quarta-feira, 18 de julho de 2018

O Mundial na Era da Estratégia

Depois de muito tempo de ausência, eis a mais recente crónica do "Passe e Devolução". É sobre a 'era da estratégia' e sobre o Mundial de 2018.

"Diz-se por aí que, depois das evoluções tácticas da última década, que se caracterizaram acima de tudo pelo advento da ideia de modelo de jogo (os jogadores passaram a comportar-se constantemente em função de uma ideia de jogo concreta, modelada em treino), entrámos agora na 'era da estratégia'. A expressão visa assinalar uma mudança de paradigma: uma vez que, ao mais alto nível, já todas as equipas funcionam de acordo com um modelo trabalhado com rigor e já não há equipas desorganizadas, nas quais os jogadores se comportem como bem lhes apetece, a diferença far-se-á muitas vezes pela estratégia particular de cada jogo, sendo por isso mais competente a equipa que melhor trabalhar para contrariar o próximo adversário e, por isso, a equipa que melhor souber adaptar-se às circunstâncias específicas de cada jogo. Ter uma ideia de jogo muito bem definida, e ter os jogadores preparados para jogar de uma determinada maneira, sejam quais forem as circunstâncias, terá assim passado para segundo plano. Não deixando de ser importante, já não é aquilo que faz a diferença nesta nova era. De acordo com a doutrina da 'era da estratégia', aquilo que faz a diferença é a forma como a equipa se prepara para explorar as fraquezas específicas de cada adversário e a forma como tenta anular os pontos fortes desse adversário (...)"

O artigo completo encontra-se aqui.


1 comentário:

JC disse...

Não poderia o Brasil ter sido essa equipa com mais iniciativa de jogo e menos dependente da estratégia adversária?
Lembro-me de teres dito que neste mundial, em comparação com o do Brasil e o da África do Sul, assistiríamos a melhores partidas, umas vez que as condições atmosféricas seriam mais favoráveis à prática deste desporto. Embora os jogadores fisicamente estivessem melhor, o futebol praticado não foi melhor que nos mundiais anteriores. Estará o declínio ou o abandono da ideia de jogo do Barcelona também relacionado com isto?