quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Defender o um para um

Muito se discutiram, após o clássico que opôs o Porto ao Benfica, as opções de Jorge Jesus e o rotundo falhanço estratégico da sua abordagem ao jogo. Corroboro grande parte dessas críticas, sobretudo a não-utilização de Saviola, a opção pelo 442 clássico, e o medo em relação a Hulk que levou à troca de Coentrão por David Luiz. Nenhuma crítica, porém, foi mais referida que a utilização de David Luiz à esquerda. Há, nessa aposta, dois erros primários: o primeiro - e também o mais óbvio - tem a ver com a opção por contrariar as qualidades individuais de um adversário utilizando as qualidades individuais de um atleta. Jesus falhou, neste particular, não só porque alterou uma estrutura enraízada, mas também porque não compreendeu que a melhor estratégia para contrariar qualidades individuais é necessariamente colectiva. Muito mais fácil do que procurar remediar um problema individual através da promoção de um duelo individual teria sido promover a criação de superioridade numérica, em momento defensivo, sempre que a bola chegasse aos flancos, por exemplo. Mas esse foi, como referi, apenas um de dois erros. O segundo, e que poucos certamente saberiam identificar, porque corroídos pela opinião pública convencionada, tem a ver com a escolha de David Luiz para essa função. Jorge Jesus escolheu-o porque o considera o mais capaz a defender duelos individuais. Poucos disputariam esta consideração. Afinal, para estas pessoas, a característica essencial para que um defesa seja forte no um para um é a velocidade. Afirmo frontalmente que estão equivocados.

David Luiz é rápido, é agressivo e, graças a estas duas características, tem uma boa capacidade de antecipação. Nada disto faz com que seja bom a defender o um para um. O objectivo deste texto é precisamente desmontar esta ideia, assim como argumentar que há coisas bem mais importantes que a velocidade para travar um adversário especialmente forte no um para um. David Luiz tem estas características muito desenvolvidas e é principalmente por elas que é tão apreciado. Acontece, contudo, também porque se deixa deslumbrar por elas, que tem outras características pouquíssimo desenvolvidas. Não evoluiu rigorosamente nada em termos de leitura dos lances e continua com uma péssima abordagem a jogadas que exigem que raciocine rapidamente, jogadas em que a defesa não está organizada, por exemplo. Já para não falar das faltas de concentração e das displicências com bola. O que pretendo demonstrar é que defender eficazmente o um para um não é necessariamente distinto de tudo o resto e que, portanto, é muito mais importante o defesa ter capacidade de concentração e boas abordagens ao lance do que propriamente rapidez para reagir à iniciativa do adversário.

Para muitos, defender o um para um é uma questão de capacidade de resposta àquilo que o adversário propuser. Isto é, se o adversário investe pela direita, o defesa tem de ter rins e pernas para o perseguir pela direita; se investe pela esquerda, o mesmo. Parece-me isto um modo fácil e antiquado de olhar para a coisa. É óbvio, porém, que quem pense assim tenha a pressa de afirmar que o melhor a defender o um para um é aquele que reage melhor à investida do adversário, vá ele por onde for. Discordo amplamente disto. Creio até que defender o um para um é uma técnica, idêntica a outras técnicas relacionadas com o jogo, e que, ainda hoje, é muitíssimo negligenciada. Deixando de fora, para já, as especificidades do adversário particular que se pretende defender, coisa que pertence ao plano estratégico e que deve ser interiorizado apenas mediante o confronto particular com esse jogador e que não tem necessariamente a ver com a técnica geral de defesa do um para um que aqui quero referir, acho que há, para quem defende, muitas outras coisas a fazer para além de esperar pela iniciativa do adversário e reagir o melhor que souber. É disso que quero falar em seguida.

A primeira coisa que quero contestar é que a iniciativa seja necessariamente do avançado que tem a bola. Não quero, com isto, afirmar que o defesa deve tentar a intercepção antes de o avançado optar por um dos lados. É possível tomar a iniciativa de outro modo. Como? Sugerindo um lado, por exemplo. Por definição, o defesa coloca-se entre o avançado com bola e a baliza, exactamente a meio, permitindo a quem tem a bola escapar por um de dois lados. Este posicionamento convencional garante iguais possibilidades ao defesa de chegar ao lance quer o avançado vá pela esquerda, quer vá pela direita. Mas tem a desvantagem de permitir a escolha a quem tem a bola. Optando por este tipo de posicionamento, a iniciativa é sempre de quem tem a bola. Basta que esse avançado seja especialmente rápido e forte para que o defesa esteja constantemente em desvantagem. Do meu ponto de vista, sobretudo contra avançados que não são imprevisíveis, isto é, que vão optar pelo lance individual, este posicionamento convencional não é o mais eficaz. Muito mais eficaz é retirar poder de escolha ao avançado e, assim, ter a iniciativa do lance. Por exemplo, no caso de David Luiz e Hulk, defender mais o lado direito, convidando a que a iniciativa individual se desenrolasse para a linha e para o pé direito do avançado portista, teria sido uma estratégia individual muito mais produtiva. Condicionava-se um jogador pouco capaz de responder a obstáculos imprevistos a optar sempre pelo mesmo caminho e a fazer uso do seu pior pé mais vezes; propiciavam-se situações de cruzamento com o pé direito de Hulk cuja resposta poderia até ser trabalhada em treino durante a semana; e, sobretudo, nunca se promoveria a possibilidade de Hulk ultrapassar individualmente o seu opositor directo, criando situações de superioridade numérica. Outra possibilidade seria a contrária, optar por fechar mais a linha e convidando Hulk a fintar para dentro. Fazendo depois uso de um bom jogo posicional de toda a equipa e juntando os jogadores no momento defensivo, obrigar-se-ia Hulk a voltar recorrentemente para trás ou a forçar lances individuais pelo meio em franca inferioridade numérica. A opção foi outra e passou por ter David Luiz sempre em cima de Hulk, à espera da iniciativa do avançado portista e sem qualquer plano previamente concebido. Como Hulk é fortíssimo quando lhe oferecessem a iniciativa e quando o adversário não se acautela colectivamente para responder às suas investidas, deu no que deu.

Como devem saber, os que lêem este blogue, tal como não sou especial admirador de David Luiz, não sou especial admirador de Hulk. Tem duas ou três características extraordinárias e que podem fazer a diferença ocasionalmente, mas tem atributos subdesenvolvidos e que considero essenciais no futebol moderno. Quero com isto dizer que Hulk faz ou pode fazer a diferença quando se reúnem circunstâncias favoráveis à exploração das suas características, mas terá sempre dificuldades quando tiver de ser ele a procurar essas circunstâncias. Ou seja, a preponderância de Hulk dependerá sempre mais do contexto criado do que dele próprio. Villas-Boas tem tido o mérito de ser capaz de forçar o aparecimento dessas circunstâncias e, assim, de tornar produtivas ao máximo as capacidades do brasileiro, mas a criação dessas circunstâncias depende sempre em parte da proposta do adversário. O erro de Jesus, mais do que ter medo de Hulk, foi ter medo das coisas erradas. Receou o momento em que Hulk tinha a bola quando deveria era ter receado o momento anterior e o momento posterior a esse; receou Hulk quando deveria ter receado era o Porto enquanto colectivo capaz de criar as circunstâncias favoráveis às capacidades de Hulk; receou o drible de Hulk quando deveria era ter receado a explosão dele. É que Hulk com bola não é especialmente perigoso; Hulk com espaço sim. E foi precisamente o espaço que Jesus não acautelou. O medo de Jesus, portanto, para além de todas as consequências que daí resultaram, radicou ainda no equívoco magistral de ser infundando precisamente por ser um medo acerca das coisas erradas.

