segunda-feira, 16 de maio de 2016

Os Melhores de 2015/2016

Eis os melhores da Liga Portuguesa, em 442 losango:

Guarda-Redes: Júlio César
Defesa Direito: Maxi Pereira
Defesa Esquerdo: Miguel Layún
Defesas Centrais: Lindelof e Ricardo Ferreira
Médio Defensivo: William Carvalho
Médios Interiores: João Mário e Pizzi
Médio Ofensivo: Gaitán
Avançados: Bryan Ruiz e Jonas

Treinador: Jorge Jesus

Suplentes (433)

Guarda-Redes: Salin
Defesa Direito: André Almeida
Defesa Esquerdo: Nuno Pinto
Defesas Centrais: Coates e Jardel
Médio Defensivo: Bakic
Médios Ofensivos: Adrien Silva e Herrera
Extremos: Iuri Medeiros e Rafa
Avançado: Mitroglou

Treinador: Paulo Fonseca

34 comentários:

RS disse...

Um bom exercício de subjectividade, para fechar bem a liga.
Para mim faltam menções honrosas a Diogo Jota, Slimani, Ederson e Fejsa, mas compreendo que não possam caber todos. Não concordo com a inclusão de William nos titulares e Herrera nos suplentes. Não gostas do Renato, mas se esses cabem, este tinha lugar certo pelo menos nos suplentes. E evitava a paulada nos comentários :)

Mike Portugal disse...

Discordo apenas de 2 posições, provavelmente por ser Sportinguista e faccioso nesse sentido, mas aqui vai:

GR principal: Patricio (salvou o SCP de perder/empatar várias vezes esta época e foi uma das razões que manteve a equipa a lutar até ao fim)
Avançado suplente: Slimani (marcou mais que o Grego e foi mais decisivo no SCP que o Mitroglou no SLB)

PT disse...

Opiniao sobre Ruben Semedo?

Blessing disse...

Gosto muito do Ricardo Ferreira!

PicaretaLeonina disse...

Engraçado que este é mesmo o campeonato de Bryan Ruíz. Para os que só ligam aos resultados e highlights, porque falhou um golo escandaloso que empatava o jogo em Alvalade com o Benfica. Para quem gosta de futebol, porque veio espalhar classe e inteligência pelos relvados portugueses como provavelmente nenhum outro jogador do Sporting nos últimos largos anos.

De resto, escolhas interessantes. Gostei especialmente da referência ao Iuri e ao Bakic, dos que não jogam nos grandes. O primeiro parece(pela renovação e outros sinais) que, com uma série de anos de atraso, vai ser aposta no Sporting. Iuri e Ruiz a pisar terrenos semelhantes tem tudo para ser mágico. E o segundo deve ter sido a melhor contratação de uma equipa fora dos grandes este ano. Só não sei se o acho médio-defensivo. Vejo-lhe, até, bastantes semelhanças com o Bryan. Pareceu-me menos imaginativo, mas até é possível que isso se deva ao facto de jogar numa posição em que as exigências nesse sentido são menores. De resto, a qualidade técnica soberba, o estilo a conduzir a bola e a facilidade com que sai de situações complicadas com a bola controlada, driblando dois e três adversários com uma facilidade enorme, são extremamente parecidos, mesmo. Adorava que o Sporting o fosse buscar, até porque tem predicados físicos que agradam ao JJ(e por isso teria mais facilidade em ser aposta) e, a meu ver, podia ser solução para várias soluções dentro do modelo de jogo.

Também gosto do Ricardo Ferreira, mas não sei se não escolhia o Boly em vez dele. De qualquer modo, dois centrais com bastante qualidade, que interpretam bem o jogo(seria de esperar que o Boly dependesse mais do físico que tem, mas tenta bastantes vezes resolver os lances de outra forma, o que me agrada muito) e com qualidade com bola. O Coates também é muito bom, e tenho pena que o central que acho que faria melhor dupla com ele(Ewerton) esteja muitas vezes lesionado...

Quanto ao Jesus, devo dizer que até excedeu as minhas expectativas. Não só no registo pontual, mas acima de tudo no futebol que a equipa foi apresentando, menos vertiginoso que o que se viu no Benfica. A equipa tenta resolver problemas com bola de forma mais coletiva do que esperava, e assim conseguiu potenciar uma série de jogadores de forma estrondosa. E destaco o Slimani aqui, não trocava nenhum dos avançados que referiste por ele(o talento é outro, claramente) mas o seu índice de boas ações por jogo disparou em flecha. É uma pena enorme que não tenha ganho o campeonato, mas uma equipa com metade do futebol(mas um grande ataque, diga-se) decidiu bater recordes com 40 anos ou lá o que é. Às vezes acontecem coisas destas...

da Costa disse...

