sábado, 8 de março de 2008

Por essa Europa fora

Uma jornada europeia, no mínimo, bastante interessante. Por um lado, o desalento, quer pela lesão de Messi, quer pela impossibilidade de jogadores como Lucho, Quaresma, e Lisandro, continuarem na Champions. Não falo das derrotas do Real Madrid ou do Milan, porque nesses jogos era inevitável que um excelente naipe de jogadores ficasse pelo caminho. O Porto, com uma exibição bem conseguida, mas também muito consentida pelo adversário, não foi capaz de ultrapassar um Schalke demasiado receoso. De nada valeu o excelente trabalho de Lisandro naquele extraordinário golo. O Fenerbahçe, apesar do guarda-redes, fraquinho, e do avançado sem talento para fazer dupla com Liedson – Deivid -, deixou pelo caminho o Sevilha, que parece outra sem Juande Ramos. O Milan não resistiu ao talento de Cesc Fabregas e companhia, assim como o Lyon foi demasiado curto para o Manchester, com mais um golo de Ronaldo. De resto, Barcelona e Chelsea, com naturalidade, limitaram-se a confirmar a sua superioridade, enquanto o Roma, repetindo o resultado da primeira mão, deixou o Real pelo caminho.


Na Uefa, o Bayern continua imparável: 5-0, e um livre soberbo de Ribery. Do lado dos portugueses, Sporting e Benfica dão uma péssima imagem do nosso futebol. O onze de Alvalade é uma caricatura da equipa do ano passado. Jogam mal, de forma desorganizada, e sem identidade. Aquilo que no ano anterior faziam com tanta qualidade, a circulação de bola, a inteligência necessária para perceber que, caso de não se conseguir entrar por um lado, deve-se circular a bola até se encontrar uma situação privilegiada para se concluir o lance. Depois, a opção pelo jogo directo (com Abel em destaque) com uma equipa inglesa é, no mínimo, brilhante. Começando nas palavras do técnico leonino, que optou por pedir que os seus jogadores jogassem com as armas do adversário, em vez das suas – falo das suas palavras aos jornalistas: “ Vamos ter de saltar, correr, lutar...”. Um apelo feito ao único aspecto em que os ingleses poderiam superá-los: A vontade e entrega. No entanto o resultado não foi tão mau como a exibição, e o empate a uma bola, abre boas perspectivas para o jogo em Alvalade, desde que haja Vukcevic.


por Gonçalo

3 comentários:

pedro silva disse...

a mim não me surpreendeu o fenerbaçe passar! já os tinha visto 2 vezes na fase de grupos (as 2 contra o inter) e têm de facto um bom futebol.

Quanto ao united a mesma história de sempre. Com muita sorte e em grandes dificuldades lá passou (tal como no ano passado contra o lille) ainda assim são o mesmo flop de sempre. quando apanham uma equipa mais forte saem atropelados. este ano os carrascos real e milan ja nao estao mas nem por isso acredito neles.

Creio que com este cenário mais pobre o liverpool é o principal favorito. O barcelona também pode lá chegar mas precisa de...messi! O inter se conseguir passar torna-se num serio candidato mas será uma tarefa mto difícil! Quanto aos outros só vislumbro chances para o arsenal.

cumprimentos

Nuno disse...

Eu acho que a Roma pode fazer figura. A par do Arsenal, estão a jogar o melhor futebol da Europa. O Barcelona também me agrada, mas sem Messi, não sei não. Liverpool e Manchester também podem ter uma palavra a dizer, mas também podem ser manietados com facilidade. A ver vamos...

pedro silva disse...

arsenal e roma estão a jogar o futebol mais bonito da europa queres tu dizer! isso não significa que seja o melhor! o united pode ser manietado e isso acontece sempre. Já a liverpool a conversa é outra, mas espero que tenhas razão já na terça feira!

cumprimentos