quarta-feira, 3 de abril de 2013

Freitaslobices

A primeira pergunta que se impõe é: o que é que é preciso para que Luís Freitas Lobo esteja calado? Tempos houve em que o poeta - desculpem - o comentador desportivo Luís Freitas Lobo dizia coisas interessantes e que valiam a pena ser escutadas; hoje em dia só diz disparates. Se não está a falar da alma da bola, ou a fazer a mesma metáfora pela décima sétima vez, está a dizer banalidades acerca do jogo. O seu discurso, que começou por ser diferente, por ser mais informado do que o da maioria, é hoje em dia insuportável. Não aprendeu nada, não evoluiu rigorosamente nada. Transmite banalidades e embrulha-as num palavreado tão imbecil quanto escusado. Para o plantel do PSG, então, tem uma autêntica antologia de poemas. Pastore é - não me perguntem porquê - uma pantera cor-de-rosa. De Beckham fala mais do penteado, da idade, da qualidade de passe, e do pretenso bom posicionamento do que da qualidade em termos de decisão que oferece à equipa, que é quase tudo o que importa. Sobre Lucas, sempre que este toca na bola, diz que "joga muito". Já o sabíamos, mas o senhor insiste em dizer-nos, e sempre com as mesmas palavras. Matuidi - aprendi ontem - é um alicate em forma de jogador de futebol. E sobre o jogo, senhor Freitas Lobo, tem alguma coisa a dizer?

Não há muito tempo, falou-se na possibilidade de Luís Freitas Lobo, assim como Tomaz Morais, vir a colaborar no Sporting. Num clube que agoniza, que melhor maneira de reerguê-lo do que contratar uma pessoa que percebe de râguebi e outra que se distingue por fazer metáforas enquanto comenta jogos de futebol? Ou a direcção do Sporting pensa que o problema do clube tem a ver com falta de habilidade para a placagem e incapacidade para brincar com palavras, ou então tal possibilidade não faz sentido nenhum. Cultivou-se a ideia de que Freitas Lobo, por conhecer muitos jogadores desconhecidos da grande maioria do público, devia ter competências para colaborar na prospecção de jovens craques, e seria para essas funções que seria eventualmente contratado. Mas conhecer muitos jogadores resulta de ver muito futebol, não de saber alguma coisa de futebol. As pessoas que não sabem como é que funciona o departamento de recrutamento de um clube - a grande maioria das pessoas - acha que Freitas Lobo até pode dar um bom prospector para o Sporting. Isto é estúpido de muitas maneiras, mas vou referir apenas algumas. Em primeiro lugar, se há coisa em que o Sporting ainda continua a ser muito forte é na prospecção e no recrutamento, e é bom que a nova direcção, que deve vir com ideias reformistas, tenha isto em mente, se não quiser destruir a única coisa que pode ainda fazer regressar o clube ao convívio dos grandes do futebol português, ou seja, a sua formação. Em segundo lugar, pressupõe esta ideia uma outra, muito disseminada, de que o senhor Aurélio Pereira e mais dois ou três colaboradores são os responsáveis por todos os talentos descobertos pelo Sporting. Um segredinho: para um clube se manter tão forte no recrutamento, durante tanto tempo, é preciso bem mais do que um par de olhos e jeitinho para o negócio. Por fim, a ideia de que identificar grandes quantidades de jogadores se relaciona de algum modo com capacidade para distinguir potenciais craques é absurda. Para que Freitas Lobo me fizesse acreditar que, de alguma maneira, tem competência para tal, teria primeiro de saber fazer distinções finas entre atletas, de saber caracterizar-lhes correctamente as virtudes e, sobretudo, de não pôr todos e mais alguns dentro do mesmo saco. Para Freitas Lobo, tudo o que tem duas pernas, tem menos de 20 anos e joga futebol é potencialmente um craque. Assim também a minha avô. Identificar potencial é muito mais do que catalogar tudo e mais alguma coisa. Para se perceber que Freitas Lobo não tem a mínima vocação para isto, embora se lhe reconheça que vê muito futebol e conhece muitos jogadores, bastava que se fosse ver o que disse de jovens jogadores há cinco anos. Lembram-se do que dizia acerca de Pelé? Eu lembro-me.

