenha sido o Villa e tenha sido o motivo pelo qual foi expulso.

O banco do Barcelona levantar-se num lance daqueles é perfeitamente normal, aconteceria o mesmo numa situação contrária, mas sou-te sincero, o que eu vejo nas imagens é o Guardiola a correr, depois para e começa a impedir outros jogadores de lá irem e depois só voltam a mostrar já está a confusão lançada (se tiveres outras imagens partilha).

Fique claro que não sou pró Real nem pró Barcelona, tanto me faz.
Achei que foi uma boa arbitragem, com erros sem grande importância. O que me parece que acontece é que entre o Real e o Barcelona, cada pequena falta se tornou um caso. Todos os jogadores do mundo se atiram para o chão, mas se forem os do Barça já são uns fiteiros, assim como todos os jogadores têm entradas mais impetuosas mas se forem do Real são assassinos (lance do Khedira). Facto é que o Pepe tem já um longo currículo de lances violentos e que o Dani Alves gosta de fazer fita, tirando isso, parece-me tudo perfeitamente normal.

Para concluir, também nestas coisas o futebol tem muito a aprender com outros desportos. Na NBA uma situação destes seria muito bem punida, como é reclamar com os árbitros ou atitudes anti-desportivas.

Pedro disse...

Quanto à questão de ganhar em sítios diferentes, julgo que pode ser um ponto para dar mérito a um treinador, mas nunca argumento para retirar mérito a alguém que ainda não teve essa oportunidade e é aqui que a discussão se torna um bocado surreal.

Ao nível do que foi a postura defensiva do Real, obrigado pelo post Nuno, eu não tinha entendido exactamente o que se estava a passar, nem reparei nessa situação de defesa ao homem campo inteiro, mas explica o porquê das imensas dificuldades que o Barça teve em libertar-se e o porquê de criar imediatamente perigo quando o fazia.

DC disse...

E que tal ver as coisas por outro lado? Será que o Mourinho tem capacidade para ganhar continuamente no mesmo sítio? Ou desgasta de tal maneira o clube que tem necessariamente de sair?
No único clube onde ficou 3 épocas foi despedido!

Guilherme disse...

@Mike portugal: obg pelo comentário. não disse que disseste, mas foi o que o Casillas disse logo no final do jogo. o que só mostra a desonestidade intelectual que reina por aqueles lados.

antes da chapada do vilanova o mourinho meteu-lhe o dedo no olho [seriously? um dedo no olho? ridiculo]. se a mim me metessem um dedo no olho eu não me teria ficado por uma chapada. quem começou foi o do costume: acção-»reacção; ou em simples português: quem vai à guerra dá e leva.

- por outro lado: se fizessem uma entrada assassina ao meu colega e amigo acabado de chegar ao clube, um metro à minha frente, de certezinha que não ficaria sentado no banco a apreciar a antropológica demonstração de selvajaria alheia. simplesmente, não é algo compatível com a natureza humana, com alguém que tenha um mínimo de coração, mas ok, os jogadores do barça fizeram por ser expulsos........, estúpidos é oque eles são, deviam ter assistido impávidos e serenos ao festival de cacete...

- meanwhile, o herói português barafusta e dispara calão a torto e direito pelos lances mais banais: perfeitamente normal. vê um jogador adversário ser agredido aos seus pés e mais não consegue que lançar um olhar de desprezo. mas enfim, vale a pena justificar tudo [isto é um comentário em geral] em nome do chauvinismo primário, até manipular os resumos televisivos para não mostrar faltas e penaltis por assinalar ao barça, vale tudo inclusive esquecer os valores cívicos mais básicos.

- por último: a alegada conduta anti-desportiva dos jogadores do barça vem na sequência do quê? da comprovada conduta anti-desportiva dos jogadores do real madrid. a questão não é os jogadores do real serem impetuosos, é o de o serem sempre, e com prejuízo físico para o adversário. é que, caramba, se o pepe não é expulso, então porque raio devia ser o messi? murros, entradas sem bola não são sancionadas, e afastar uma bola para o lado já o deve ser.
está previsto no regulamento e este deve ser aplicado equitativa e justamente?
concordo a 100%: ou metade da equipa do real seria expulsa, ou teriamos um jogo limpo, mas então é para aplicá-lo a sério, independentemente de campanhas mediáticas lançadas na imprensa e conferencia de imprensa nas semanas antes dos jogos.

- isenção é isto:
http://www.adnfutbol.com/2011/08/caminando-por-el-lado-salvaje.html

http://es.eurosport.yahoo.com/futbol/ruben-uria/article/27008/todo-es-mentira/

http://www.diariosdefutbol.com/2011/08/18/el-madridismo-como-sentimiento/

Pedro disse...