Regressando agora à generalidade do tema e utilizando Hulk como paradigma do jogador difícil de parar no um para um, por ser rápido e forte, devo dizer que o melhor modo de defender o um para um contra estes jogadores é precisamente como sugeri acima, tomando a iniciativa. Tomar a iniciativa, deste ponto de vista, implica modificar o padrão a que o adversário está habituado e, com isso, condicioná-lo e limitá-lo. Tratando-se de um jogador previsível - residindo a sua previsibilidade no facto de apostar invariavelmente no um para um - esta opção nunca constitui uma desvantagem e o próprio defesa saberá sempre, por antecipação, aquilo que o avançado vai fazer, porque o preparou para isso limitando-lhe as escolhas. Ao invés de se ficar a meio metro do adversário, deve-se ficar ligeiramente mais afastado e deve-se dar ostensivamente um dos lados, concedendo-lhe uma aparente liberdade que tem o condão de o condicionar. Há ainda truques defensivos eficazes, como 1) forjar um mau posicionamento aparente, convidando o adversário a atacar a zona aparentemente desprotegida, mas estando preparado para atacar essa zona e fazendo-o assim que o adversário dá o toque na bola, momento em que a capacidade de reacção do avançado é nula; 2) dar espaço e fingir esperar a iniciativa do adversário, atacando depois repentinamente a bola antes de essa iniciativa ser tomada; 3) simular um pequeno reajustamento de posição (como simular um pequeno passo para a frente ou para os lados, ou ameaçar atacar a bola), o que obriga o adversário a reajustar-se também ou a reagir mais decisivamente, atacando depois o lance no momento em que a reacção do adversário à simulação se efectiva. Todos estes truques servem para que o defesa tenha parte da iniciativa do lance do seu lado. São modos de tornar mais eficaz o seu desempenho em duelos individuais, modos de tornar menos relevantes possíveis diferenças de atributos físicos e modos de tornar menos determinantes jogadores que só o podem ser se tiverem a seu favor certas circunstâncias, como o sejam a possibilidade de tomar a iniciativa em duelos individuais e o espaço posterior propiciado por uma abordagem defensiva, individual e colectiva, deficiente.

Esta forma de defender o um para um é extraordinariamente negligenciada e constitui uma técnica pouquíssimo trabalhada, onde quer que seja. Há poucos jogadores que recorram a este tipo de coisas e maior parte deles fá-lo-ão de forma inconsciente, talvez como protecção involuntária contra a ausência de certos atributos físicos. Um defesa rápido, e que tenha orgulho na sua rapidez, nunca recorre a isto. Encara os adversários sempre de igual modo, concedendo-lhe a iniciativa para depois recuperar em velocidade e dar a impressão de um grande feito. Veja-se a diferença entre Ricardo Carvalho e Pepe, agora que jogam juntos, na forma como abordam este tipo de lances. Pepe aproxima-se muitíssimo do portador da bola e espera a sua iniciativa para reagir, fazendo uso da sua velocidade; Ricardo Carvalho espera, dá mais espaço, força um dos lados. E nunca é ultrapassado. Veja-se ainda Piqué ou Daniel Carriço. Raramente enfrentam este tipo de lances de frente; estão de perfil, concedendo um dos lados, diminuindo as possibilidades do adversário que tem a bola. Isto é cultura e inteligência. E é a forma mais eficaz de defender o um para um. David Luiz é só um defesa veloz. Não é especialmente inteligente nem tem cultura suficiente que o torne excepcional a defender o um para um. Contra um adversário poderoso em termos de velocidade, é facilmente ridicularizado. César Peixoto, o tal que agora os mentecaptos têm por passatempo assobiar, tem metade da velocidade de David Luiz e fez muito, mas muito melhor, no jogo da Supertaça. Passou essencialmente por reconhecer as suas limitações em termos atléticos e por procurar resolver os problemas de outro modo. O Benfica, Jorge Jesus e David Luiz quiseram vencer o Porto e Hulk nos termos destes, tentando contrariar velocidade com velocidade. Um duelista experiente saberia de antemão que teria mais hipóteses de vencer um pistoleiro excepcional se, tendo a possibilidade de escolher, escolhesse um duelo de espadas. É que raramente se vence um perito com as armas em que essa pessoa é perita.

P.S. Há quem diga que Hulk, por ser especialmente forte, nunca deve receber de frente e, portanto, que a marcação individual tem de ser sempre apertada e movida a todo o terreno. Isto é absurdo. Foi precisamente por isto que Villas-Boas venceu o jogo. Antecipou que Jesus iria mover uma perseguição individual a Hulk e que o jogador que o marcasse, fosse qual fosse, iria abandonar a sua zona para ir atrás do brasileiro. Com isto em mente, terá treinado durante a semana movimentos semelhantes ao do terceiro golo, com Hulk a baixar, levando David Luiz e criando um buraco, e a bola a ser metida nesse espaço, no qual entraria Belluschi. Aliás, o segundo golo não é muito diferente. As preocupações excessivas com Hulk fizeram com que a linha defensiva do Benfica nunca estivesse bem formada, com David Luiz sempre demasiado subido. Falou-se muito em Sidnei e na sua pretensa falta de rotina, mais foi o mais esclarecido de toda a linha defensiva. O terceiro golo é o exemplo perfeito disto e é inteiramente da responsabilidade de David Luiz (ou de quem lhe ordenou que se comportasse assim), que vai atrás de Hulk até ao meio-campo e propicia o espaço aproveitado por Belluschi. Sidnei chega em esforço e não pode cometer falta, sob pena de conceder penalty. Aliás, foi mais um jogo, entre tantos, penoso para David Luiz, com responsabilidades directas nos três primeiros golos.

53 comentários:

Bruno Pinto disse...

O Hulk é fraquinho.

Nuno disse...

Monsieur Homais, que saudades, pá! Tendo em conta que comentaste o texto 9 minutos apenas depois da sua publicação, não havendo sequer tempo para o leres na íntegra, parece-me claro que estiveste 1 semana e meia na internet à espera que eu escrevesse alguma coisa sobre o clássico para escreveres essa frase. Isso diz muito de ti em particular e dos empregados de supermercado em geral.

Metralha disse...

Levarias o Peixoto à selecção?

Não terá ficado David Luiz demasiado só na marcação a Hulk? No 1º golo parece-me que está a chamar a atenção ao Sidnei por ter chegado tarde.

Mentecaptos? Os 6 milhões que não gostam de Peixoto? Apesar de redundante registo que não mudas.

O jogador que roubava mais bolas no 1 vs 1 era o Ronny no Sporting. Apesar de todos os defeitos do rapaz, se se alheassem do mau posicionamento e a lentidão do seu futebol, cada vez que alguem ia para cima dele normalmente perdia a bola. Consegues explicar isto?

