sexta-feira, 22 de outubro de 2010

A Falta de Confiança

A conversa da falta de confiança, em relação ao rendimento de um avançado, já chateia. Importa, porém, continuar a desmistificar ideias feitas e opiniões assentes em especulações infundadas. Mantenho aqui o que tenho vindo a defender há já algum tempo. A principal diferença, em termos de finalização, entre Postiga e Liedson, é o número de ocasiões de que os dois dispõe. O brasileiro, pelo tipo de movimentações que prefere, goza de muito mais oportunidades do que o português, que se preocupa com outras coisas além de aparecer nas zonas de finalização. Como tal, Liedson marca mais golos. Mas também falha mais. É estúpido dizer que Postiga é perdulário, que falha muitos golos, que tem um problema mental, que é maluco, etc. E é estúpido porque não é verdade. O que acontece é que, como tem menos oportunidades de golo, cada falhanço tem uma importância acrescida. Sempre que falha, então, é crucificado e dizem-se disparates sem fim. O que aconteceria se, apesar de falhar dois ou três golos num jogo, marcasse outros tantos? Ninguém se lembraria de maldizer a sua prestação, certamente.

Ora bem, de Liedson não se diz o mesmo que Postiga simplesmente porque, apesar de falhar tanto ou mais, e de forma tão ou mais clamorosa, marca com mais regularidade. Mas isso apenas porque tem mais oportunidades para fazê-lo. Em termos de percentagem de aproveitamento de oportunidades, Postiga não é de maneira nenhuma inferior a Liedson e não é de maneira nenhuma inferior a qualquer ponta-de-lança de créditos firmados. No passado jogo frente à Islândia, Postiga marcou um golo e falhou outro, no frente a frente com o guarda-redes. Muitos se apressaram a referir o falhanço como imperdoável. Mas a verdade é que marcou um golo em duas oportunidades, tendo nesse jogo um aproveitamento de 50%. Por que razão não se dizem as mesmas coisas de Liedson? É que, frente ao Gent, o avançado-deus marcou dois golos, sim, mas falhou três escandalosos, alguns de baliza totalmente aberta. Que dizer disto? Apesar dos dois golos, o aproveitamento de Liedson foi inferior ao de Postiga nesse jogo em que, tão depressa, se aprontaram a ver nele um problema qualquer. Será que Liedson também tem um problema de confiança? Será que é maluco, também? Neste mesmo jogo frente ao Gent, Postiga assistiu Salomão para o primeiro golo; foi ele quem recebeu a bola comprida, deixando-a à mercê de João Pereira, que assistiu Liedson para o segundo; foi ele quem arrastou a defesa e abriu o espaço por onde entrou Maniche no quarto golo; foi ele quem marcou o quinto. E não falhou clamorosamente nenhum golo, ao contrário do seu companheiro de sector que, para muitos, é exímio na finalização.

O objectivo deste texto é duplo. Em primeiro lugar, pôr em evidência a falácia que há em pensar que Liedson e Postiga diferem essencialmente pela capacidade de finalização, que no primeiro é boa e no segundo insatisfatória. Liedson marca mais e falha mais. E a razão por que tal acontece é porque é um tipo de jogador diferente, que usufrui de maior número de ocasiões de golo. O seu rendimento, de acordo com as ocasiões de que dispõe, não é superior ao de Postiga. O segundo objectivo é demonstrar que Postiga, além de não ser inferior a Liedson em termos de finalização, garante à equipa muito mais que o momento da finalização. E é esse excedente que o faz bem mais útil à equipa do que o brasileiro. Postiga não tem problema mental nenhum. É um avançado que, porque se preocupa com muitas coisas (servir de apoio frontal, apoiar os colegas à linha, tabelar, arrastar defesas sem bola, etc.) não consegue atacar as zonas de finalização com tanta frequência quanto um avançado que tenha por preocupação apenas os movimentos para finalizar. E, como tal, é um avançado que goza de poucas oportunidades para marcar, quando comparado com avançados de outro tipo. Assim, porque os adeptos são, tendencialmente, esquecidos, sempre que falha uma dessas ocasiões é assobiado e vêem nele alguém pouco concretizador. A verdade, contudo, é outra. E o seu rendimento, se tivermos em conta os golos que marca em função das oportunidades de que dispõe, e até superior ao de certos avançados que marcam mais golos. Assim se desmascaram falsas certezas.