DC, ele foi despedido por causa do maluco do russo que lhe impingiu o Schevchenko e que se meteu onde Mourinho não gosta q se metam. Mas sim, aceito q Mourinho não seja capaz de durar muito num clube devido a desgaste como bem dizes. Mas é e será sempre por uma questão de feitio e não de qualidade.

Ricardo disse...

Pedro (Mágico SLB), parece-me que partes de uma premissa errada: o sucesso desportivo de Guardiola apenas e só. Mas Guardiola não é só sucesso desportivo, embora ele seja, naturalmente, a consequência da qualidade e criatividade que trouxe ao futebol. O Barcelona actual não é divino por aquilo que ganha; é divino por aquilo que apresenta como solução para dominar consecutivamente todos os obstáculos que se lhe apresentam. Ninguém fez isso desta forma. Arrisco dizer: nunca. Embora tenha noção de que é ofensivo para grandes equipas do passado, especialmente o Real dos anos 50/60 e o Ajax dos 70.

O que Guardiola trouxe ao jogo é algo que o Mourinho - que é um excelente treinador - nunca trará.

Interessa-me pouco saber se Guardiola será capaz de duplicar o comportamento desta equipa catalã noutro qualquer clube, embora, aceito, tenha as minhas naturais curiosidades. Isto porque parece-me bastante discutível pedir-se-lhe que o exerça noutro sítio qualquer do planeta. O Barcelona que existe, este que a todos (?) fascina, não é obra do acaso nem de um trabalho sustentado apenas e só na filosofia de um treinador; é, antes, uma mescla quase perfeita entre compreensão do passado, identidade do próprio clube, qualidade óbvia do treinador e compreensão total dos jogadores que tem, dos que quer dispensar e dos que pretende para seguir a cartilha filosófica por que se rege.

Guardiola está num topo que nenhum Mourinho, Ferguson, Capello, Jesus ou Luís Campos algum dia atingirá. Aliás, Guardiola é já o melhor treinador à face da terra. Guardiola é já um conceito. Como dizer? Aquilo que aquela equipa faz há dois anos, EM TODOS OS CAMPOS DESTE MUNDO, EM TODOS OS JOGOS DESTE MUNDO, EM QUALQUER SITUAÇÃO, VANTAJOSA OU PREJUDICIAL, consecutivamente, é algo único.

Eu, como adepto, só tenho de agradecer.

BAD-RELIGION disse...

O mourinho anda louco para ganhar ao Barcelona, o pior é que agora tem montes de gente ao lado dele, no café aqui da zona o golo do Real madrid foi festejado como se fosse um do Benfica...(nem o de Portugal , quase ao mesmo tempo, foi festejado). Eu vi os 2 jogos, e pareceu-me sempre que o Barcelona só fez o suficiente para o resultado minimo, parecia que tinham tudo controladíssimo, e que assim que quisessem ou estivessem em desvantagem davam facilmente a volta ao resultado, mesmo que o Real se tenha fartado de atacar o e o Valdês de defender.

Não gostei muito do Messi no segundo jogo, achei-o muito C.Ronaldo, tantos jogos contra o Real estão lhe a fazer mal, é das más companhias.

Na parte de darem porrada e serem non-fair-play, o Barcelona parece uma equipa de fato e gravata, rouba e é matreira mas com classe, o Real parece que tem vestida uma pele de tigre e moca na mão, ingênuos e fazem tudo sem pensar.

Guilherme disse...

Cesc a ser pontapeado na cabeça pelo orgulho da nação.
I rest my case e desculpem o incómodo.

http://www.youtube.com/watch?v=umFCCI8O1WE&feature=player_embedded#!

http://www.rtve.es/alacarta/videos/supercopa-de-espana-2011/barca-gana-supercopa-bronca-final/1176981
(2:41)

Nuno Silva disse...

bem... além das considerações táctico-estratégicas sobre o encontro...

... os juizos de valor que são explanados sofrem do mesmo exagero dos acontecimentos do jogo.

é necessário enquadrar:

- os Barça-Real são o duelo desportivo mais importantes deste desporto

- a rivalidade Barcelona Madrid é algo que nasce com os seu cidadãos, logo adeptos do clube... é vivênciada social-politica-pessoal-desportivamente, etc.


- estes condimentos fazem com que apenas em momentos de clara diferença de valor se amenizem as rivalidade e intensidade com que se discutem todos os jogos, declarações e lances


- em momentos de equilibrio é sempre assim... sempre foi e será. aliás este jogo foi bem calmo para o que já vi há cerca de 20 anos. de tempos a tempos é assim... é intrinseco.


nem as entradas são tão brutas quanto se diz, nem os erros do arbitro são tão preponderantes, nem as simulações ou espalhafatos são tão determinantes.

É tudo normal.


Quanto à comparação. MEssi e Ronaldo são tão diferentes quanto incomparáveis.. assim como os 2 treinadores.

Mourinho é o mestre da estratégia... é o desafiador da lógica... é o DAvid que quase sempre consegue arranjar estratégia para derrotar o golias.