De resto, nos últimos jogos que vi do PSG comentados por Freitas Lobo, o amor por Matuidi é quase pornográfico. No PSG, é certo, podia apaixonar-se quase por qualquer jogador. Que se tenha apaixonado por Matuidi diz muito do que é Freitas Lobo. Matuidi é um jogador banalíssimo, um médio como há às centenas até nas distritais, um médio cuja melhor característica é a disponibilidade física. Para muitos, é preciso um Matuidi para suportar tantas estrelas. Para esses, o choque ontem foi Ancelotti ter apresentado tantos craques e apenas um Matuidi. Para mim, que reconheço a Ancelotti muitas qualidades, o único pecado foi ter jogado com Matuidi e não com Verratti. O PSG foi talvez a equipa que vi que melhor jogou, em cinco anos, contra este Barcelona. Ajudou, é certo, o facto de o Barcelona não ter jogado bem e de não ter forçado muito. Mas o PSG fez o que poucas equipas tentam fazer: tentou ficar com a bola, quando a conquistava. Para isso foi fundamental a qualidade técnica e intelectual do onze escolhido. Questionou-se muito a utilização de David Beckham, mas este fez um jogo exemplar, a coordenar os ritmos da equipa. Como de resto o fez Pastore. Lucas, pela facilidade de drible e pela forma como segura e conserva a bola, também foi precioso. O PSG conseguiu dividir o jogo com o Barça não porque Matuidi esteve em todo o lado, como Freitas Lobo não se cansou de dizer, mas porque soube trocar e preservar a bola quando a tinha. Fez um jogo exemplar porque juntou vários jogadores fortíssimos a conservar a bola e/ou a decidir, no momento do passe. Matuidi, nesse aspecto, era o parente pobre daquela equipa. Servia para morder calcanhares, como se essa fosse uma grande virtude, mas não servia para mais nada. Freitas Lobo insistiu, do princípio ao fim, que Ancelotti devia ter no meio-campo outro jogador como Matuidi, que devia trocar Beckham por Chantôme ou Verratti. Na base desta insistência está a ideia de que competia aos homens do meio-campo serem pressionantes. E é isso que não percebo. Pressionar verticalmente, pelo meio, este Barcelona é das coisas mais estúpidas que se pode fazer. Dois Matuidis a pressionar resultariam inevitavelmente em espaços entre os dois Matuidis e os defesas, principalmente porque este PSG se apresentou num 442 clássico. Felizmente, Ancelotti não é parvo, e Beckham ocupou sempre os espaços deixados por Matuidi, quando este saía para ir transpirar para cima de um dos médios catalães. Freitas Lobo não percebe, ao fim destes anos todos, que o futebol não é um jogo de individualidades, e que trabalhadores não servem para compensar craques, nem criativos servem para compensar trabalhadores. Cada acção individual só faz sentido colectivamente. O que Freitas Lobo valoriza nas acções de Matuidi é aquilo que elas têm de individual, não os efeitos colectivos que produzem. Gosta de Matuidi porque Matuidi se destaca dos outros por correr mais, bater mais, e estar mais em jogo. Não percebe que cada acção dele tem milhares de consequências que não vê, e que muitas das coisas boas que um jogador faz só são boas porque os colegas fazem muitas outras coisas que beneficiam a acção do colega. Matuidi não contribuiu em nada para a organização defensiva dos franceses, que foi boa (bem melhor, por exemplo, que a do Milan, que tanta gente gabou), e muito menos contribuiu para o que de bom a equipa fez com bola. Por tudo isto, Freitas Lobo é pouco mais do que o representante supremo do chico-esperto que se acha moderníssimo, mas que afinal continua a acreditar que ser responsável e eficaz em termos defensivos é estar constantemente em cima do adversário, pressionar agressivamente e batalhar por cada bola como se fosse a última.

22 comentários:

Hélder disse...

Ele exulta o matuidi, como há uns anos exultava o de Rossi, depois o Touré e em 2010 o Sneijder: O factor "trinco da moda". É ver o que ele diz do Fernando do Porto.

Para mim a frase que marca a viragem completa do LFL é "Rúben Micael, o Pirlo português". Ele nessa frase esqueceu-se de referir que era o Pirlo, mas o das escolinhas ou dos iniciados, e mesmo assim...

Espqero que no futuro se dedique àquilo que faz melhor - escrever livros. Não que o faça bem, mas é melhor estar calado a escrever que a falar em sinal aberto!

Hélder disse...

Desculpa lá o SPAM. Eu começo a achar que há uma síndrome de Gabriel Alves que ataca os comentadores a partir de uma certa idade com determinados hábitos de risco. O Rui Santos é um caso dessa síndrome mas manifestada à nascença.

Pena que cometadores que têm tudo para serem bons - o aspecto, o português e, no caso do RS, o cabelo - falhem num pormenorzito, aquele de perceber da 'xixa'.

Como o Tadeia ultrapassou o LFL sem ter feito muito por isso.

Cumps

zorg disse...

100% de acordo.

A ideia de que o futebol - e particularmente o processo defensivo - é um processo essencialmente colectivo parece muito difícil de entender e interiorizar. É por isso que o trinco-lenhador, que corre 40km por jogo a derrubar os jogadores adversários como se fossem árvores, é muito apreciado em determinados círculos.

Ajorge73 disse...

“avançado elegante” (...) ”com grande capacidade atlética e um remate potente e colocado, com o pé direito. Busca espaços, fora ou dentro da área, escapa aos seus marcadores, e remata muito bem. Não é muito veloz mas, agressivo, movimenta-se com grande inteligência. Destaca-se também a cabecear. Pode jogar sozinho no ataque ou com outro avançado a seu lado (fez dupla com Zigic). O seu futebol cresce quando se aproxima da área”

Este gajo era o Purovic nas palavras do Freitas Lobo

Acho que não preciso de acrescentar mais nada.