Quanto a mim, Boly superior a Ricardo Ferreira, e Fejsa superior a Bakic. E Eliseu, ou até Grimaldo (que fez dois jogos para o campeonato), parecem-me francamente melhores que Nuno Pinto.

Menções honrosas para Diogo Jota, Walter Gonzalez, Mattheus, Rafael Martins, Bonatini, Josué e Braccali.

De resto, se este ano Jorge Jesus foi o melhor, qual a razão para a escolha de Marco Silva o ano passado? (ainda que considere este Sporting melhor que o Benfica 14/15)

RodaBola disse...

Boly muito mais que Ricardo Ferreira.

Nuno disse...

RS diz: "Para mim faltam menções honrosas a Diogo Jota, Slimani, Ederson e Fejsa, mas compreendo que não possam caber todos."

Sim, podia ter feito algumas menções honrosas. Não tendo feito para um, optei para não fazer para nenhum.

"Não concordo com a inclusão de William nos titulares e Herrera nos suplentes. Não gostas do Renato, mas se esses cabem, este tinha lugar certo pelo menos nos suplentes."

O William fez uma ponta final de época muito boa, tendo sido um dos responsáveis pelo bom futebol do Sporting nessa última fase. Começou mal, demorou a mostrar a qualidade que tem, mas acabou bem, e não consigo ver qualidade em nenhum médio-defensivo em Portugal que se aproxime da dele. Não entendo, por exemplo, o aparente consenso em torno do Fejsa. Esteve fortíssimo nos duelos, e aceito que tenha sido importante numa equipa que apostou tudo na forma como procurava roubar a bola ao adversário, mas foi só isso. E isso, para mim, é muito pouco. Quanto ao Herrera, não é de agora que gosto dele. É um dos patinhos feios da Liga. Não sendo um jogador extraordinário, foi o único médio do Porto, este ano, que esteve minimamente à altura das exigências do clube. E foi, a par do Layún, o melhor jogador da equipa. Quanto ao Renato, a única coisa que posso dizer, agora que o campeonato acabou, é que tudo o que eu disse sobre ele quando apareceu apenas pecou por escasso. Não mostrou nada de interessante, para quem joga na posição dele.

Mike Portugal diz: "GR principal: Patricio (salvou o SCP de perder/empatar várias vezes esta época e foi uma das razões que manteve a equipa a lutar até ao fim)
Avançado suplente: Slimani (marcou mais que o Grego e foi mais decisivo no SCP que o Mitroglou no SLB)"

O Júlio César também salvou várias vezes o Benfica e, sobretudo no primeiro terço do campeonato, foi muito importante, pelas mesmas razões, para o Benfica. Quanto ao avançado, não gosto particularmente nem do Mitroglou nem do Slimani. Reconhecendo que ambos foram importantes em termos de golos, acho que o Mitroglou foi muito importante para o Benfica sobretudo pela liberdade que permitiu ao Jonas, que foi o jogador-chave do campeonato. E isso merecia o destaque.

PT diz: "Opiniao sobre Ruben Semedo?"

Preciso de perceber se o que de bom tem mostrado é para continuar, ou se as paragens cerebrais regressam. É um jogador rápido, que permite à linha defensiva defender alto sem perder o controlo da profundidade. E melhorou as suas decisões com bola. Mas é preciso perceber como evolui, sobretudo a partir do momento em que sentir o conforto da titularidade.

Blessing diz: "Gosto muito do Ricardo Ferreira!"

Também eu. O gajo, com a bola, está sempre, sempre, à procura de meter entre as linhas do adversário. Tem o perfil de decisão, em construção, que mais aprecio num central.

Nuno disse...

PicaretaLeonina diz: "O primeiro parece(pela renovação e outros sinais) que, com uma série de anos de atraso, vai ser aposta no Sporting."

É pena é o Chaby, que é da mesma geração, não ter a mesma sorte. A diferença que faz em ter a sorte de ser aposta, mesmo em clubes de menor nomeada, é a diferença de estatudo que, neste momento, se criou entre os dois. O talento não é muito diferente (eu gosto mais do Chaby), mas, neste momento, a carreira de um está em ascensão e a do outro não.