22 comentários:

Ricardo disse...

A discussão em torno de Liedson neste blogue já é quase milenar, portanto abstenho-me de entrar muito profundamente no tema. Direi apenas que, percebendo e concordando em parte com o que referes em relação ao brasileiro (ser ele um jogador menos preocupado com os apoios aos colegas e mais "egoísta", é verdade), discordo da ideia de ele ser, como referes muitas vezes, prejudicial ao jogo colectivo - se introduzido numa dinâmica correcta (onde, para mim, passa por jogar, como joga actualmente, ao lado do Postiga), o seu "egoísmo" faz sentido e é benéfico, além de que em termos de pressão é um jogador interessante, embora nem sempre a faça da melhor forma.

Mas queria falar de um lance de ontem, contra o Gent, que acho que é o exemplo perfeito das idiossincrasias de um e de outro atacantes:

João Pereira aparece à direita a cruzar. No momento em que tem de decidir, tem na zona central o Liedson, com um marcador directo, e o Postiga ao segundo poste totalmente isolado. Não se percebeu muito bem se o João Pereira quis meter num ou noutro, a bola acabou no espaço do Liedson e este tentou um malabarismo que saiu mal e a jogada, que tinha tudo para dar golo, acabou ali.
O que quero realçar é a capacidade de decisão e alguma incapacidade para ver além da baliza por parte de Liedson - o mais lógico, correcto, mais fácil e simples para chegar ao golo não era o remate (ao contrário do que, de forma absolutamente imbecil, é por aí milhões de vezes difundido e que se resume na frase parva do "não podemos condenar um atacante por rematar à baliza"; claro que podemos, devemos, até, se a opção for errada), mas o simular e deixar passar a bola para o Postiga.

Ora, este tipo de gesto (simular e deixar passar) é raramente visto em Liedson, isto porque naquela zona do terreno só vê baliza e porque não tem uma visão de jogo apurada.
Se, ao contrário, Postiga estivesse onde estava Liedson e vice-versa, arrisco dizer que, em 10 ocasiões, em 9 o português teria simulado e deixado passar para o brasileiro.

Pareceu-me um lance perfeito para definir os dois. Postiga, claro, ficou fodido. E com razão.

Ricardo disse...

A discussão em torno de Liedson neste blogue já é quase milenar, portanto abstenho-me de entrar muito profundamente no tema. Direi apenas que, percebendo e concordando em parte com o que referes em relação ao brasileiro (ser ele um jogador menos preocupado com os apoios aos colegas e mais "egoísta", é verdade), discordo da ideia de ele ser, como referes muitas vezes, prejudicial ao jogo colectivo - se introduzido numa dinâmica correcta (onde, para mim, passa por jogar, como joga actualmente, ao lado do Postiga), o seu "egoísmo" faz sentido e é benéfico, além de que em termos de pressão é um jogador interessante, embora nem sempre a faça da melhor forma.

Mas queria falar de um lance de ontem, contra o Gent, que acho que é o exemplo perfeito das idiossincrasias de um e de outro atacantes:

João Pereira aparece à direita a cruzar. No momento em que tem de decidir, tem na zona central o Liedson, com um marcador directo, e o Postiga ao segundo poste totalmente isolado. Não se percebeu muito bem se o João Pereira quis meter num ou noutro, a bola acabou no espaço do Liedson e este tentou um malabarismo que saiu mal e a jogada, que tinha tudo para dar golo, acabou ali.
O que quero realçar é a capacidade de decisão e alguma incapacidade para ver além da baliza por parte de Liedson - o mais lógico, correcto, mais fácil e simples para chegar ao golo não era o remate (ao contrário do que, de forma absolutamente imbecil, é por aí milhões de vezes difundido e que se resume na frase parva do "não podemos condenar um atacante por rematar à baliza"; claro que podemos, devemos, até, se a opção for errada), mas o simular e deixar passar a bola para o Postiga.

Ora, este tipo de gesto (simular e deixar passar) é raramente visto em Liedson, isto porque naquela zona do terreno só vê baliza e porque não tem uma visão de jogo apurada.
Se, ao contrário, Postiga estivesse onde estava Liedson e vice-versa, arrisco dizer que, em 10 ocasiões, em 9 o português teria simulado e deixado passar para o brasileiro.

Pareceu-me um lance perfeito para definir os dois. Postiga, claro, ficou fodido. E com razão.