Pedro disse...

Excelente análise.

A minha escola é diferente da tua, foi com o basket que cresci, e esse é, no basket um conceito básico na defesa 1x1. Com tantas adaptações que o futebol foi buscar a outros desportos, como nas bolas paradas, ou na defesa zona, acho impressionante que a forma de defender 1x1 seja tão rudimentar na maioria dos casos.

Concordo em absoluto com a tua análise, o Jesus falhou, e não consigo entender como quem trabalha todos os dias num desporto falha destas maneiras.

Ricardo disse...

Excelente.

Poderia dizer mais qualquer coisa mas seria tentar arranjar alguma discórdia.

Concordo com tudo, é só.

R. Galeiras disse...

mais um bom texto.
o estilo é o mesmo :-) e a qualidade também!!
continuo á espera do texto sobre o paulo sérgio e o nosso magnifico sporting!!

R. Galeiras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Oscar-r disse...

Notável!

Nem todos temos capacidade para vermos a essência das coisas e vivemos de emoções fáceis. Podemos, no entanto, acompanhar as análises que se vão fazendo e tirar as nossas conclusões!

É isso que eu procuro ir fazendo. Sem grandes conhecimentos técnicos e sem grande capacidade de análise fico, ao ouvir muita gente, com aquela sensação esquisita que são todos burros, mesmo sem saber porquê, ou melhor, sem o conseguir decifrar totalmente! Daí resulta que fique duvidando se não sou eu o burro!

Afinal não! Quase todos os que se pronunciam têm de bagagem, o convencimento de andarem nisto há muito tempo e um diploma superior, mas as suas considerações são do mais ordinário que existe.

É sempre reconfortante encontrarmos gente que nos elucida o pensamento. A questão não é concordarmos com tudo o que se lê, mas vermos as nossas interrogações respondidas com uma argumentação coerente e lógica.

Neste caso, como em muitos outros que já aqui li, concordo com a análise que o Nuno faz, e fico-lhe agradecido por não me fazer sentir, como tantas vezes acontece, um ser que vive numa realidade diferente e vê coisas que a maior parte não vê!

PB disse...

N é central, por isso não o referenciaste, mas quem é realmente mt bom nestas situações é o Paulo Ferreira!

A esse ng dribla!

MM disse...

Concordo com a visao global do post. Velocidade combate-se com inteligencia, claro, da mesma forma que forca combate-se com tecnica. Ate aqui tudo bem.
Ja nao concordo com a ideia de que o Hulk e fraco. Nao, o Hulk nao e um jogador limitado. Nao gostas dele, o que e muito diferente, ou nao gostas das suas caracteristicas, preferindo outro tipo de jogadores. Percebo isso, eu tambem nao gosto especialmente do Ronaldo, gosto mais de ver outro tipo de atributos que nao os atleticos ou da habilidade individual, mas nunca diria que o Ronaldo e limitado ou que nao e neste momento o jogador de futebol mais completo do mundo.
O Hulk ... nao e o jogador de futebol mais completo do mundo, nem sequer de Portugal mas ... e um grandessissimo jogador que nao tem nada de limitado. E a prova que nao e limitado e que pode fazer a diferenca de um 2-0 para um 5-0.
Pormenores, decerto.

Mas subscrevo quase sobre o post. Subscrevendo sinto-me no entanto no dever de elucidar alguns mais impressionaveis:

"Antecipou que Jesus iria mover uma perseguição individual a Hulk e que o jogador que o marcasse, fosse qual fosse, iria abandonar a sua zona para ir atrás do brasileiro. Com isto em mente, terá treinado durante a semana movimentos semelhantes ao do terceiro golo, com Hulk a baixar, levando David Luiz e criando um buraco, e a bola a ser metida nesse espaço, no qual entraria Belluschi. Aliás, o segundo golo não é muito diferente."

Importa sobre isto esclarecer 2 coisas:
1 - O Nuno como e evidente nao tem acesso ao que o Villas Boas previu ou deixou de prever, nem sequer aquilo que o treinador dos portistas andou a treinar ou nao durante a semana la no centro do estagio de Gaia.
1.1 - Na opiniao do Nuno o Villas Boas nao previu entao nada, porque ninguem sabia o que o Jesus ia fazer. Se calhar nem o proprio Jesus, ate aos ultimos dias antes do encontro.
2 - Assim sendo, a relacao que o Nuno fez entre aquilo que ele acha que o Villas previu e as entradas do Belluschi pela direita como forma de aproveitamento das investidas do Super-Heroi para o centro arrastando o David da Permanente consigo nao sao mais do que ecos da analise do que o Carlos Carvalhal fez ao jogo no seu sitio da Internet.

E dali que veio esta parte do texto: aquela e a analise do Carlos Carvalhal, feita ja ha muito e publicada ha muito, e alguem que relembro e o treinador de quem o Nuno certa vez afirmou "a sua capacidade de treinar e igual a capacidade de crescer-lhe cabelo".
Sem capacidade de perceber ou treinar mas ... com capacidade suficiente para que lhe sejam "repescadas" ideias.
Muito bem Nuno ...

R. Galeiras disse...

Nuno,
já viste o golo do messi ao brasil???

Bruno Pinto disse...

Nuno,

O que achas do facto de o Paulo Bento não ter convocado o Pereirinha para a Selecção? Será por que ainda não explodiu?

Nuno disse...

Metralha, há vários laterais melhores que o Peixoto, neste momento, por isso, não, não o levava.

O jogador que mais bolas roubava no um para um era o Ronny? Francamente, não acredito. Mas é preciso perceber antes qual o critério. É que muitos lances podem ter a ver com demérito do adversário e não com o mérito do defesa. E há que ver o que se consideram lances de um para um.

Oscar-r, é para leitores com esse espírito que este blogue existe, pessoas que têm cabeça para perceber que, por mais unânime que seja uma opinião, a mesma pode não ser verdadeira.

PB, concordo contigo. Outro que tem sido muito injustiçado nos últimos anos, sobretudo por não ter a velocidade de outrora. As pessoas vêem o que salta à vista e não aquilo que devem. É natural, por isso, que cometam estas injustiças.

MM, estás equivocado em relação a muitas coisas. Desconhecia o site do Carvalhal. Aliás, não tenho tido muito tempo para ler o que quer que seja ultimamente e, tirando um ou outro blogue que frequento com assiduidade, não tenho lido nada relacionado com futebol. A opinião é minha e foi fundada no que vi ao longo do jogo e nas palavras do Villas Boas após a partida. A forma sistemática como isso aconteceu é para mim evidência de trabalho de treino. Juntei essa observação ao que o Villas Boas disse no final do jogo acerca do assunto e obtive a minha conclusão. É natural, no entanto, que outras pessoas tenham chegado à mesma conclusão e é natural, por isso, que eu não seja o único a ter esta ideia. Daí a tê-la ido buscar a um site que nem sequer conhecia vai uma distância grande e uma imbecilidade preocupante.