"E o segundo deve ter sido a melhor contratação de uma equipa fora dos grandes este ano. Só não sei se o acho médio-defensivo. Vejo-lhe, até, bastantes semelhanças com o Bryan. Pareceu-me menos imaginativo, mas até é possível que isso se deva ao facto de jogar numa posição em que as exigências nesse sentido são menores. De resto, a qualidade técnica soberba, o estilo a conduzir a bola e a facilidade com que sai de situações complicadas com a bola controlada, driblando dois e três adversários com uma facilidade enorme, são extremamente parecidos, mesmo."

O Bakic jogou ou como médio-defensivo, ao lado de outro médio, ou como médio interior. Pessoalmente, acho que daria um bom médio-defensivo. Não o acho parecido com o Ruiz. Acho-o tecnicamente forte, mas não é muito ágil, e não me pareceu extraordinariamente criativo.

"Também gosto do Ricardo Ferreira, mas não sei se não escolhia o Boly em vez dele."

Para mim, a diferença entre os dois é muito significativa.

"Quanto ao Jesus, devo dizer que até excedeu as minhas expectativas. Não só no registo pontual, mas acima de tudo no futebol que a equipa foi apresentando, menos vertiginoso que o que se viu no Benfica. A equipa tenta resolver problemas com bola de forma mais coletiva do que esperava, e assim conseguiu potenciar uma série de jogadores de forma estrondosa."

Totalmente de acordo. Vamos ver o que fará se ficar sem alguns dos jogadores que lhe permitiram jogar desse modo.

da Costa diz: "Quanto a mim, Boly superior a Ricardo Ferreira, e Fejsa superior a Bakic. E Eliseu, ou até Grimaldo (que fez dois jogos para o campeonato), parecem-me francamente melhores que Nuno Pinto."

Sobre o Boly, não tenho nada a dizer. O que eu realmente admiro no Ricardo Ferreira é o perfil de decisão com bola, na primeira fase de construção. Não vejo o mesmo no Boly. Quanto ao Fejsa, enfim. Eu acho o Fejsa um médio-defensivo interessante, que prima pela simplicidade. Mas acho-o inferior ao Samaris, por exemplo, e numa equipa que quisesse jogar bem o grego seria sempre a primeira opção. O Fejsa, este ano, foi um bocado o espelho da pobreza de ideias do meio-campo do Benfica. Como é muito forte nos duelos, e o Benfica viveu muito da forma como defendia e pressionava através dos seus médios, as suas principais virtudes apareceram. E acho que é por isso que as pessoas tendem a elogiá-lo. Eu não consigo. O Grimaldo foi o melhor defesa esquerdo que vi este ano. Mas só jogou 2 jogos. O Nuno Pinto impressionou-me, no início da época. Depois não o vi muito mais vezes. Mas gostei do que vi nessa altura.

"De resto, se este ano Jorge Jesus foi o melhor, qual a razão para a escolha de Marco Silva o ano passado? (ainda que considere este Sporting melhor que o Benfica 14/15)"

A qualidade do futebol apresentado. A qualidade deste Sporting, sobretudo em organização ofensiva, não tem rigorosamente nada a ver com a qualidade dos últimos 2 anos do Benfica de Jesus.

RodaBola diz: "Boly muito mais que Ricardo Ferreira."

Por alguma razão em especial?

da Costa disse...

Eu também considero o Samaris mais jogador de equipa grande que o Fejsa. Mas o sérvio é de uma regularidade impressionante, não falha um posicionamento e esteve intimamente ligado à subida de forma do Benfica. E, curiosidade à parte, foi sempre campeão desde que é sénior.

Em relação ao Boly creio que a qualidade é inequívoca. Vi vários jogos do Braga esta época e pareceu-me ser o melhor central da equipa. Nalguns momentos, teve falhas graves de concentração, ao nível do posicionamento, mas com bola acho-o incrível. E vou deixar aqui um vídeo (ele fez isto muitas vezes durante a temporada) que comprova o que estou a dizer.

Este jogo é do início da época e atenta no 3º golo do Braga. É o Boly que assiste para o Crislan.

https://www.youtube.com/watch?v=HmZ5o1QOGRE

Acho que há poucos centrais na Liga a sair de uma situação apertada daquela forma e a completar a jogada com um passe daqueles.