R. Galeiras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
R. Galeiras disse...

Nuno,
Curto muito os teus textos mas deixo uma sugestão:
- como em todas as novelas há sempre a personagem que nos faz rir e cria um momento de boa disposição para nos fazer descansar um pouco do enrredo (vide: 'bafo de bode' em tieta do agreste, como 'armando coutinhe' em laços de sangue) arranja lá um artista para não tornar os teus posts tão maçudos!!! nem que comeces a pegar com as orelhas do salomão, com a inteligencia do evaldo ou até com as manchas do maniche, mas da-nos um pouco de 'salero' para tornar a coisa mais colorida.....para desgraças já basta o defit e o orçamento.

abraço
R. Galeiras

PS. estou á espera de um post a respeito do di maria no real de mourinho!!!

MM disse...

O Liedson só factura mais porque tem mais oportunidades.
O Postiga apenas factura menos porque tem menos oportunidades.

O Liedson só procura finalizar.
Já o Postiga faz jogar mais, contribuindo para uma maior criação de jogo ofensivo.

Assim sendo, gostaria de saber de onde vêm as "mais oportunidades" do Liedson? Uma vez que com o Levezinho em campo o Sporting joga menos.

Nuno não compliques tanto e interrompe lá o rancorzinho: o Postiga e o Liedson são diferentes. E são ambos excelentes jogadores. O Liedson factura muito porque é um soberbo finalizador. Se não o fosse, facturaria menos. Se não o fosse, todas as oportunidades que ele - segundo tu - desperdiça, teriam de ser desperdiçadas por outros, caso não queiras concluir que com ele em campo o Sporting até cria mais oportunidades ...

"O Liedson só marca muitos golos porque tem muitas oportunidades".
Ou isso ou incomoda-te que o Levezinho seja um avançado bastante acima da média, deve ser uma das duas ...

Gonçalo disse...

É assim tão difícil reconhecer que toda e qualquer movimentação feita pelo Liedson gira sobre a sua ânsia de fazer golo? Mesmo que a movimentação do brasileiro se revele prejudicial para o colectivo? O Liedson prreocupa-se apenas com os seus objectivos, por isso não o vês assistir um colega, é raro ele se disponibilizar para conferir um apoio, etc.

Isto, por si só, não significa que um jogador seja determinnatemente prejudicial para um colectivo. O caso do Jardel, por exemplo. Ele era de egoísmo ímpar, todavia, o que sobrava da sua acção individual justificava a sua utilização, e até o adulteramento da equipa em função das suas características. Mas isto porque era um finalizador fantástico! O que não é o caso do Liedson.

rui disse...

Sempre me diverti muito com os teus textos falaciosos, mas já começas a meter pena.

Antes, lembravas-me um charlatão bem falante. Agora, pareces um daqueles tolos que falam sozinhos pelas ruas e que usam palavras esquisitas pelo meio.

Faz lá um favor à malta e dignifica-te um pouco. Isto assim já não tem piada...

MM disse...

Gonçalo, se o termos de comparação é o Jardel então tenho de concordar que o Liedson não é um finalizador fantástico.
Agora do caso de uma "aberração" (no melhor e bom sentido do termo) como o Jardel que em 4 oportunidades fazia muitas vezes 4 golos, algumas vezes 3 e num dia péssimo 2, e "o Liedson só marca muito porque tem muitas oportunidades" vai uma distância muito grande.

O post não diz que o Liedson é mau jogador. Não o diz de facto.
E o post o que faz é comparar o Postiga ao Liedson afirmando que um é melhor que o outro, como se isto fosse algo obrigatório de fazer e tivéssemos de agora escolher entre um e outro. Faz-me lembrar a conversa do Mourinho e do Guardiola. Não faz sentido nenhum.
Agora o post diz que o Liedson só marca muito porque tem muitas oportunidades. Gonçalo, subscreves sem reservas esta ideia?

Achas que um tipo que é o melhor marcador de sempre do Sporting nas competições europeias e que com 300 jogos com a camisola do Sporting tendo neles feito 170 golos é um jogador banal, mediano?
Mais... se formos rever os golos do Liedson, coisa que não é preciso fazer porque felizmente de memória temos muito por onde escolher, os seus golos são de um avançado tecnicamente fraco, que só lá vai por tentativas?
O 1-0 que ele marcou em Alvalade na baliza do Quim por exemplo, em 2009, há muitos jogadores em Portugal com capacidade para faze-lo, olhando para o gesto técnico?