Pep é arquitecto, o conceptualista... o filósofo. O melhor treinador do mundo se o pensarmos na perfeição do trabalho que leva a um estilo, filosofia e estética de futebol perfeitos.


Alguém pediu para optar apenas por um??? não... então consagremos os dois... assim como Messi e Ronaldo, pois são os melhores do mund e provavelmente de sempre naquilo que sabem fazer melhor.

não percebo a necessidade de atacar um para menosprezar outro.


o futebol do Barça com Rikkard tb já era pertíssimo deste nível e também já goleava o REal... e o que o REal conseguiu melhorar em meia época desportiva com Mourinho é para lá do que qualquer outro treinador poderia alguma vez imaginar fazer, mesmo Guardiola.

Estes 2 jogos de Super taça mostraram um equilibrio interessante com demasiado show off à roda de questões paralelas que não quero valorizar.

E não... não foi marcação homem a homem-o-campo todo... nunca foi!


o que é factual é que nos ultimos 5 anos deste BArça... sim, porque antes de Pep já existia este Barça... apenas Mourinho soube e conseguiu colocar areia na engrenagem perfeita que vem sendo (bem) burilada há mais de 10 anos de formação

Viva o futebol total!

Hugo disse...

É impossível falar de futebol com adeptos culés. O fanatismo tolda-lhes o raciocínio.
Já agora acusam com razão o Real e Mourinho de não saber perder mas esquecem-se das cenas que se passaram no final do jogo com o Inter.
Esquecem-se igualmente dos arruaceiros e fiteiros que têm nas suas fileiras.

DC disse...

O Mourinho foi o único a dar luta ao Barça? O Pellegrini perdeu 1-0 no Camp Nou com muita sorte para o Barça e 2-0 em casa num jogo onde o Guardiola foi obrigado a alterar a táctica e colocar o Dani Alves a médio.
E isto na sua 1ª época e na 1ª época da maior parte das estrelas da actual equipa. E sem Ricardo Carvalho, que parecendo que não faz uma diferença brutal.

Não digam asneiras, o Mourinho não fez nada de nada por este Real a não ser torna-los em cães raivosos!

João Duarte disse...

Acho que a caixa de comentários já se desviou por completo do post...

Assim sendo, deixo tb um video sobre o bom feitio do Messi durante a partida. É que não virgens rapaziada!

http://www.youtube.com/watch?v=jjWCGYgedZQ

É que isto de ser génio tb obriga a ter mau feitio, D10s é a maior prova disso, mas temos tb Zidane, Gascoigne, etc.

Marco disse...

O problema que me parece que existe nas tuas análises aos jogos entre o Barça e o Real, que tenho vindo a acompanhar de algum tempo para cá, e os constantes ataques, que compreendo e tendo a concordar, com as estratégias que monta o Mourinho para procurar contrariar o futebol dos catalães foca-se essencialmente na forma como ele o tenta fazer. E que até já conseguiu fazer com moderado sucesso.

Publicaste há pouco tempo um texto em que falavas da melhor forma para derrotar o Barcelona e qualquer pessoa que tivesse atenta ao que escreves acaba por ficar com a ideia de que, para vencer o Barcelona, a tua solução seria criar outro Barcelona. Em tudo igual, mas que naquele jogo específico tivesse mais sorte, porque no fundo seria tudo uma questão de ver quem seria capaz de conseguir fazer a posse da bola, quem ganha mais ressaltos, quem consegue desarmar e manter a posse, primeiro, e quem seria capaz de finalizar com êxito, porque, no fundo, tudo acabaria por resultar, em termos teóricos, nisto. O problema é que, em termos práticos, isto nunca vai ocorrer. Pelo menos a curto prazo, seja no Real ou numa equipa que faz uma posse de bola semelhante ao Barça, como o Arsenal, e vinco o semelhante já que há diferenças evidentes na escolha dos jogadores do meio campo para trás e no critério de gestão da posse nos corredores laterais e na forma como estes se desfazem da bola, apenas a título de exemplo. O porquê disto também é fácil de atingir. O Barça trabalha este modelo desde os escalões mais jovens até ao topo do futebol sénior. Basicamente, quem está no Barça tem uma vantagem de mais tempo, possivelmente do que aquele que têm de vida, a trabalhar a relação com bola, a compreender e jogar na desmarcação do colega que, da mesma forma, já o faz de forma tão natural como o Pepe oferece hematomas aos adversários. O critério, a escolha, a opção, no fundo, acaba por ser quase tão difícil de moldar como os atributos técnicos que os jogadores do Barça quase todos têm.
Isto para dizer que, em termos de encaixar as ideias de jogo que tem o Barça noutra equipa qualquer, roubando-lhes a bola e impedindo a pressão asfixiante que fazem quando não a têm, como o Arsenal, na Champions nas últimas duas épocas foi capaz de testemunhar, é algo que é verdadeiramente difícil de contrariar sem que haja um treino de gestão da posse e de criação de linhas de passe que seja feito de raiz, como é feito em Barcelona. Até se pode argumentar com o facto de haver jogadores que se encaixaram bem na equipa e cujo estilo e opções com e sem bola não fosse, em nada, igual ao deste Barcelona, como o Mascherano, mas a verdade é que encaixar um jogador no meio de dez que já o façam bem, não é a mesma coisa que revolucionar um onze e incutir-lhes ideias e opções que, reforço, são difíceis de conseguir pela excelência técnica e táctica que os jogadores em causa têm de ter.