Ainda em relação ao Carvalhal, tens mesmo a certeza que me referi a ele desse modo no passado? Deixa-me dizer que o Carvalhal foi dos treinadores cuja evolução na carreira mais me desapontou. Li a sua tese e, na altura, pareceu-me uma pessoa, como havia poucas, com boas e inovadoras ideias. Gostei também de alguns dos seus trabalhos no passado, sobretudo no Belenenses e no Setúbal, mas a dada altura passou a ter preferências que não me agradavam e a sua oportunidade num grande foi um rotundo falhanço, denotando incapacidade para modificar certas ideias que foi adoptando em equipas menos ambiciosas. Neste momento, tenho pouquíssimo respeito por aquilo que ele diz e jamais iria buscar deliberadamente uma ideia dele para a fazer passar por minha. Acontece, contudo, que isto a que me refiro não é difícil de ver, se se estiver atento ao jogo e se se conhecer os comportamentos normais da equipa do Porto. O que o teu comentário revela, por isso, ao contrário do que pretendes, é que tens muitas dificuldades em perceber o jogo. Se fosses bom observador, nunca acharias que teria ido buscar uma ideia a outro sítio simplesmente porque perceberias com facilidade que aquela ideia é fácil de ter olhando apenas para o jogo.

Finalmente, sobre a previsão do Villas Boas. Não preciso de assistir a treinos do Porto nem de estar dentro da mente dele para afirmar que o Villas Boas previu aquilo que referi. Basta, para esse efeito, ter visto o jogo, ter observado o quão sistemáticos foram certos movimentos colectivos, para perceber que aquilo que se estava a passar não era acidental, mas fruto de treino. Faltava apenas confirmar com que intenção o Villas Boas tinha treinado aquilo e se tal era uma opção arbitrária ou uma reacção ao que ele esperava que o Jesus fizesse. E isso confirmei-o pelas palavras do próprio Villas Boas, que deixou implícita a ideia de que contava com algo parecido com o que aconteceu e que, por isso, tinha preparado o colectivo para reagir a isso. Como vês, não se trata de previdência, mas de análise. É uma coisa que se faz com um determinado órgão vital que suspeito que não possuas.

R. Galeiras, sim, vi. Porquê a pergunta? Pela situação de um para um com o David?

Monsieur Homais, queres mesmo arriscar mais um prognóstico, depois de tantos disparates que proferiste acerca do potencial de jogadores? O Pereirinha tem 22 anos. Tem calma...

Bruno Pinto disse...

LOOOOOOOOL

Gonçalo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gonçalo disse...

excelente post, concordo quase a 100% com o que dizes, mas custa-me um bocado elogiar o cesar peixoto seja em que situação for, pois apesar de ler bem o jogo em situações defensivas e se saber posicionar, cada vez que tenta sair para o ataque tem opções completamente disparatadas, um pouco ao estilo do david luiz quando acha que deve sair a jogar feito Beckenbauer; não consigo admirar um lateral que simplesmente não considera o movimento interior válido e que tenta insistentemente sair com correrias pelo corredor lateral ou que procura passes a rasgar de 40 e 50 metros.
mas bom trabalho, e que venha a análise ao portugal - espanha... sinceramente estava á espera que portugal fosse completamente demolido pelo tiki taka espanhol.
boa noite a todos

MM disse...

Nuno,
Tens a memoria muito curta. Vai la ver os textos da Academia de Talentos e vai rever o que disseste do Carvalhal. Se te for importante faze-lo claro, so ai ...

Sobre a derivacao do Hulk para o meio tens razao. Nao foi correcto aquilo que o meu comentario disse, e se dizes que nao foste buscar nada ao site do Carvalhal eu (n) acredito. E-me um bocadinho indiferente mas seja como for reconheco que nao devia te-lo sugerido.
Sobre o resto que dizes, estou-me nas tintas para isso como e evidente. Nao te reconheco capacidade para me dizeres aquilo que de futebol "percebo" ou nao. O Jesualdo, o Toni que estava no Estrela da Amadora, o Paulo Sergio, o Vitor Manuel, o Mario Reis, o Jose Rachao, o Jose Mota e ate o Nuno Valente podem dizer-me isso: tu nao podes, lamento. Por isso nao percas o teu tempo com respostas bacocas desse genero.
Um dos teus males e precisamente esse, queres tanto "perceber" que acabas por nao "saber" nada. Faz o seguinte, se me permites o conselho: senta-te no sofa da sala e esvazia a mesa que la tens das coisas que estao em cima. Pousa depois em cima dessa mesa uma bola de futebol, imovel, quieta, e depois de faze-lo poe-te ao nivel dela o olha-a muito atentamente. Faz isso so, durante 6 ou 7 minutos. Repara no branco, na sua forma esferica, nos hexagonos caso seja esse o padrao da sua costura, cheira-a, e depois de fazeres tudo isso durante esses minutos pega numa caneta de feltro e comeca a pinta-la. E no fim de a pintares, responde se conseguires a seguinte pergunta:
"O que e que eu, Nuno, um rickshaw, um pintelho pubico do Carlos Carvalhal e uma tijelinha de chop-suey temos em comum?"
Nuno, quando conseguires responder a pergunta compreenderas porque e que a fiz ...

Oscar-r disse...

Nuno,

Isto de elucidar, como um tal presunçoso pretende, não é para todos. Agora, que quase todos se julgam capazes disso, é o mal deste país de medíocres.

Numa coisa ele impressionou-me, foi que o convencimento e a estupidez andam quase sempre juntas e causam muita cegueira!

Eu reconheço as minhas limitações, mas não me impressiono facilmente como alguns iluminados julgam. Ao contrário destes, reconheço-te grandes capacidades intelectuais e não te invejo por isso. Quando descobri este blogue li muita coisa e, uma das que mais me impressionou, foi a discussão sobre o que é ao não inapto.

Outra, que veio ontem bem ao de cima, é Liedson/Postiga! A classe entre um outro não tem comparação, mas aqueles que se acham capazes de elucidar sem ninguém lhes pedir nada, se calhar ainda continuarão a dizer que Liedson é muito melhor que Postiga!

É refrescante ler quem escreve sem medo, com opinião própria e, fundamentalmente, com argumentação sempre muito bem sustentada. Para mim, mesmo quando discordo, funciona sempre como um óptimo exercício mental - Faz-me pensar e é isso que eu gosto de fazer!

Nuno disse...

M&M's, sabes que os textos da Academia de Talentos foram escritos por mim e pelo Gonçalo, não sabes?

É-me indiferente que acredites ou não que não li o texto do Carvalhal. Não o disse para ti, mas para os outros leitores. É a quem quer acreditar que a explicação se dirige, não aos estultos.