Nuno disse...

"Mas o sérvio é de uma regularidade impressionante, não falha um posicionamento"

Por acaso não concordo. Acho que é muito bom a ler os lances, e a antecipar a decisão dos adversários, mas não o acho particularmente forte no posicionamento. Aliás, a relação do Fejsa com os centrais está longe daquela que se via no tempo do Jesus, por exemplo.

"esteve intimamente ligado à subida de forma do Benfica."

O Fejsa, o Renato, a dupla de ataque ser o Mitroglou e o Jonas, etc., etc.. A relação íntima entre certas opções do treinador e a melhoria dos resultados é difícil de definir. Muito mais importante do que qualquer uma dessas opções, para mim, foi a lesão do Luisão. Com Lisandro e, depois, Lindelof, o Benfica passou a defender muito mais alto e muito mais compactamente. E isso permitiu à equipa asfixiar o adversário no seu meio-campo, em muitos momentos dos jogos. O Fejsa e o Renato puderam depois fazer o seu trabalho de sapa, mas apenas porque a defesa conseguiu jogar muito subida. A grande virtude colectiva do Benfica, esta época, foi o comportamento da linha defensiva, a partir de uma determinada altura.

"Em relação ao Boly creio que a qualidade é inequívoca. Vi vários jogos do Braga esta época e pareceu-me ser o melhor central da equipa. Nalguns momentos, teve falhas graves de concentração, ao nível do posicionamento, mas com bola acho-o incrível."

Eu não vi muitos jogos do Braga, sobretudo no início da época, e posso estar a ser um pouco injusto, mas não o acho nem primo do Ricardo Ferreira. Isto porque me interessa muito pouco a capacidade técnica dele. O perfil de decisão do Ricardo Ferreira é extraordinário, e só me parece semelhante, em Portugal, àquele que o Lindelof exibiu. A primeira preocupação é sempre procurar um colega entre linhas, e muitas vezes demora a soltar, arriscando a pressão do adversário, até ter um colega bem colocado dentro do bloco adversário e a dar uma linha de passe. Não vejo o Boly com essa preocupação.

"Acho que há poucos centrais na Liga a sair de uma situação apertada daquela forma e a completar a jogada com um passe daqueles."

Para ser franco, não vejo nada de especial no lance. Ele aproveita o balanceamento do avançado que vem direito a ele e passa a bola do pé esquerdo para o direito, evitando-o. Ao mesmo tempo, o segundo avançado que poderia incomodá-lo escorrega. E ele sai dali sem problemas. Depois, conduz a bola sem oposição, levanta a cabeça, vê a desmarcação do avançado e mete a bola nas costas da defesa. Não vejo nada de especial nisso, sinceramente. Difícil é procurar uma linha de passe quando ela não existe, aguentar até ela se criar, passar tenso para não dar tempo a que o pressing do adversário reduza o espaço criado pelo colega que se movimentou para recebê-lo atrás dos avançados do adversário, etc.. São raros os defesas que têm este tipo de preocupações. Não as vejo no Boly, e acho que é por isso que não me entusiasma tanto como o Ricardo Ferreira.

PicaretaLeonina disse...

Claro que concordo com o que dizes do Chaby. Lembro-me de estar a ver um ou dois jogos da equipa B este ano em que ele participou e de pensar que até eu, que sempre o adorei, me estava a esquecer um bocado do quão talentoso é o rapaz. Aliás, o meio-campo e ataque que a equipa B do Sporting apresentou na segunda volta, com um treinador decente(deve ser por isso que os putos têm de levar com o João de Deus, para não fazerem tantos pontos :) ) dava para lutar pelo top4 na primeira liga. E até podia ir mais longe...

E já que se está a falar no Chaby, a única boa notícia que a tabela classificativa me trouxe foi a descida do Norton. O idiota tinha um jogador absurdamente talentoso à disposição, num contexto em que eles não abundavam, e não lhe passou cartão ou por não ser do clube do coração ou então(razão mais provável) por perceber tanto de futebol como uma bandeirola de canto. E o Chaby até tem tido bastante azar com outro fator na carreira, as lesões(não só costumam ser algo graves como surgem normalmente nas alturas em que até parece que lhe vão prestar alguma atenção), mas esse não foi o caso no União. Aqui, sim, o futebol foi justo- um gajo que ostraciza um jogador tão acima dos outros e que para além disso mete as suas equipas a jogar um futebol medonho merece cair, e com estrondo.