Tendo isto em consideração, o que sugeres que faça o Mourinho? Aqui, num blog na internet, podemos subir à nossa torre de marfim e apelidar de Jaime Pacheco um dos melhores treinadores de sempre do futebol mundial. No campo, não obstante, ele tem de criar uma estratégia que julgue que funciona. E na verdade, para quem tenha visto o jogo, especialmente o primeiro e com uma finalização que reflectisse a quantidade de oportunidades de golo que cada uma das equipas criou, possivelmente o texto que acabaste de criar não sairia cá para fora. O Barça fez, no jogo de Madrid muito, mesmo muito pouco para que pudesse justificar uma derrota pela margem mínima, mas acabou por levar um empate. Em Barcelona, foram superiores e acabaram por merecer a vitória. É a força do resultado que dita se a estratégia do Mourinho foi ou não certa e, neste caso, ao contrário de outros ao longo da sua carreira, a sorte não sorriu a Mourinho e por isso somou nova derrota.

Marco disse...

O Mourinho não tem equipa para ganhar ao Barça como preconizas. Nenhuma equipa do mundo, aliás, tem. Para além do modelo de jogo, os jogadores que compõe o plantel do Barça são excepcionais para o desempenhar e ganhar-lhes fazendo o jogo deles é impossível. E isso, seria uma estratégia que, novamente, só alguém que escreve num blog poderia sugerir. Depois de ver um 5x0 em que foi precisamente isso que ele tentou, entrando em campo com uma equipa que queria mais ter a bola do que estava preparada para a recuperar. Foi o que se viu. Cheiraram durante o jogo todo e foram cinco vezes ao fundo da baliza para a recolocar no meio campo.

Novamente, compreendo as tuas ideias e concordo com algumas críticas ao Mourinho. A tentativa de defesa a jogadores selvagens como o Pepe é algo que, para mim, não deveria ter lugar em qualquer lado. A opção por jogadores como Khedira, Lass ou Di Maria para compor o plantel, dispensando miúdos com a classe de Pedro Léon e Canales custa-me a compreender. Mas, somando tudo, parece-me que a grande maioria das críticas que lhe diriges são injustas e acabam por partir de um resultadismo que, em tempos, serviu para lhe dar graças por tudo o que atingiu e que, nesta altura, é o que lhe está a escassear.

PB disse...

Só não gostei de apelidarem algo de jaime pachequisse, com conotação negativa. Qq dia estao a dizer q o ilidio vale tb é mau. Todos os treinadores q ja ganharam qq coisa, ou um ou outro jogo n sendo favoritos p o fazer, mm q por pura sorte, sao super competentes!

Nuno disse...

Mike Portugal diz: "É engraçado falares na leviandade da arbitragem, porque o Messe safou-se de apanhar amarelo por 3x devido a comportamento anti-desportivo. E possivelmente safou-se do vermelho devido a reincidência."

Mike, é preciso alguma lata para pedir a expulsão do Messi por ter feito duas vezes uma coisa que não magoa ninguém, e que, quando muito, é uma contestação do trabalho do árbitro, quando toda a selvajaria restante passou impune.

"Fazem simulações atrás de simulações e neste jogo o Messi fez o suficiente para ser expulso por acumulação de comportamento anti-desportivo."

Mike, é mentira que os jogadores façam simulações atrás de simulações. Foi uma coisa que o Mourinho inventou para trazer as arbitragens para o seu lado, e que por toda a imprensa portuguesa o repetir, maior parte dos espectadores acredita. Fita fez uma vez o Busquets, ainda na meia-final contra o Inter, e logo ficou com a fama. Depois disso, é mentira tudo o que disse a esse respeito. Para te dar um exemplo concreto de como isso é uma estratégia do Mourinho, pedia-te que me recordasses de um só lance em que alguém tenha feito fita neste jogo em concreto. Eu não me lembro de nenhum lance em que sequer os jogadores do Barça tenham ficado no chão por muito tempo, tirando aqueles em que levaram uma cacetada óbvia. Pois bem, na conferência de imprensa o Mourinho voltou a lembrar que foi educado para jogar como um homem e não cair ao primeiro sopro. Ele inventou essa teoria antes dos 4 confrontos o ano passado, precisamente para preparar a equipa para jogar de um modo mais agressivo e condicionar os árbitros. Por causa disso, diz-se agora que os jogadores do Barcelona são isto e aquilo. Não são nada. São iguais a quaisquer outros. Quanto ao Messi ser expulso, é-me difícil aceitar que as pessoas se atirem aos arames por causa de dois pontapés na bola em forma de protesto e não partam numa cruzada para linchar o Pepe por uma única das suas entradas. É de uma incoerência...