Quanto ao não me reconheceres capacidade para te dizer ou não o que sabes, francamente, não me surpreende. Achas que a competência depende de cargos e, neste caso específico, que só quem trabalha como treinador é que tem capacidade para perceber o jogo. Infelizmente, não só não compreendes o jogo como não compreendes o mundo. A competência não depende, seja em que área for, da experiência nessa área. Tu achas que mais vale dar ouvidos a um treinador medíocre do que a mim. Estás no teu direito. Mas isso não faz de ti só casmurro; faz de ti estúpido. Porque aquilo a que devias dar valor era às ideias e aos argumentos, não ao currículo e ao estatuto das pessoas. É mais ou menos o mesmo que, possuidor de uma galeria, rejeitasses um Van Gogh antes do Van Gogh ser conhecido apenas porque o seu nome não estava entre os nomes dos grandes pintores da época. Isto aconteceu ao Van Gogh, como aconteceu a muitos outros artistas. As pessoas como tu representam a grande maioria da humanidade e são aquelas que precisam do conforto do seu mundinho estável. Preferem por isso o caminho mais fácil e o conservadorismo de aceitar o que já é aceitável, recusando tudo o que é inovador e que requer esforço da sua parte. Contribuem para o progresso apenas como obstáculo que força o génio a superar-se. Estás enganado em relação a muita coisa, mas não vou ser eu que te vou mudar. O teu problema é incurável. Para que saibas o que penso a este respeito, em Portugal, que é o universo que nos interessa neste momento, há apenas 5 ou 6 pessoas cujas opiniões sobre futebol vale a pena conhecer. Nenhuma delas as tem porque trabalhou muitos anos como treinador, porque foi jogador de futebol, porque estudou muito o jogo, porque passa o dia a ver jogos de futebol, ou porque é filho de gente importante. Tem-nas porque adquiriu um conhecimento, teórico ou prático, que lhe permite analisar bem os dados que observa. E o que corrobora o interesse dessas opiniões é a finura da análise e a capacidade argumentativa da pessoa, não o currículo, o emprego ou o tamanho do bigode.

De resto, não me interessa muito saber por que razão fazes perguntas parvas. Mas é curioso que percas tempo com insignificantes pêlos púbicos.

Já agora, uma coisa que também diz muito de ti: existe em português a palavra "riquexó". Se querias ter piada, teria até resultado melhor com o português. Perdeste uma oportunidade de ser engraçado e de disfarçar a tua ignorância. O uso de estrangeirismos é quase sempre sintoma de incapacidade intelectual. Perante tal cenário, resta-me pouco mais que recomendar um rápido envelhecimento...

Nuno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
R. Galeiras disse...

nuno,
o golo do messi era para isso mesmo.
o que achaste da forma que o david luis abordou o lance?

Metralha disse...

Foda-se Nuno!

Agora és o van gogh da bola? O Galileu das chuteiras? o génio das caneleiras?
Tem calma, já te disse para não te levares tão em conta que a vida é fodida.

qt ao 1x1 refiro-me a situações em que defesa e avançado estão nas mesmas condições para atacar a bola.

Luis disse...

Clap! Clap! Clap!

Grande post Nuno, pegaste num tema simples (e quantas vezes o simples é o mais difícil de ver?) e aplicaste-o num tema actual do futebol português (é que apesar do Barça ser a maior obra prima futebolística do séc. XXI o pessoal que cá vem ao blog é quase todo aqui do burgo e precisa dessa tua visão para destilar racionalmente o impacto que 5 "batatas" infringem na emoção).

O M&M's está com uma crise existencial anti-Nuno ou algo do género com os papos todos acerca do eventual plágio do Carvalhal. Devo mesmo dizer que quem te critica contribui fortemente para que tenhas uma dimensão única no que respeita ao futebol dos blogs. E já agora, para quando um curso de treinador Nuno? Não faço ideia se a nível pessoal podes enveredar por esse caminho, mas pelo que tenho acompanhado do blog já jogaste futebol federado e essa experiência é muito importante. Gostava mesmo que uma pessoa com as tuas ideias tivesse a oportunidade de as passar para o campo. A única pessoa que me vem à cabeça sempre que vejo aqui as crítica cegas que te fazem é sempre a mesma, e treina o Real Madrid, porque também ele é criticado por lorpas incompetentes.

Queremos Nuno a treinador, já!!
(acho que devíamos fazer uma petição)...

Paulo Santos disse...

"César Peixoto, o tal que agora os mentecaptos têm por passatempo assobiar, tem metade da velocidade de David Luiz e fez muito, mas muito melhor, no jogo da Supertaça."


O que eu me tenho fartado de bater nesta tecla. Inclusivamente no estádio, estou fartinho de me insurgir com os patetas "assobiadores" do Peixoto, contrapondo-lhes as palminhas que endereçam ao endeusado David Luiz (menos este ano, apesar de tudo, pois não bate tanto com a mão no peito em frente aos NN)que comete , no míimo, 10 disparates por jogo...


PS: epá, temos que combinar qq coisa um dia destes. Tenho andado numa roda viva, em termos de trabalho, mas temos que arranjar maneira.

Grande Abraço,

MD20 disse...

Boa tarde Nuno,

Antes de mais parabéns pelo texto, está muito bom, tal como todos os outros deste teu blog, é apenas a segunda vez que comento algo neste espaço, embora o acompanhe a algum tempo.

Partilho de muitas das tuas opiniões neste texto, embora não concorde com todas elas (como a questão de Sidney e César Peixoto), sei respeita-las. Apesar das discussões já geradas na caixa de comentários, acho-te muito pertinente, não só pelo que escreves e pelas ideias que tens, mas sim porque fundamentas as mesmas, e isso sim expressa inteligência. Passo então a explicar, incidindo-me apenas num ponto, quando dizes que Hulk é um jogador previsível.

Percebo perfeitamente o que queres dizer com essa afirmação (é verdade que o seu tipo de acção maioritária envolve confronto directo, muitas vezes em inferioridade numérica, mas também é verdade que tem bastante sucesso nesse tipo de acção), na minha opinião, Hulk é um jogador FABULOSO, não porque é forte e veloz, isso por si só não chega para se ser bom, mas sim porque finalmente começa a perceber como pode utilizar as suas capacidades, começa a perceber como pode criar espaço através das mesmas, tal como pode variar o Momento Ofensivo Colectivo da sua equipa (isto quando todos esperam que se envolva em mais uma vaga individual, e faz exactamente o contrario, joga apoiado e abre espaço para por em jogo, Varela, Falcao, e até mesmo Moutinho e Beluschi), e aqui sim, é trabalho de A. Villas Boas.

Quando me refiro a sua imprevisibilidade, não me refiro ao Momento Colectivo, embora ela se manifeste também dentro do mesmo, pois repara, mesmo em acção individual, o adversário tem dificuldade em perceber quais as suas intenções (decisões), isto porque o seu tipo de drible, ou a forma como ganha o espaço ao adversário, quando em posse de bola, varia muito, o que faz dele imprevisível - sai tão bem para “dentro” como para “fora”, tem grande variabilidade de drible, sai do mesmo para ambos os lados com ambos os pés - e isso, na minha opinião também é ser imprevisível, dentro da sua forma de jogar, é certo, mas ela emerge numa conjuntura Colectiva, partindo sim, de uma forma de Imprevisibilidade Individual.

Quanto a abordagem de J. Jesus, foi completamente falhada, basta pensar numa questão… se acha Hulk assim tão forte (e digo isto a nível qualitativo), porquê submete-lo a marcação individual, quando é nisso que ele faz a diferença! E foi aí, como disseste e bem, que A. Villas Boas lhe “passou a perna”, aproveitou esse facto, e tirou partido das movimentações da linha media, tal como quando o mesmo estava em posse.

Abraço, e continuação de bons textos.

MM disse...