Não gostar do Liedson é uma coisa.
Dizer que ele é egoísta é outra.
Afirmar que só marca porque tem muitas oportunidades é alucinação.
300 jogos.
170 golos.
Para um jogador que fez 30 anos há 3 épocas atrás. Os números falam por si e desmentem a ideia toda por trás deste post.
É certo e sabido que o Liedson quase sempre numa época passa 1 ou 2 meses sem facturar, e ao contrário da ideia geral não é sempre ao início que isso acontece. Se ele fosse um jogador esforçado de "tentativas", isto não aconteceria. Acontece porque o seu jogo e capacidade de finalizar advém-lhe da intuição, instinto. Mais de 15 golos só em derbies frente ao Carnide, Atlético de Madrid, Roma e Barcelona, o Liedson facturou em todos estes jogos que nos últimos anos - a nível europeu - foram os que meteram na frente do Sporting os adversários mais sonantes. Nestes jogos, contra estes adversários - de onde se exclui obviamente o Carnide - o Sporting criou muitas oportunidades?
É ridículo tentar desvalorizar o Liedson. Ridículo e impossível. Perguntem aos treinadores se não gostavam de ter um Liedson de 26 anos nas suas equipas, todos os anos, admirar-me-ia se houvesse 1 que dissesse não.

JPS disse...

O que eu não percebo é como é que então como é que um jogador sem falta de confiança alguma, com a tal classe que tu descreves conseguiu marcar zero golos numa época inteira...eu só vejo duas explicações: ou não tem essa classe ou tem de facto falta de confiança..para mim é uma conjugação de ambas, postiga n é excepcional mas considero um bom jogador e por vezes acho que é um jogador inseguro dentro de campo, embora este ano parece tar a ganhar outra alegria. Eu joguei mto tempo desporto de alta competição e acredita que as coisas n se resolvem apenas no desenvolvimento da técnica individual, a componente psicológia está lá e é muito forte...e a falta de confiança é por vezes bem prejudicial

Gonçalo disse...

Já há muito que a defendo. Liedson é um finalizador banal, longe da qualidade do Postiga, Saviola, Cardozo, Falcão, Lisandro, Deivid, ou até do Sá Pinto. Joga sempre, numa equipa que em 90% dos jogos tem de assumir as despesas do mesmo. É normal que um jogador que beneficie de tamanha injecção de connfiança, associada ao factos que acima mencionei, marque mais golos do que aqueles que jogam menos tempo, e que não são opção regularmente.

samuel disse...

Boas.Sou leitor regular e já comentei alguns artigos por aqui.Outro artigo sobre Liedson e Postiga?!Gosto muito da vossa visão sobre o futebol e aprecio bastante os vossos artigos mas penso que existe ai um ódio de estimação ao liedson.Vou só deixar alguns pontos para discussão.
.Penso que para alguém que perceba um pouco de futebol o postiga é mais/melhor jogador que liedson a vários níveis
.O Liedson marca golos.Pode questionar-se a necessidade de dispor de mais oportunidades para marcar, de contribuir pouco para o colectivo de se preocupar exclusivamente com a finalização mas um facto é que vai marcando.
.um jogador como postiga que marca menos golos em detrimento de liedson é muito interessante mas é necessário que alguém marque os golos.É óbvio que depois depende da forma de jogar da equipa e de vários outros factores.
.Jardel que finalizava que era uma coisa parva, não era um jogador muito completo mas finalizava como ninguém.Precisava de uma certa estrutura em termos de equipa mas finalizava.
Para mim é claro que postiga é superior a liedson mas isso ás vezes não chega e em algumas situações não é necessariamente por culpa de postiga.
Não convém é estar sempre a bater na mesma tecla.
Para concluir vocês tem a vossa opinião e defendem-na com tudo o que tem (o que é louvável)mas por vezes beneficiavam mais em ter um pouco mais de abertura em certas coisas.

Cumprimentos

p.s.- Também pode haver o caso de nem marcar muitos golos nem contribuir muito para o colectivo mas continuar a ser utilizado(cof cof HUGO ALMEIDA)

MM disse...

Goncalo, se o Liedson e um finalizador banal, porque e que leva tantos golos comparativamente a muitos outros finalizadores banais que tambem so se preocupam em tentar meter a bola dentro da baliza?