Mike, e de que modo é que o texto do Visão de Mercado é imparcial? Só porque parece que deixou empatados os maus-comportamentos? Pois, mas esqueceu-se as sucessivas agressões do Pepe (não foi só o Piqué), ao Pedro, ao Messi, ao Iniesta? E as do Khedira e do Sérgio Ramos? Imparcialidade não é ver coisas más dos dois lados; é ver os dois lados com os mesmos óculos. E isso não foi feito.

"O que eu gostava mesmo de ver era esta equipa do Barça, com todos os jogadores e treinador que agora têm, sem o Messi. Aí é que eu queria ver se o nº de vitórias se mantinha."

Claro que não se mantinha. O Messi é o melhor do mundo, logo o Barcelona iria ficar mais fraco. Mas não é assim em qualquer equipa. Será que o Real ganharia tanto sem o Ronaldo? Esse argumento não faz sentido. E acredita que menos perderia o Barça ficando sem Messi do que perderia o Real ficando sem Ronaldo.

Nuno disse...

Ped Zimmerman diz: "(...) e tu tas a dizer que o homem e' primitivo?"

Ped Zimmerman, o que apelidei de "primitivo" foi a estratégia adoptada. E é por ele ser bastante competente que me parece ridículo ter de recorrer a coisas tão obsoletas.

Máximo, é verdade: o Guardiola a fazer sinal para o Valdez bater longo, a imagem a abrir e a equipa toda subida, e o Pedro Henriques a dizer que ele estava a mandar a equipa acordar. Nem com atenção ao que se passa estão, como é que se pode levá-los a sério?

Ricardo, concordo. A diferença é que um (a zona/homem-a-homem) é um princípio geral que mexe com toda a forma da equipa jogar, ao passo que outro (renunciar a sair a jogar de trás) é um sub-princípio. O Barça nunca abdicou de fazer a sua circulação normal; apenas passou a fazê-la após recuperação da bola e não desde que saía de trás.

João Duarte diz: "Acho q há um paradoxo na tua análise. Numa fase de arranque de época, onde estamos longe do top da forma, o futebol técnico do Barcelona não deveria sair priveligiado em relação à abordagem fisica do Mourinho?"

Não concordo. Nesta fase da época, com os indíces físicos ainda não a 100%, sobressaem os jogadores mais fortes do ponto de vista atlético, ou seja, aqueles que, por natureza, dependem menos da forma física para exercer a sua qualidade. O futebol do Barcelona depende muito mais dos índices físicos porque a excelência técnica e intelectual, que é aquilo por que se caracteriza o futebol do Barça, dependem deles. O Real ataca em 3 ou 4 passes, não trabalha a bola, não dá privilégio à componente técnica do jogo, logo faz menos a diferença, na qualidade do seu jogo que não estejam ainda no seu melhor.

"Outra questão é q me parece paradoxal é chamar técnico ao futebol do Barcelona. Técnica é forma como tratam a bola, mas as dinâmicas de trocas posicionais e as alterações de ritmo impostas pelo Barça funcionam bem (não só pq a bola corre mais), mas pq os jogadores do Barça são enormes atletas do ponto de vista fisico. Pode-se considerar q são jogadores "leves", mas não fracos ou frágeis."

Os jogadores do Barça não correm mais que os jogadores das outras equipas; correm melhor. Logo, não é do ponto de vista físico que vem a diferença. É do ponto de vista intelectual, pois requer boas tomadas de decisão, e do ponto de vista técnico, pois requer passe e recepção, que são os dois principais recursos colectivos com bola.

Nuno disse...

Pedro diz: "É por esse motivo q gostava de ver Guardiola numa outra equipa para ver se mudava de "principios" ou se conseguia adaptar outros jogadores a esta mesma táctica."

Pedro, ele já ganhou noutro sítio: foi no Barça B.. Lá não tinha os jogadores que tem.

"Compreendo perfeitamente o q queres dizer mas o que tu fazias no lugar do Mourinho? Achas possível conseguir jogar de igual para igual com o Barça? Achas q o Real tem jogadores/equipa para isso?"