Nuno,
Estrangeirismo para ti. Mas nao foste tu que usaste o termo, ou foste? Escuta uma coisa Nuno ... e aprende isto mesmo que nao aprendas mais nada ao longo da tua rancorosa existencia: pessoas realmente capacitadas nao versam sobre os assuntos da forma que tu o fazes. A historia dos "mentecaptos" que acham isto, os "papagaios" que apregoam nao sei o que sobre o Guardiola, os "atrasados mentais" que nao deviam falar do que nao sabem ... tudo isso e conversa de alguem que procura desesperada e muito forcadamente mostrar algo que nao tem. Tu se fosses uma pessoa que tivesse as ideias realmente em ordem nao falarias dos assuntos dessa forma.
Interioriza isto, e depois respira. Evita o rancor e prossegue. Prossegue Nuno: deixa la essa conversa dos cargos para quem a quiser comprar nem te facas de vitima de coisa nenhuma. Quando eu quiser dizer-te o que acho sobre o assunto tratarei de faze-lo, nao sei porque o faria aqui mas nunca se sabe. Mais coisas estranhas acontecem e acontecerao antes dessa. Mas ate la nao percas o teu tempo a tentar adivinhar. Tudo isso dos cargos, experiencia e curriculos que subtraiste do Mario Reis e do Nuno Valente ... pega nessa conversa e mete-a la no saquinho onde guardas a ma formacao e os complexos. Trata os raros comentarios que aqui te deixo como sugestoes para que evoluas, posso faze-lo Nuno? Das-me um pouco dessa tua arrogante incapacidade e permites-me que o faca? E que eu estou aqui em conversa contigo repara ... nao estou a chamar de incompetente ao Carlos Carvalhal, de mentecapto aos que gostam mais do Mourinho do que do Guardiola, ou atrasado mental aqueles que ficaram satisfeitos com a eliminacao do Barcelona na meia-final do ano passado com o Inter. Tu enquanto personagem tonta que es (apesar de te teres em muito boa conta) passas a vida a anonimamente insultar grupos e multidoes. Eu nao estou a fazer isso. Estou a dizer muito claramente sobre ti, e a ti, que o atrasado mental es tu e que nao estas em condicoes de opinar sobre o que alguem "percebe" ou deixa de "perceber" sobre aquilo que tu achas que "percebes":
"Quando interiorizei que afinal muito pouco sabia verifiquei que a minha capacidade para adquirir verdadeiro conhecimento fez-se de forma muito mais espontanea e acelarada." Nuno, interioriza isto tambem, deixa la o Van Gogh sossegado que nao sao contas que te digam respeito. Comeca pelas coisas mais simples e vamos desenvolvendo a partir dessas, pode ser?
Pronto, para ja e so isto.

Ja agora, elucida ali o Luis sobre a problematica Mourinho ...

"A única pessoa que me vem à cabeça sempre que vejo aqui as crítica cegas que te fazem é sempre a mesma, e treina o Real Madrid, porque também ele é criticado por lorpas incompetentes"

... nao va a tontinha imaginar que alguem se daria ao desplante de afirmar menor competencia ao hoje treinador do Real Madrid, num qualquer plano imbecil que se usasse dessa ideia para afirmar a competencia do Guardiola.
Ninguem o faria pois nao Nuno?

Um abraco e cuida-te bem. Um dia farei de ti uma coisa realmente gigante. Sou um bocadinho estupido e incapaz mas quem sabe Nuno, quem sabe um dia possa faze-lo. Sabes que isto do universo dos estupidos tem muito que se lhe diga ...

Nuno disse...

R.Galeiras, é um lance diferente. Refiria-me a lances de um para um clássico. No lance em questão o Messi parte para cima do D. Luiz em velocidade e este tem de reagir estando parado. Ao mesmo tempo, o Messi vai para o lado do Thiago Silva e, à partida, seria esse o lado mais fácil de dar pelo David Luiz. Não sei se ali o David Luiz poderia ter feito outra coisa.

Metralha, isso continua a ser muito vago. Não sei do que estás a falar.

Luis, sobre essa questão, respondo o que respondi sempre. Não está nos meus horizontes. Não significa que, no futuro, reunindo-se as circunstâncias certas, tal não possa suceder. Mas tenho sérias dúvidas. E, para já, não tenho qualquer interesse nisso.

Paulo, é verdade. Sabes bem que, por pior que seja o atleta, acho de uma estupidez incrível assobiarem-se jogadores. Então quando esse atleta, ainda que não seja dos melhores nesta fase da carreira, é alguém bem acima da média, só consigo pensar o quão parecido com o macaco o homem ainda é.

Mas sim, temos mesmo de combinar alguma coisa, pá!

MD20, percebo o que dizes, mas não concordo. Acho o Hulk fortíssimo quer a sair por um lado, quer a sair pelo outro. Por isso mesmo é que era importante não o deixar ter essa escolha. Assim, obrigava-se o Hulk a sair por onde o defesa queria, o que lhe reduzia a imprevisibilidade. Mas quando disse que ele não é um jogador imprevisível, estava a referir-me às opções que toma. E nesse capítulo continua igual ao que sempre foi. Tendo possibilidade, vai para cima do defesa. Por jogo, tem que fazer isto muitas vezes. Claro que, de vez em quando, dá prioridade ao passe, mas um jogador imprevisível é aquele que dá sempre prioridade ao passe, embora possa usar o drible como recurso. O Hulk é previsível porque, à partida, usará o drible. Condicionando-lhe as hipóteses de drible, condiciona-se maior parte do que é o Hulk.

M&M's, já percebi que só queres desconversar. Não te vou dar mais trela. Continuo é a não perceber por que razão vens cá, quando só apareces para aventar teorias da conspiração acerca de eventuais plágios e para dizer que sou um tipo igual aos outros, mesmo quando me dás mais atenção que à tua mãe...

Luis disse...

MM,

És a personificação do perfeito tradicionalismo português ainda existente, herdado dos tempos da ditadura, que nos atira consecutivamente para patamares mediocres a nível sócio-económico e a nível de inteligência. O verdadeiro país dos coitadinhos.

Aqui neste blog diz-se muita coisa nova da forma como merece ser dita, como uma bofetada que nos espetam na cara depois do entorpecimento que a merda dos jornais desportivos nos dão.

Quanto ao Mourinho, conheço a posição que aqui foi defendida no blog aquando da meia-final da Champions e tenho a minha ideia firmada acerca do Mourinho nesse e noutros momentos, mas isso nem vem aqui ao caso. Quando comparei o Nuno ao Mourinho apenas o fiz no sentido de que ambos são criticados estupidamente por pessoas que se baseiam em preconceitos e ideias bacocas que mais uma vez vêm atestar a imbecilidade que ainda prolifera no nosso país. Mas pelo que vejo nem o português que escrevi no meu comentário foste capaz de compreender, logo, ou és mentecapto, ou não dedicaste a merecida atenção ao conteúdo da minha argumentação, o que demonstraria profunda falta humildade da tua parte ao criticares-me. Pois... Não és tu o humilde coitadinho que não sabe nada?

MM disse...

Nuno, e a atencao e o amor de mae que nao recebes da tua. A minha missao aqui e compensar: o que recebo em demasia da tua, devolvo-ta, fico pois a minha a perder. Fazer o que ...