Quanto ao Bakic, concordo com a questão da criatividade, como tinha dito(embora com a ressalva de ele ser, muitas vezes, exposto a contextos menos exigentes nesse sentido). Mas acho que tem uma agilidade acima da média para a altura que tem. Já a questão do Boly, eu acho que ele procura esse tipo de passes. Foi até pelo perfil de decisão que ele e o Ricardo me saltaram logo à vista, nos primeiros jogos que vi do Braga, em relação aos centrais que lá jogavam antes(o André Pinto, por exemplo).

E por fim, a que jogadores te referes? Parece-me que o único que está quase certo que vai sair(pela cláusula, acredito) é o Slimani, e não me parece que seja assim tão complicado de substituir. Eventualmente acredito que saia o João Mário, por valores absurdos, e esse sim seria mais complicado de substituir. Acima de tudo peço duas coisas: que não venha nenhum Salvio(falo do perfil, aqui) e que nenhum chinoca ou o crl se passe pelo Bryan. Esse é que tem MESMO de ficar.

Tiago Stuve Figueiredo disse...

Dizes num comentário acima (sobre o Ricardo Ferreira) que não viste muitos jogos do Braga.

Pergunto então como consideras o PF como um dos melhores treinadores tendo visto poucos jogos da equipa dele e tendo o Braga um pior registo que o braga do picareta do Sérgio Conceição.

É que continuo a não ver assim nada de especial...

A não ser que a escolha do PF se fique a dever à falta de qualidade dos restantes treinadores, como que o "menos mau" a seguir ao Jesus

Nuno disse...

Tiago Stuve Figueiredo diz: "Pergunto então como consideras o PF como um dos melhores treinadores tendo visto poucos jogos da equipa dele e tendo o Braga um pior registo que o braga do picareta do Sérgio Conceição."

Pior registo em que aspecto? Seja como for, o único critério é a qualidade do futebol apresentado. E não preciso de ver muitos jogos para aferir a qualidade de uma equipa.

Tiago Stuve Figueiredo disse...

Mesmos pontos, mesmo quarto lugar. Pior ataque, pior defesa, distância mais vincada para terceiro, segundo e primeiro.

Ainda hoje apenas vi uma equipa organizada a defender mas que em 120 minutos não criou uma única jogada de ataque. Uma!

O futebol apresentado foi bom na liga Europa. No campeonato não vi qualidade nenhuma, tirando dois ou três jogos.

Acho que viste um ou outro jogo bom e tomaste a parte pelo todo

The Beast OnFire disse...

O que achas do Lindelof? Achas que a questao de um jogador com as caracteristicas dele ser aposta a formacao no Benfica mudou, ou continua a ser so forca e velocidade e o resto nada?
A mim ainda me parece um pouco virada para os atributos fisicos do que cognitivos. E sobre a forma muito compacta como a linha media e linha defensiva do Benfica defendiam o que achas que se deve fazer nessas situacoes para arranjar espaço entre-linhas? Suponho eu sendo o espaço que é mais favorável e melhor para criar situações de finalização

carlos eduardo Cardoso disse...

O Bayern manda um beijinho para ti ;)

carlos eduardo Cardoso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Tiago Stuve Figueiredo diz: "Mesmos pontos, mesmo quarto lugar. Pior ataque, pior defesa, distância mais vincada para terceiro, segundo e primeiro."

Em termos de campeonato. E a Taça e a Liga Europa? De qualquer forma, o critério é o futebol apresentado. E esse não é sequer primo daquele que o Sérgio Conceição apresentou.

"Ainda hoje apenas vi uma equipa organizada a defender mas que em 120 minutos não criou uma única jogada de ataque. Uma!"

É verdade. O Braga optou por dar a iniciativa ao adversário, traindo os seus princípios, e não fez um bom jogo. Acabou por aproveitar os erros dos adversários, e não me parece que tenha merecido a vitória. Isso não anula o resto da época. Ainda que, em alguns jogos, não tenha sido mais do que isto, houve jogos em que o Braga mostrou qualidade.

"O futebol apresentado foi bom na liga Europa. No campeonato não vi qualidade nenhuma, tirando dois ou três jogos."