Pedro, já falei disto, em tempos. Acho que é perfeitamente possível jogar de igual para igual com o Barça e já houve quem o fizesse com sucesso. Claro que, para isso, não bastava a Mourinho entrar em campo pedindo à equipa para jogar à Barcelona. Precisava de trabalhar isso, e era o que deveria ter aproveitado para fazer no seu ano de estreia. Este ano, após um ano a trabalhar desse modo, estaria bem mais forte do que está. Preferiu o caminho oposto, o de levar ao máximo o modelo precisamente contrário. Continua a perder e, a meu ver, continua distante de começar a ganhar. E sim, tem jogadores para isso. Ainda este Domingo estava a pensar: como é que as pessoas nem sequer questionam o facto de o melhor jogador do mundo há 4 anos ser um reles suplente que mal entra no Real? E, depois, se em vez de ter ido buscar Khediras e outros que tais, se tivesse apostado noutro tipo de reforços, melhores condições teria ainda. Não esquecer que, além de não aproveitar o Kaká, ostracizou o Gago, que é só o melhor trinco que lá tem, e dispensou o Van der Vaart, por exemplo.

"Penso que durantes os anos q levas de futebol nunca terás visto uma equipa como este Barça. A q se deve esta raridade? E pq se torna tão dificil de derrotar? E de imitar?"

Pedro, a raridade deve-se a muitas coisas. Às ideias prestabelecidas em que quase todos acreditam e que dificilmente se muda de um dia para o outro. Um exemplo: o sair a jogar em qualquer circunstância, por mais apertado que esteja. Deve-se também ao facto de ser um modelo de risco, que se não for bem interpretado pode parecer que o treinador é ingénuo. Lembro que o Barcelona, quando o Guardiola lá chegou, demorou a carburar e, ao fim de 3 jornadas sem ganhar, já se dizia que tinha o lugar em risco. Depois foi o que se viu. Outros treinadores, com menos coragem, ou com menos sorte por estarem no lugar certo para arriscarem, não se aventurariam, por mais que acreditassem em coisas deste tipo, a tentá-lo. Lembro o que passou há uns anos, na época 2007/2008, no início do campeonato, na Naval. Era treinador o Francisco Chaló, e a equipa jogava à bola que se fartava. Como é evidente, a tendência seria melhorar. Mas depois de um arranque com dois empates em casa, com Setúbal e Belenenses, e uma derrota fora na Amadora, não resistiu, à quarta jornada, após perder 3-0 na Luz, apesar de ter dado uma lição de bem jogar na maior parte do tempo. Por pouco, um treinador bem acima da média, não ficava com a carreira arruinada por causa de uma ousadia que poucos compreenderiam. Felizmente parece estar a voltar a ganhar reputação aos poucos. Deve-se a raridade, por fim, ao facto de exigir uma complexidade bem superior a qualquer outro modelo. Depois, é difícil de derrotar, porque é o melhor modelo possível. Por fim, é difícil de imitar porque, como disse acima, é um modelo muito complexo, que exige mais do que qualquer outro modelo.

Nuno disse...

Bad-Religion, é verdade. Sempre achei muito difícil distinguir chauvinismo de patriotismo, mas então quando isso se transforma numa espécie de seita pode ser doentio.

Nuno Silva, percebo, mas não concordo. Há 20 anos, era muito mais fácil entradas duras passarem impunes. Nos últimos anos, sobretudo com a melhoria da transmissão dos jogos e com a sucessiva necessidade de tornar o jogo mais limpo, só em Portugal é que jogadores como o Bruno Alves não são expulsos jogo sim, jogo não. A agressividade dos jogadores do Real, nos últimos jogos, passou obviamente das marcas. Sempre. Nenhuma equipa inglesa, por exemplo, é tão agressiva e maldosa, na forma como disputam os lances, como os jogadores do Real nestes jogos. Há uma intenção clara de intimidação, que cresce a cada lance que o árbitro, apesar de marcar falta, não admoesta. O Pepe já fez o suficiente para que fosse irradiado do futebol, mas continua lá. E isto só vai mudar quando acontecer alguma coisa grave, como avisou o Guardiola, quando um daqueles cotovelos deixar um jogador do Barcelona inanimado, ou coisa parecida.

Nuno Silva diz: "E não... não foi marcação homem a homem-o-campo todo... nunca foi!"

Nuno, garanto-te que o foi. Não foi homem-a-homem no sentido de um jogador ir para todo o lado atrás do mesmo jogador. Houve permutas. Mas as referências defensivas eram a bola e o homem mais próximo, não a bola e os colegas. Posso dar-te vários exemplos disto, mas basta ires ver um resumo e em todos os lances em que o Barça tenta construir o verificas. Normalmente, o que acontecia era o Benzema pressionar um central, o Ozil caía no Busquets, o Khedira no Iniesta e o Xabi Alonso no Xavi. O Ronaldo e o Di Maria ficavam abertos, para se precaverem dos respectivos laterais. Se a bola fosse para o outro central, era o Ozil que saía a pressionar e o Benzema ia encostar no Busquets. Se o Messi vinha ao meio-campo, vinha com polícia, fosse o Carvalho, fosse o Pepe. Basta ver o lance do primeiro golo, ou o lance de que falei, em que o Messi recebe um passe vertical do Busquets, libertando-se do Carvalho, que o estava a marcar, e fica com uma avenida no corredor central porque o Sergio Ramos estava encostado ao Villa na direita e o Pepe ao Pedro na esquerda. Isto aconteceu sistematicamente.