Luis, cala o bico papagaio, lol.

Tanana2 disse...

De facto foi uma excelente analise ao que se passou no jogo, e ao mesmo tempo ao alternativas propostas são de facto as melhores no dito futebol moderno.
Acompanho te à algum tempo e acho de facto que tens um blogue que deve ser seguido para ir reforçando ou não opiniões que tenhamos acerca do futebol, e só assim conseguimos evoluir.
Acho que estes comentarios (sabes quais sao), sao perfeitamente desnecessarios e demonstram alguem que nao quer aprender e tem a sua pessoa e opiniao como certa.

Queria também pedir te se não era possivel facultares me a mim e a todos os leitores deste blogue os sitios que visites, e les com frequencia sobre futebol.

Abraço

Nuno disse...

Tanana2, os blogues que visito com frequência estão todos na barra lateral. Os mais visitados são o Lateral Esquerdo, o Jogo Directo, o Apenas Futebol, o Academia de Talentos e o Paradigma Guardiola.

MD20 disse...

Boas Nuno,

Não querendo entrar aqui numa “pseudo – discussão”, porque não e esse o meu objectivo, e sim o de tentar perceber o teu ponto de vista, fazendo-te ver também o meu, vou então dizer o que penso.

Concordo totalmente com o que dizes em relação à acção da defesa, e nesse ponto David Luiz também não teve bem, mas como também já disseste, provavelmente pior teve J. Jesus que o colocou naquela posição com uma determinada estratégia.

Mas vamos perceber também, esse é um tipo de acção, que jogadores como Hulk tem bastante sucesso, mesmo que por vezes a acção da defesa possa ser mais agressiva (agressiva numa perspectiva de tomar a iniciativa primeiro que o avançado), não implica que se consiga desarmar, ou impedir que o mesmo não consiga ganhar o espaço que pretende, isso ficou explícito no lance do primeiro golo, como no do penalti, tal como em outros que não deram golo por mero acaso, onde lhe ofereceram o lado de fora, mas mesmo dessa forma não conseguiram evitar as suas intenções. Penso que para jogadores com estas características, tem de se bloquear o jogo antes de a bola entrar em determinados espaços, ou seja, definir estratégias que permitam a quem defende que a bola não chegue a Hulk, e que quando chegue, que essa zona se transforme rapidamente em zona de superioridade numérica para quem defende.

Quanto a tua definição de Imprevisibilidade, é que já não concordo, para mim Imprevisibilidade tem a ver com a forma como se camufla as acções ao adversário (criando um momento de crise), quer seja através do passe ou do drible (isto porque são acções que não são um fim em si mesmas, são meios para chegar a um fim), são ambas acções técnicas de imprevisibilidade, e que tal como outras, também variam com o contexto de jogo, e aí é que entra a parte da “Tomada de Decisão”. Na minha opinião, se se der sempre privilegio ao passe não existe imprevisibilidade, isto porque é fácil retirar qual a referência desse tipo de acção, pois é sempre a mesma. Ok, aceito que digas que existem variados tipos de passe, que existem variadas movimentações que se devem respeitar, e que a imprevisibilidade estará ligada a isso, concordo totalmente, acho apenas que não está somente ligada a isso, visto que o jogo não se joga contra zero, existe oposição, logo, também existe Capacidade Defensiva de condicionar todas as movimentações, tal como o espaço para onde a bola deve ir através do passe (como referiste quando falaste do drible). Assim, penso que isso depende sempre do encadeamento do jogo, existem alturas diferentes, em que se pedem coisas diferentes, e a resposta / adaptação ao estimulo tem de ser incerta (para a outra equipa) de forma a que exista… Imprevisibilidade!!!

Mas é por isto que o futebol é tão bonito, e falar do mesmo também…pois existem pontos que se tocam e outros que tão bem distantes! Esta é a minha perspectiva, não quer dizer que a tua seja errada, porque não o é de certeza, apenas não concordo a 100% com ela.

Abraço.

EK disse...

Oh Nuno.. Onde é que anda o Yu Dabao? Auguravas um futuro brilhante ao rapaz.

Nuno disse...

EK, é sempre reconfortante perceber a quantidade incrível de pessoas que não percebe uma ironia básica. O texto sobre o Dabao é o seguinte:

"Neste espaço dedicado aos jovens do futebol português, àqueles que, incontestavelmente, estarão entre os grandes jogadores nacionais dentro de alguns anos, quero desta vez falar do promissor ponta-de-lança do Benfica, Yu Dabao. Quer dizer, até nem quero..."

Só o tamanho do texto, muito inferior aos restantes textos sobre jovens que se escreveram aqui, deveria fazer suspeitar as pessoas. Mesmo concedendo essa abébia, a frase final é no mínimo elucidativa... Como é que é possível haver pessoas com a escolaridade obrigatória que não percebem a verdadeira intenção deste texto? Inacreditável!

anonimo disse...

Venho aqui deixar um novo blog, criado a pouco tempo, ainda em construção, mas visitem-no.

Encontrarão certamente opiniões diferentes, outras parecidas, daquelas que se exibem aqui...mas não passam disso, opiniões de quem gosta de futebol...

http://centrodejogo.blogspot.com/

EK disse...

Nuno. A intenção do texto foi percebida logo à partida. Talvez não tenha sido tão bom como tu a ironizar.

Caso não saibas - e é natural que não - sou leitor assíduo do teu espaço. A referência ao Dabao foi mais no sentido de fazer ver a quem ainda não percebeu, a quantidade de vezes em que tens razão.


E olha que eu não tenho a esccolaridade obrigatória.

H. disse...

Sou um leitor assíduo e hoje apeteceu-me comentar pelo facto de concordar a 100% com o texto. Jogo futsal, antes futebol de salão hà muitos anos com amigos 1 ou 2 vezes por semana...há muitos anos mesmo. E a melhor maneira de defender um adversário mais rápido é precisamente a que relataste. Simplesmente esperar pela acção do adversário sem preparar o terreno para uma acção bem sucedida é um erro. Dar o lado e aumentar o espaço é básico até para mim que nunca joguei federado.

Nuno disse...

EK, não percebi, sobretudo porque perceber uma ironia requer perceber um contexto ou a pessoa que a utiliza. E como eras a segunda pessoa, em menos de uma semana, a referir o mesmo, imaginei que estivesses a falar a sério.

H., para mim isso é básico, também. Mas não faz parte do que se ensina, salvo certamente raras excepções, aos jogadores. É uma técnica, tal como o drible, tal como o passe. E devia fazer parte da formação dos atletas.

João Mendes disse...

Excelente analise a um duelo um para um... não sei com que objectividade dizes que isso não se treina, acredito que não saibas o que todos os treinadores treinam, mas não tenho duvidas que em muitos casos os jogadores não ajudem muito. E como dizes e bem, veja-se a diferença entre Pepe e Ricardo Carvalho.
Mas o mais importante é isto "(...) a melhor estratégia para contrariar qualidades individuais é necessariamente colectiva." E muitos ainda não conseguiram chegar lá.

rui disse...