Houve bons jogos no campeonato e bons jogos na Taça também. Não estou a dizer que o futebol tenha sido sempre óptimo, nem estou a dizer que tenha sido regularmente extraordinário. Estou a dizer que foi acima da média. Num país em que 90% dos treinadores apresentam banalidades tácticas e oferecem espectáculos pouco interessantes, o Braga de Paulo Fonseca conseguiu mostrar coisas acima da média. É só isso.

The Beast on Fire diz: "O que achas do Lindelof? Achas que a questao de um jogador com as caracteristicas dele ser aposta a formacao no Benfica mudou, ou continua a ser so forca e velocidade e o resto nada?"

Não sei. Pode ser meramente circunstancial. Não sei com que idade o Lindelof veio para Portugal. O que gosto nele, para além do critério que apresenta com bola, é a forma como interpreta os lances em concreto, como percebe se deve antecipar-se, ou se deve proteger a profundidade. A percentagem de decisões acertadas que tomo neste capítulo é assombrosa.

"E sobre a forma muito compacta como a linha media e linha defensiva do Benfica defendiam o que achas que se deve fazer nessas situacoes para arranjar espaço entre-linhas? Suponho eu sendo o espaço que é mais favorável e melhor para criar situações de finalização"

Usar a bola como engodo. Ou seja, fazer entrar a bola em espaços sobrepovoados, entre linhas, só para voltar a sair. Enquanto a bola entra e sai, os jogadores tenderão a aproximar-se uns dos outros, na zona onde a bola entra, e criam-se espaços noutro lado. Se isto for feito enquanto outros jogadores, sem bola, procuram entrar nas costas da defesa, torna possível explorar a profundidade logo após a bola sair dessa zona. E a consequência disto é ou o aproveitamento efectivo dessa profundidade, ou o obrigar a defesa a recuar rapidamente para fazer face a esse perigo, criando assim espaço entre a defesa e o meio-campo. Continuo perplexo por não haver equipas, depois do Barcelona de Guardiola, a procurarem usar a bola como engodo. Acho que era a arma mais letal dessa equipa, e aquela que melhor definia os seus comportamentos ofensivos. E, tirando o Bayern do próprio Guardiola (e muito menos deliberadamente), não vejo mais equipas, por melhores que sejam, a fazer isto.

Nuno disse...

Carlos Eduardo Cardoso diz: "O Bayern manda um beijinho para ti"

Carlos, os beijinhos saberão melhor quando, daqui a uns anos, o Renato estiver no patamar espectacular em que o Anderson está agora. A conversa é exactamente a mesma. Quando o Anderson estava no Porto, todos achavam que o potencial dele era irrecusável. Eu achava que o potencial dele era igual à qualidade que ele já tinha, e achava que cairia na banalidade ao fim de algum tempo. Não ia ser mais do que aquilo. Foi um negócio da China para o Porto, dado que nunca justificou o dinheiro que custou. Com o Renato passa-se exactamente o mesmo. Mesmo aqueles que não acham que o Renato seja extraordinário, acham que justifica a aposta por causa do potencial. Eu acho que o potencial dele é igual à qualidade que já tem. Para mim, não será diferente do que já é. Está no máximo do seu potencial. E, com o passar dos anos, isso ficará evidente. Daqui a uns anos, gostaria que viesses cá para receber os beijinhos de volta.

The Beast OnFire disse...

A única equipa que vi a fazer isso com o Benfica foi o Braga(nada a ver com o Barcelona ou o Bayern evidentemente)na Luz. Onde ameaçavam a profundidade,a linha defensiva recuava para controlar a mesma e abria espaços entre-linhas e uma das situações de maior perigo foi mesmo com esse movimento onde o Rafa surge isolado mas atira por cima na tentativa de fazer o chapéu.

DM disse...

Nuno, excelentes essas palavras. Mas creio que no geral a opinião de grande parte dos adeptos é que o Renato foi um "negócio da China". Dificilmente conseguiriam vendê-lo por valores sequer próximos dos que foram oferecidos se ficasse no Benfica mais uma época e as pessoas começassem a perceber que a evolução ia ser 0. A mim o que me choca é uma equipa com o Bayern com aquele dinheiro para gastar opte por comprar um Renato Sanches quando até poderia ter ido buscar um médio em condições como o Verratti (que creio que não sairia muito mais caro). Fico completamente atónito como é que estes clubes com departamentos de scouting pagos a preço de ouro levam estes barretes. Eu acho que o Renato Sanches ainda pode mostrar algum evolução, principalmente com bola. Mas daí até ter qualidade para ser sequer uma solução de banco para uma equipa que luta pela Champions... É que eu já achava loucura quando se associava o João Mário a equipas como o Barcelona, por exemplo, e é um jogador muito mais evoluido que o RS a todos os aspetos excepto o fisico.