Nuno disse...

Marco diz: "Isto para dizer que, em termos de encaixar as ideias de jogo que tem o Barça noutra equipa qualquer, roubando-lhes a bola e impedindo a pressão asfixiante que fazem quando não a têm, como o Arsenal, na Champions nas últimas duas épocas foi capaz de testemunhar, é algo que é verdadeiramente difícil de contrariar sem que haja um treino de gestão da posse e de criação de linhas de passe que seja feito de raiz, como é feito em Barcelona."

Não concordo com isso. Isto é, concordo que é preciso fazer um treino de raiz, mas não ao ponto de só poder ser interpretado por pessoas que passaram a vida toda (desde a formação) a fazê-lo. Vê o Abidal, o Dani Alves, o Keita, o Villa. Nenhum deles teve um treino de raiz. Adaptaram-se. E uns adaptam-se mais facilmente que outros, dependendo das suas características. Há muitos jogadores que permitiam este tipo de futebol.

"Tendo isto em consideração, o que sugeres que faça o Mourinho?"

Obviamente, o que ele podia fazer já devia ter começado a fazer há muito tempo. E teria de apostar em jogadores com outro tipo de competências, em que não apostou. Teria talvez passado o ano anterior sem ganhar nada, mas ao fim de um ano teria uma equipa muito mais competitiva, a jogar um futebol mais interessante. Não o tendo feito quando pegou na equipa, resta-lhe lutar com as armas que escolheu.

"O Barça fez, no jogo de Madrid muito, mesmo muito pouco para que pudesse justificar uma derrota pela margem mínima, mas acabou por levar um empate. Em Barcelona, foram superiores e acabaram por merecer a vitória."

Marco, o Real criou de facto mais oportunidades de golo que o Barça nesse primeiro jogo, fruto essencialmente dos erros em zonas recuadas potenciados pela pressão dos de Madrid. Mas aqui há tempos escrevi sobre a relação que pode haver entre quantidade de oportunidades de golo e probabilidades de vencer. Para a maioria das pessoas, é a quantidade de oportunidades de golo que define as probabilidades de vencer. Para mim, a quantidade não significa nada. As oportunidades do Barcelona são melhores oportunidades, no geral, do que as do Real, porque o próprio modo de jogar potencia situações de finalização mais propícias. É verdade que um dos lances é resultado de um coelho sacado da cartola do Villa. Mas o que sugiro é que, se calhar, o facto de o Barcelona ter poucas oportunidades tem a ver com o facto de não lhe interessar ter oportunidades de qualquer tipo. Se calhar, era fácil numa transição ter criado uma oportunidade, mas a probabilidade de marcar não era alta. E o Barcelona abdica, muitas vezes, de atacar em situações deste tipo. O Real não; o Real aproveita tudo. Nesse jogo, o Real teve mais oportunidades, mas porque o próprio estilo do Barça implica que precisem de menos oportunidades para marcar, não sei se é justo dizer-se que o Real merecia vencer por causa disso. Sinceramente, acho que o Barcelona não fez o suficiente nesse jogo para ganhar, mas o simples facto de que a grande maioria das oportunidades de golo do Real terem sido obtidas em esforço faz-me dar-lhes menos importância. Foram, na sua grande maioria, lances em que recuperavam a bola em zonas altas e tinham de definir o lance rapidamente. Isso, comparado com uma oportunidade à Barça, que normalmente finaliza só dentro da grande área, em condições de equilíbrio, espaço e tempo bem melhores do que é normal, não é nada.

Nuno disse...

Marco diz: "Mas, somando tudo, parece-me que a grande maioria das críticas que lhe diriges são injustas e acabam por partir de um resultadismo que, em tempos, serviu para lhe dar graças por tudo o que atingiu e que, nesta altura, é o que lhe está a escassear."

Marco, isso é falso. No dia em que o Mourinho ganhou a Taça do Rei, e todos disseram que tinha finalmente descoberto a fórmula mágica para ganhar ao Barcelona, eu disse o que continuo a dizer hoje, que tinha ganho uma vez, mas que a probabilidade de ganhar continuava na mesma a favorecer amplamente os catalães. De lá até cá, o Mourinho ainda não voltou a ganhar nada. Aliás, o Mourinho ainda não ganhou um jogo ao Guardiola, em 90 minutos, à excepção da primeira mão da meia-final da Champions que ganhou no Inter. O que disse não teve, como não tem agora, nada a ver com o resultado. Tem a ver com a estratégia em si. Pode levá-lo a ganhar uma vez ou outra, mas não o aproxima do Barcelona, que continuará a ganhar a maioria das vezes.