Finalizador banal:
http://www.youtube.com/watch?v=EHoBDN9hc0o

Sobre as comparacoes, o erro e precisamente esse: comparar jogadores diferentes. Podemos gostar mais de uns e menos de outros mas e errado dizer-se que um e melhor do que o outro.
Se o Liedson fosse um finalizador banal teriamos centenas de jogadores em Portugal com 170 golos em 300 jogos, porque jogadores banais e coisa que nao falta.
O Liedson tem os numeros do lado dele. Por algum motivo sera. E tem de certeza a ver com o proprio, porque ninguem remata ou cabeceia por ele.

Gonçalo disse...

MM, estás a descontextualizar a situação do Liedson. Encontras quantos jogadores a beneficiar das condições "exteriores" concedidas ao Liedson? A aposta inequívoca no jogador, independentemente dos golos que marcava( acho que foi na época 2005/2006, ele teve um periodo largo em que não fazia golos a ninguém, e era sempre utilizado), a sua preocupação exclusiva com o golo, o facto de jogar numa grande equipa, etc.

MM, ele é melhor do Alecsandro, ou que o Tiui, O kardec, Farias, etc. Isso ta fora de questão, mas eu não sei se tu lembras de ver o Acosta a jogar, mas se viste, e te lembras bem dele, não terás grandes dúvidas que o velho finalizava bastante melhor do que ele, a diferença é que apanhou o clube numa altura em que não conseguia proporcionar tantas condições aos seus jogadores para estes finalizarem. No tempo do Inácio o objectivo era não sofrer golos e depois logo se via o resto. E o Acosta foi de uma eficácia estupida!!(graças a Deus!:)) Mas, no entanto, não beneficiava do caudal ofensivo que tanto ajudou o Liedson a fazer aquela "porrada" de golos.

Cumprimentos.

Nuno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

Ricardo, concordo inteiramente contigo. Acho que esse lance representa bem os dois jogadores.

R. Galeiras, infelizmente, o tempo não tem sido muito. Daí que muita coisa tenha sido deixada por escrever. Sobre o Real e o Di Maria, para já, tenho pouco a dizer. Parece-me, no entanto, que o argentino está bem potenciado no modelo que Mourinho implementou. Joga quase sempre com muito espaço e isso é óptimo para ele.

M&M's diz: "Assim sendo, gostaria de saber de onde vêm as "mais oportunidades" do Liedson? Uma vez que com o Levezinho em campo o Sporting joga menos."

M&M's, com o Postiga em campo, a equipa joga como um todo e é mais forte e eficaz em todos os momentos de construção. Com ele em campo, as oportunidades repartem-se por muitos jogadores, simplesmente porque a equipa não está condenada aos momentos de finalização que o ponta-de-lança consegue oferecer. Além disso, o Sporting é muito mais imprevisível, porque é capaz de criar lances de vários modos. Com o Liedson em campo, quase todas as oportunidades do Sporting, em lances de bola corrida, dependem das movimentações verticais do avançado, das respostas a cruzamentos, etc.

Quanto ao argumento dos 170 golos, é muito engraçado. Sobretudo se pensares que a mais nenhum jogador foi permitido estar tanto tempo na sua posição, sendo sempre indiscutível, jogando tantos minutos. É um jogador que garante uma média de 15 golos por época, e essa regularidade é boa. Mas não vale, de maneira nenhuma, as coisas negativas que representa. E, já o dissemos aqui mais do que uma vez, enquanto o Liedson estiver em Alvalade, o Sporting não voltará a ser campeão. Isto porque o jogador indiscutível, que é o exemplo para os outros, a quem todos prestam vassalagem, é um jogador de equipa pequena. Equivale ao Farías no Porto, jogadores muito fiáveis em termos de golos, que podem ajudar a equipa quando as coisas não estão a sair bem, mas que não podem de maneira nenhuma ser titulares indiscutíveis numa equipa que ambiciona ser campeã em Portugal.

Rui, ainda bem que te divertes. Fazemos tudo para que tu andes feliz.

JPS, o Postiga não marcou zero golos numa época. De qualquer modo, quantos jogos jogou os 90 minutos. E sob que pressão, nessa altura? É muito fácil falar desse exemplo, mas infelizmente não serve. Não houve um único momento em que ele tivesse a confiança plena para poder jogar o que sabe.

MM disse...