Em relaçao à equipa do ano, nada a dizer. O Lindelof também foi o que mais me impressionou, a par do Ruben Semedo (este porque a expectativa era -10 e acabar a época como titular do Sporting era completamente inesperado). O Coates ainda não consigo ter uma opinião formada. No jogo com o Porto mostrou alguns defeitos que me fizeram ficar de "pé atrás". O Iuri Medeiros é um dos meus jogadores favoritos e creio que assim lhe seja dada uma oportunidade real e chegará a patamares muito elevados. É um dos jovens de Portugal (e aqui incluo todos dos sub23 para baixo) com mais potencial. A par do Bernardo Silva.

Miguel Pinto disse...

Em vez de layun, luvas lima (Arouca)
Em vez de pizzi, iuri medeiros.
Em vez de herrera, rafa e assim dava para colocar diogo jota e gelson como extremos.

Essa seria a minha escolha.

Abraço

Miguel Pinto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
carlos eduardo Cardoso disse...

Daqui a uns anos mando mais beijinhos. MUSGUEIRA

carlos eduardo Cardoso disse...

Acrescentar que o departamento de scouting do Bayern n sabe nada desta vida e o Nuno e o Mourinho. Primeiro portugues no gigante da Baviera. Teclado ingles

Luis Figueira disse...

Boas Nuno;
Só queria deixar-te uma questão em relação ao Renato Sanches...
Sei que não o aprecias particularmente, que estás convencidíssimo que irá ser um flop no Bayern.
O que achas então que viram os responsáveis do Bayern de Munique no RS? Porque é que gastaram tanto dinheiro na sua contratação, se vai ser seguramente um flop? Qual a expectativa dos seus dirigentes/treinadores?
Não estamos a falar de um clube qualquer, estamos a falar de um dos melhores clubes do mundo, com uma super estrutura e já ganhava antes de chegar o Guardiola (inclusivé a Champions)..

Pessoalmente e em relação ao RS posso concordar contigo em alguns pontos, é um jogador ainda com muitas falhas, tanto na decisão como no posicionamento, mas acho que exageras um pouco na forma como falas dele como um jogador banal. Eu vejo-o sempre como uma espécie de um Davids, de um Seedorf.
O futuro dirá...

DM disse...

Luís, todas as equipas têm excelentes departamentos de scouting e todos levam grandes flops. Porque motivo comprou o Real o Illaramendi por 40 milhões? É o Bayern não tem esbanjado dinheiro em muitos outros flops também? O problema é que onde há muito dinheiro vai escasseando o critério.

The Beast OnFire disse...

Nuno,

E a questão que te fiz, mas tendo em conta que a equip adversário defende num 1-4-2-3-1 ou num 1-4-1-4-1?

Obrigado e Cumprimentos

Nuno disse...

DM diz: "A mim o que me choca é uma equipa com o Bayern com aquele dinheiro para gastar opte por comprar um Renato Sanches quando até poderia ter ido buscar um médio em condições como o Verratti (que creio que não sairia muito mais caro). Fico completamente atónito como é que estes clubes com departamentos de scouting pagos a preço de ouro levam estes barretes."

Eu não fico surpreendido. A opinião de um departamento de scouting sobre um jogador é, geralmente, muito aproximada da opinião pública acerca dele. O Renato apareceu em força, e criou-se de imediato uma opinião muito favorável. A partir daí, o Renato nem sequer voltou a fazer grande coisa (não marcou mais golos, não esteve nos principais lances da sua equipa, não voltou a fazer aquelas arrancadas que fez com o Atlético de Madrid), mas a opinião estava criada. Foi chamado à selecção, o Benfica continuou a ter bons resultados, e isso é o que interesse. Se não fosse para o Bayern, ia para outro clube. Ele não foi para lá porque o departamento de scouting achou que ele era bom. O departamento de scouting foi contagiado pela opinião pública, que determinou, antes da transferência, que ele era bom para qualquer clube europeu. É assim que funciona em relação a tudo. O Napoleão depauperou a França, levou para a guerra todos os adolescentes franceses, e deixou a nação à beira da calamidade. Quando regressou do exílio em Elba, tinha todo o apoio popular que podia ter. A ponto de nenhum general se atrever a enfrentá-lo. Na maioria das vezes, a opinião das massas é que determina as opiniões individuais.