Eduardo Gaspar disse...

A ideia que me deu é que sem messi, muito dificilmente o Barcelona conseguiria contornar a estratégia do real. Concordo com o Post mas não consigo concordar nada com o facto de que o Ronaldo seja mais importante para o Real do que Messi para o Barcelona.

A estratégia do Barcelona funciona muito bem excepto por vezes quando as equipas pressionam alto, . viu-se agora contra o Real e o ano passado contra o Arsenal. Só que quando o Barcelona não consegue fazer o seu jogo, aparece Messi e resolve tudo. Basta ver que nesta supertaça para além dos 3 golos está presente de forma importantissima nos outros 2 golos e em quase todas as jogadas em que o Barça conseguiu rasgar o bloco defensivo do Real.
Também concordo porém que o Real não defendeu bem, mas não reparei na defesa homem a homem.

Duvido muito (e apesar de grande parte da selecção espanhola fazer parte do barça) de que contrariando-a com uma pressão alta a selecção espanhola conseguisse ter demonstrado a superioridade que demonstrou tanto no europeu como no mundial.
Não penso no entanto que para se superiorizar ao barça ou á espanha, alguém tenha que jogar da mesma forma, nem creio que isso faça qualquer sentido. Jogar da mesma forma será sempre dar-lhe uma grande vantagem

Hugo disse...

"Todos os treinadores q ja ganharam qq coisa, ou um ou outro jogo n sendo favoritos p o fazer, mm q por pura sorte, sao super competentes!"

A azia continua. Bons são os que não ganham nada. PB lá por tu não gostares da maneira como uma equipa joga não significa que o treinador seja incompetente...
Entretanto o "pior treinador do mundo" levou os sub-20 à final do Mundial. Já sei, foi pura sorte e porque os adversários não jogavam nada.

QuemSouEu disse...

o ilidio vale todos os dias te deve ligar a pedir conselhos ó PB. ele tem um curriculum enorme enquanto que tu, bem, nem vale a pena porque o teu deve ser maior ainda.. mas claro que incompetente é ele que levou a selecção à final enquanto que tu és o iluminado que ganha muita coisa no fm. enfim.

PB disse...

2'14, 4'06, 7'24. Conclusão, os burros madrugam e provavelmente aos trios!

Nuno disse...

É uma excelente conclusão! :)

Hugo disse...

Muito bom PB agora ja partes para o insulto.
Sao assim os iluminados do futebol que se julgam donos da verdade suprema

Eduardo Gaspar disse...

"2'14, 4'06, 7'24. Conclusão, os burros madrugam e provavelmente aos trios!"

È engraçado como é sempre na caixa de comentários de blogs que frequentas que tu demonstras quem realmente és. È incrivel como consegues disfarçar bem no teu blog.
Já agora, felizmente neste blog, o próximo post fala sobre factos e argumentos.
Tu pelos vistos esgotaste os teus argumentos á muito quanto ao Ilído Vale.

PB disse...

Quando chegar o terceiro estarola, eu respondo! Para ser mais rápido!!!

Entretanto, procurem ver a definição de "argumento". É que discutir com acéfalos, incapazes sequer de identificar o que isso é, para além do "é bom pq ganha. tal como o J.pacheco, e o vencedor da 5a divisao do suriname", desgasta!

QuemSouEu disse...

lol, és tão inteligente. deve ser por isso que tas a dar aulas em Alfornelos.ornelos.

Hugo disse...

Isso PB continua com mais insultos. "burros" , "acefalos", "estarolas"

PB disse...

Confirma-se. Vêm aos trios!

QuemSouEu disse...

Notícia de última hora: Gilberto Madaíl demite Ilidio Vale e contrata PB. Em comunicado o presidente da Federação Portuguesa de Futebol lamenta profundamente não se ter apercebido da imensa genialidade, curriculum e habilitações de PB e pede desculpa a todos os portugueses por ter demorado tanto tempo a despedir o treinador que só chegou à final dum campeonato do mundo.

QuemSouEu disse...

Podes festejar agora PB. Fico contente por te ver tão feliz.

Batalheiro disse...

Mike,

Acabas por me dar razão na tua resposta. Ganhar em equipas diferentes é dificil, obviamente, mas ganhar no mesmo clube, de forma consecutiva, também o é. Ainda que sejam dificuldades diferentes.

Vitó disse...

PB e Nuno, tenho pena do que voces aturam, lol. Mas acho normal, não é fácil compreender as vossas opiniões, eu, por norma, subscrevo na totalidade. Força aí.

PB disse...

Ahahah Vitó,

Valeu cara, txi agradeço a força!

(ainda tou a festejar o titulo do brasiu. o quimsoueu, diz que eu ganhei a dixcuxão porque o brasiu ganhou a copa. si portugau tivesse ganho, os argumentos que dei não seriam válidos não!)