Gonçalo,
Acosta, o Deivid que referiste (excelente jogador), Sá Pinto (passou mais tempo de carreira afastado da baliza do que perto dela, compreensivelmente, porque era um jogador que sendo bom em muita coisa foi sendo aproveitado para outros lugares, e bem, acho), eu compreendo perfeitamente o que queres dizer. E compreendo perfeitamente a noção por trás da afirmação "há jogadores bem mais úteis e valorosos que o Liedson". O que digo é: isto não deve servir para catalogar-se o Liedson como um jogador banal. Finalizador banal não é de certeza mas, mesmo para quem ache que 170 golos em 300 jogos é pouco e oferece uma média por época fraca, não consigo perceber como é que independentemente dos golos que faça ... naquilo que é a sua exclusiva capacidade enquanto jogador, como é que pode ser-lhe colado o selo de "banal".
Não pode. O Liedson não é um jogador banal. Pode ser egoísta, pensar única e exclusivamente em si, pode jogar futebol como se tivesse 13 anos e jogasse na escola entre amigos, pode ser um jogador pouco cultivado, pouco trabalhado mas, banal ele certamente não o é ... só isso Gonçalo. Não é melhor que o Acosta, Deivid, Postiga, Sá Pinto ou muitos outros jogadores que jogando nos seus terrenos não marquem mais do que 7 ou 8 golos por época mas, é um jogador de certeza tão importante quanto eles, talvez até mais, porque está sempre em condições de num lance resolver um jogo.
Por exemplo, o golo que ele marcou o ano passado em Alvalade para a Taça da Liga, no jogo em que o Sporting é eliminado por 1-4, vendo esse golo, achas que é um golo ao alcance de qualquer jogador? No meio de 3 ou 4 adversários, num lance aparentemente condenado ao fracasso, fez o - que dizem - não devia ter feito, não esperou por apoios, não tentou guardar a bola, dar tempo à equipa, não tentou nada disso mas instintivamente, num lance dificílimo e fazendo uso unicamente da sua técnica deu um golo à equipa. E esse golo não há muitos jogadores com em Portugal com capacidade para imitá-lo, porque foi um lance realmente difícil. Agora, oferecendo o Liedson esta arma às equipas por que joga - de a qualquer momento poder facturar - em todos os outros parâmetros, ele não é completamente mau. Mesmo que não marque golos, faz por ser útil. Pode não fazer aquilo que os livros dizem que devia fazer mas à sua forma é muito útil e é um constante embaraço para os defesas contrários.

No cômputo geral é um jogador bastante acima da média e que está sem dúvida ao nível de 4 ou 5 que são dos melhores a jogar em Portugal, não obstante poder angariar mais ou menos simpatias, por ser um jogador algo diferente dos demais.

DUX_XXI disse...

A "questão Liedson" é já lendária neste blog. Não concordo com o texto, mas os meus areguments entretanto já foram apresentados por outros leitores e desmontados por outros. Como tal não me vou repetir. Mas a bem do rigor é importante que se diga que a média de golos de Liedson no Sporting é de 20 golos por época, e não 15 como erradamente foi dito num comentário. Registo o facto de quase ninguém indicar o facto que Liedson é um jogador que vem até ao meio-campo defensivo e até à defesa, para ajudar o colectivo. Isso não conta?

Pedro disse...

Como sei que números são convosco conseguem dizer qts assistências têm Liedson?

Acho o argumento do "marca mais pq tem mais oportunidades" um dos mais fracos q já li neste blog...estão assim tão desesperados e sem argumentação para sustentar a vossa posição??

Pq razão Liedson tem mais oportunidades q os outros? Têm iman nos pés q atrai a bola???

Nuno disse...

Pedro, a argumentação está toda lá. O facto de achares o argumento fraco e o facto de fazeres uma pergunta a que já foi dada resposta no próprio argumento, só demonstra que não sabes o que são argumentos. Repetindo, trocando por miúdos: 1) o Liedson marca mais e falha mais. Isto é factual. 2) a razão pela qual tem mais oportunidades é porque todas as suas movimentações sem bola são para zonas de finalização, o que faz com que esteja sempre colocado para dar o último toque na bola, o que muitas vezes não é o que se pede. Deste modo, goza de mais oportunidades, mas a equipa joga pior.

Pedro disse...

Claro Nuno, claro...

:)

Joao disse...

Nuno e Gonçalo. Pergunta. Nao escrevem mais na ''Academia de Talentos''
abraço.