Carlos Eduardo Cardoso diz: "Daqui a uns anos mando mais beijinhos. MUSGUEIRA"

Está bem. Mas olha, não queres tratar dos dentes antes disso?

Luis Figueira diz: "Só queria deixar-te uma questão em relação ao Renato Sanches...
Sei que não o aprecias particularmente, que estás convencidíssimo que irá ser um flop no Bayern.
O que achas então que viram os responsáveis do Bayern de Munique no RS? Porque é que gastaram tanto dinheiro na sua contratação, se vai ser seguramente um flop? Qual a expectativa dos seus dirigentes/treinadores?"

A resposta encontra-se na resposta ao DM. Não viram nada. Formaram uma opinião com base na opinião geral acerca dele. A mesma opinião que determinou que o Renato era um jogador excepcional, ao fim de 2 jogos, foi a mesma opinião que determinou que os dirigentes bávaros achassem que era um bom investimento e a mesma opinião que determinou que era um jogador que fazia falta à selecção nacional, mesmo quando o Pizzi fez o campeonato que fez e o Tiago já estava disponível. As pessoas não pensam pelas suas próprias cabeças.

"Eu vejo-o sempre como uma espécie de um Davids, de um Seedorf."

O Seedorf e o Davids eram jogadores completamente distintos. Tecnicamente, o Seedorf era muito evoluído. O Renato nunca vai ser como o Seedorf. Até pode vir a ser como o Davids. O problema é que, no futebol moderno, já não há espaço para Davids. É, em parte, esse o meu ponto em relação ao seu futuro. O que ele pode vir a dar já não é propriamente importante agora e será ainda menos importante daqui a 10 anos.

"E a questão que te fiz, mas tendo em conta que a equip adversário defende num 1-4-2-3-1 ou num 1-4-1-4-1?"

Como assim?

The Beast OnFire disse...

Tendo a equipa adversária um jogador ou mais entre-linhas?
A defender no sistema 4-2-3-1 ou 4-1-4-1, por exemplo, como conquistar esse espaço entre-linhas?

Nuno disse...

Desculpa a demora. Quando respondi à pergunta atrás, respondi em termos genéricos, sem pensar no modelo do adversário. E não sei se tenho uma resposta específica para cada modelo. Em primeiro lugar, porque a interpretação de um 4231, por exemplo, há-de ser muito diferente de equipa para equipa. E depois porque acho que esses espaços devem ser conquistados em função das circunstâncias do jogo. Claro que, se um dos médios tiver a missão de perseguir o atacante que entrar no seu espaço, eu posso jogar com isso e servir-me dessa tendência para arranjar espaço. Mas, muitas vezes, é o contexto do momento, da jogada em causa, que permite perceber de que modo o espaço pode ser conquistado. A meu ver, é importante os jogadores perceberem que espaços devem tentar conquistar, de modo a que, em jogo, procurem soluções por si mesmos. Não acredito em fórmulas mágicas, e não sei se há formas de trabalhar para conquistar espaços entre linhas que se apliquem a tipologias de sistemas de jogo. Acho que fazer da bola um engodo é útil, em termos gerais, mas serão sempre os jogadores a perceber de que modo, em que zonas do terreno e para que fins específicos devem usá-la assim.

The Beast OnFire disse...

Sem problema.
Sim, eu entendo exatamente o que queris dizer, porque eu até posso ter definido uma dinâmica para conquistar esse espaço, mas pode haver um jogo que me anule essa dinâmica e fico sem estratégia para conquistar esse espaço. Só perguntei porque ao dizeres-me que o Barça do Guardiola utilizava a bola com engondo, fui pesquisar e observar alguns jogos deles e eles nos sistemas que te falei, quase sempre criavam um 3x2 nessa área e passavam esse obstáculo com relativa facilidade.
Obrigado pela resposta e abraço.

The Beast OnFire disse...

Ou então utilizavam o "diguise pass" do Busquets, onde ele finiga que ia abrir na ala com a posição do corpo e metia entre-linhas.