Há muito que nao vinha cá, e ate pensei que tinhas desanimado nos ultimos tempos (foste despedido do sitio onde escrevias, foi? Ninguem compreende o teu humor, pa!). Mas vejo que estás em grande momento. Grandes perolas, grandes risadas, num so texto. Brilhante!

Agora, imagina isto num balneario. Tu, a explicar ao plantel do Benfica como marcar o Hulk. Foi uma ideia de um amigo meu que foi jogador profissional, e que nao parava de se rir quando leu isto. Seria genial, repara:

Nuno – malta, eles têm 1 jogador rápido e banal que é o hulk. Ele anda por aí a partir tudo, mas é porque ninguém o sabe marcar. Hoje isso vai acabar.

Coentrão – Sou eu que o marco, mister nuno?

Nuno – Tu?! Deixaste o cérebro no autocarro, ou quê? Tu és rápido e agressivo, para que te quero para marcar um jogador rápido e banal como o Hulk?!

Plantel – (silêncio...)

Nuno – Quem vai jogar a defesa esquerdo é o Peixoto!

Plantel – (silêncio...)

C.Peixoto – Mister, eu?! Ele é muito rápido... É para marcar em cima e não o deixar virar?

Nuno – O quê?! Tás maluco, ou quê? Tu vais é marcá-lo à distância e deixar que ele se vire com a bola controlada. É assim que se faz.

Plantel – (silêncio...)

Nuno - ...depois, como ele é rápido e banal, tu dás-lhe 1 lado. Dás-lhe algum avanço, percebes? Para ele arrancar para o espaço que tu estás a abrir, percebes?

C.Peixoto – ehh... sim... quer dizer... ele é muito rápido, mister... vai por alguém rápido na dobra, é? O David Luiz?

Nuno – David Luiz?! Estás burro ou quê?! Pareces uma ameba a pensar! O David Luiz é rápido e agressivo, para que me serve? Se eu quero travar um jogador rápido e banal como Hulk e tenho de por alguém mais subtil e discreto...

Plantel – (silêncio...)

Nuno – ... Sidnei, claro!

Sidnei – xiiii...

--

Para mim es um genio da comedia. Com toda a sinceridade. Ha muito que te sigo, e nao tenho duvidas. O toque de classe é ainda haver gente que pensa que falas a sério.

Acho que devias enviar uns textos para as produçoes ficticias, isto nao pode ficar por aqui...

rui disse...

Esqueci-me de dizer, mas se quiseres ajuda para enviar textos, eu conheço alguém com contactos com argumentistas e comediantes.

se quiseres, é só dizer que eu posso ajudar-te...

Nuno disse...

Rui Silva, este blogue não é para estorninhos. Tu e o teu amigo que foi profissional da bola e sabe rir têm muitos outros blogues onde ir com textos para estorninhos...

R. Galeiras disse...

nuno,
como sugeres o lado a dar ao avançado?
no caso do david luis/hulk se lhe quisesses dar a linha, deveria o david luis dar as costas á linha ou o contrário??

Nuno disse...

Ricardo, nem estava a pensar na posição do corpo. Era uma coisa muito mais simples. Em vez de se defender convencionalmente, dando tanto espaço para um lado quanto para o outro, defender mais um lado, neste caso o lado direito do David Luiz, o interior, abrindo ligeiramente o exterior de modo a convidar o avançado a progredir por aí.

R. Galeiras disse...

mas estando a defender, tens de estar de costas para a baliza e partindo do principio que a bola chega ao hulk em boas condições e este parte para o 1x1 tens de dar um lado para nao teres os pés paralelos e entares em desiquilibrio. que lado darias a um canhoto como o hulk?? as costas ao pé direito ou o contrário?

R. Galeiras disse...

mas estando a defender, tens de estar de costas para a baliza e partindo do principio que a bola chega ao hulk em boas condições e este parte para o 1x1 tens de dar um lado para nao teres os pés paralelos e entares em desiquilibrio. que lado darias a um canhoto como o hulk?? as costas ao pé direito ou o contrário?

Nuno disse...

Não sei se estou a perceber a questão. Repara, o ideal é as costas do defesa estarem sempre viradas para a baliza. Se o Hulk recebe na esquerda, o defesa que lhe está a tapar o caminho deve estar ligeiramente inclinado, com o pé direito à frente, de modo a que o seu corpo faça um ângulo recto com a linha que une a bola à baliza. Não interessa se o avançado é canhoto ou dextro. O que estou a dizer é que, apesar deste posicionamento, pode dar-se mais um dos lados, convidando a que se invista por aí. Isto não implica que, dando o lado esquerdo, o corpo tenha de estar numa posição diferente daquela em que estaria se a opção fosse dar o lado direito. O que muda não é a posição do corpo, mas a posição deste em relação à bola e à baliza. Dar as costas ao pé esquerdo não me parece que faça sentido, pois apesar de facilitar a reacção a uma investida do Hulk para dentro, a reacção à investida pela linha seria muito mais lenta, obrigando o defesa a rodopiar sobre si.

R. Galeiras disse...

certo...concordo
agora transporta tudo isso para o golo do milito na final da champions ou para uma situação de 1x1 no centro do terreno...ficas com o pe direito á frente ou o esquerdo? partindo do principio que não deves estar com os pes em paralelo...
como encaminhas o adversário para o lado que queres(pe menos dominante) se estás no centro do campo?

R. Galeiras disse...

certo...concordo
agora transporta tudo isso para o golo do milito na final da champions ou para uma situação de 1x1 no centro do terreno...ficas com o pe direito á frente ou o esquerdo? partindo do principio que não deves estar com os pes em paralelo...
como encaminhas o adversário para o lado que queres(pe menos dominante) se estás no centro do campo?

R. Galeiras disse...

certo...concordo
agora transporta tudo isso para o golo do milito na final da champions ou para uma situação de 1x1 no centro do terreno...ficas com o pe direito á frente ou o esquerdo? partindo do principio que não deves estar com os pes em paralelo...
como encaminhas o adversário para o lado que queres(pe menos dominante) se estás no centro do campo?

R. Galeiras disse...

certo...concordo
agora transporta tudo isso para o golo do milito na final da champions ou para uma situação de 1x1 no centro do terreno...ficas com o pe direito á frente ou o esquerdo? partindo do principio que não deves estar com os pes em paralelo...
como encaminhas o adversário para o lado que queres(pe menos dominante) se estás no centro do campo?

R. Galeiras disse...

certo...concordo
agora transporta tudo isso para o golo do milito na final da champions ou para uma situação de 1x1 no centro do terreno...ficas com o pe direito á frente ou o esquerdo? partindo do principio que não deves estar com os pes em paralelo...
como encaminhas o adversário para o lado que queres(pe menos dominante) se estás no centro do campo?

Nuno disse...

Bom, é evidente que isto é muito mais fácil de fazer numa linha do que no meio, pois as consequências são diferentes. De qualquer modo, há outras coisas a considerar. Por exemplo, se houver outro defesa, o lado a dar é sempre aquele que fizer o adversário coincidir com o outro defesa. Numa situação de um para um pura, será talvez aconselhável levar o adversário para uma zona em que tenha de usar o pé mais fraco. Se fosse o Hulk, seria preferível, por exemplo, que fintasse para a direita, para ser obrigado a rematar com o pé direito.