Schmeichel disse...

Este texto está brilhante e reflecte a 100% o que eu penso do Freitas Lobo. Além de pretensioso (não gosta que ser contradito) e de se ter convencido que percebe muito de futebol, tenta copiar o estilo do Valdano uma forma ridícula.

Hélder disse...

Eu pagava era para haver um debate entre ele e o Rui Santos!

A escrever ele também se inspira muito naquele escritor e comunicador português de finais do século XX, o João Malheiro.

Side effects de cocaína?

MözZart ÖZzil disse...

"o amor por Matuidi é quase pornográfico.No PSG,é certo, podia apaixonar-se quase por qualquer jogador.Que se tenha apaixonado por Matuidi diz muito do que é Freitas Lobo.Matuidi é um jogador banalíssimo,um médio como há às centenas até nas distritais"...

LOL... Excelente...

Já tinha reparado o entusiasmo desbordante do LFL com o Matuidi no Porto-PSG;é que em vez de admirar a creatividade(a frieza,a serenidade..)de Verratti passou o jogo todo a encensar o esforço(as entradas de carrinho,os sprints..) de Matuidi;"É fantástico","que monstro","vai a todas"..etc,etc...

Matuidi é de facto um grande maratonista(tipo Gelson Fernandes),mas tem mesmo pouco a ver com futebol...
Habilidade Zero!Qualidade de passe medíocre(toma quase sempre más decisoes)..
É mesmo um péssimo organisador de jogo!
Em Espanha chama-se "jugador de ida y vuelta"(o que diz tudo:um palerma que corre em todo o lado)...

Não percebo mesmo como pode entusiasmar-se com jogadores destes...(?)

Diogo Cruz disse...

Estava a ver o jogo e a pensar: Matuidi vai ser a próxima contratação de Mourinho.
Será que acerto?

Pedro disse...

Caramba...exactamente o que penso de Freitas Lobo...apareceu tão bem, uma lufada de ar fresco no panorama de comentadores de futebol e eis que, pouco tempo depois, converteu-se à estupidez dos seus companheiros. É cada borjada...e as metáforas, a poesia...de rir.

Mas nada bate a paixão de Joaquim Rita por Essien nos tempos do Chelsea...LOL

Vitó disse...

Ontem era o Iturra: "um verdadeira ladrão de bolas" lol. Mas mesmo assim considero que não seja dos piores comentadores, e às vezes dá para tirar alguma coisa do que ele diz.

Blessing Lumueno disse...

Não sou tão radical quanto vocês, mas também concordo que ele diz algumas asneiras... Quanto às banalidades/trivialidades , são coisas que se têm de dizer no comentário de jogos desportivos.
Quanto ao PSG sim fez um jogo muito, muito bom com bola e até defendeu razoavelmente bem.
Beckham esteve enorme.
Só não acredito que tenha sido a equipa que melhor jogou contra eles... Mas uma questão de opinião só.

Abraço

Pinto disse...

Nao me lembro disso, mas que tem? O que dizes desse Essien, não era bom? Ou preferes uma equipa de Farneruds?

Pedro disse...

O Essien era fabuloso...não é isso que está em questão mas sim os orgámiscos elogios do Ritta. Era de ir às lágrimas. :)

Blessing Lumueno disse...

LOL, Pedro deixa lá o homem elogiar um africano XD

Joel disse...

Blessing, por acaso, regra geral o jogador da África profunda não me diz nada. Se tirares as obvias excepções (Drogba, Eto´o, Touré) são jogadores que regra geral valorizam o físico...O Beckham é o Di Caprio do futebol, só não é mais reconhecido (o facto de ser um jogador da bola) porque é "bonito", assim como o Di Caprio não ganha óscares porque e´ "bonito"

Gonçalo Teixeira disse...

Ele masturba-se com o Castro do Porto. Queriam o quê?

MözZart ÖZzil disse...

Um video para Freitas Lobo masturbarse ainda mais:

http://www.dailymotion.com/video/xys7p2_quand-matuidi-devient-une-star-du-web_sport?start=0#.UV_7EpM0x8E

Enjoy Luis!

Coluna disse...

O Monstro verde.

Signori disse...

Eh eh. Ainda estou para perceber o que é que ele irá fazer, se for para a estrutura de futebol do Sporting. Só se for para ensinar os putos da academia as maravilhas do futebol húngaro dos anos 50...mas para isso têm o site e o livro

Signori disse...

7

Pedro Ribeiro disse...

Nuno, tens opinião formada sobre o Ricardo e o Tiago Rodrigues do Guimarães?

Nuno disse...

Pedro, tenho uma opinião pouco clara. Vi-os meia-dúzia de vezes, e não sei se alguma delas foi um jogo completo. São jogadores interessantes, embora nenhum dos dois me pareça extraordinário. Se tivesse que fazer uma análise rápida de potencial, acreditava que pudessem vir a ser jogadores para uma equipa que lute pela Europa, mas nunca para um grande. Vamos ver como corre, e se algum deles surpreende.