quinta-feira, 2 de abril de 2009

Momentos

A semana e meia que passou foi pródiga em episódios caricatos. É sobre eles que irei falar.

1. Luis Sobral voltou a dizer porcaria. O artigo completo pode ser lido aqui, mas vou deter-me na frase central: "Só há duas verdadeiras razões para seguir uma partida do futebol italiano: ver jogar Ibrahimovic, ver protestar José Mourinho." Ou seja, para Luis Sobral, o futebol italiano é uma trampa e só se aproveita Ibrahimovic e Mourinho (este porque protesta). Fica implícito que o resto do futebol italiano não vale nada e que nem sequer merece o sueco. Resta saber que futebol é que Luis Sobral aprecia, então. Se a liga mais competitiva do mundo não o satisfaz, talvez prefira a segunda liga do Azerbeijão. São gostos. Ainda bem que há liberdade de expressão.

2. Por cá, tivemos um senhor a armar um circo e a acabar feito palhaço. Falo de Queiroz. Pegou num pormenor insignificante e que deveria ser incentivado, fez dele um cavalo de batalha e reprovou-o. Pereirinha e Rui Pedro ousaram fazer uma coisa diferente e tiveram de prestar contas à Inquisição. Não satisfeito com a reprimenda apalermada de Rui Caçador, o seleccionador principal decidiu suspender os jogadores. Não sei se Queiroz terá aprendido com Paulo Bento a castigar todo aquele que revela uma personalidade ambiciosa, mas parece-me claro que o 25 de Abril em sua casa é dia de trabalhos forçados.

3. Entretanto, o Portimonense saiu em defesa de Rui Pedro, sendo que o jogador nem sequer pertence aos quadros do clube. Do Sporting, nem uma palavra de apoio ao capitão da selecção de sub-21. Miguel Veloso bem avisou que os jogadores não têm apoio de ninguém.

4. Ainda sobre o mesmo assunto, a reacção de Caçador e de Queirós foi a de enfatizar até ao absurdo o incidente. Outros, como eles, acharam que aquilo que os jovens fizeram foi repugnante, irresponsável e uma forma de menosprezar o adversário que ilustra a falta de valores e de humildade no nosso país. Ao contrário disto, lembram os valores morais e a dignidade de outros povos, numa atitude provinciana levada ao extremo. O que eu gostava mesmo de saber era o que é que essas pessoas diriam se vissem Henry e Wenger, no flash interview a seguir ao jogo em que o mesmo Henry e Robert Pires falharam um penalty idêntico, a rirem que nem perdidos da situação. Se calhar também são portugueses e também não têm humildade. Destaco as sábias palavras de Wenger, ditas por entre um sorriso, enquanto os jogadores do Manchester City se sentiam desrespeitados: "também faz parte do jogo cometer este tipo de erros". Pois faz. Também concordo que há uma diferença de mentalidades: Wenger não tem a tacanhez de Queiroz.

4. Provavelmente satisfeito com o pulso forte que demonstrou, Queiroz não fez a barba para o jogo com a Suécia. Se tivesse que adivinhar, diria que o seleccionador se cortou da última vez que fez a barba e decidiu castigar as lâminas de barbear por falta de responsabilidade.

5. Entretanto, antes do jogo com os nórdicos, Cristiano Ronaldo, confrontado com o porquê de não render tanto na selecção quanto no Manchester United, disse o seguinte: "Se todos fizessem o que fiz, éramos campeões mundiais". A única coisa que podemos depreender daqui é que Pereirinha e Rui Pedro, infelizmente, têm de se aguentar à bomboca, pois não são Cristiano Ronaldo. Ou seja, tentar marcar um golo de uma maneira diferente, mostrando criatividade e ao mesmo tempo coragem, é motivo para ser castigado; dizer abertamente que nem todos se esforçam como ele é um comportamento louvável. Viva a liberdade de interpretação.

6. Vieram finalmente os suecos e Portugal não jogou nada. Há quem diga que Portugal se fartou de jogar à bola, mas estes se calhar têm medo que Queiroz os castigue se disserem o contrário. Portugal atacou muito, correu muito, impôs um ritmo alto. Nada disto é jogar bem. Houve intensidade, houve vontade de ganhar, houve atitude, houve garra, houve compromisso. Só não houve ideias. Infelizmente, não houve a única coisa que era preciso ter havido. E o futebol praticado foi uma coisa irracional, sempre a uma velocidade estonteante, como se cada jogador tivesse de ir tirar o pai da forca. Futebol não é halterofilismo; joga-se com a cabecinha. Resultado: meia-dúzia de lances interessantes em 90 minutos e tantas oportunidades de golo para um lado como para o outro. A Suécia, uma selecção absolutamente banal sem Ibrahimovic, sem ter feito nada por isso, por pouco não ganhava o jogo.

7. Receita para o sucesso: jogar com um central a trinco porque os outros são grandes, jogar com o Bruno Alves de início, jogar a segunda-parte toda com 4 centrais de raiz em campo, tirar Tiago quando era o único com ideias, manter no meio-campo Meireles e Pepe, não colocar a jogar Nani nem Moutinho, trocar Danny por Hugo Almeida. Poderia acrescentar outras: apostar em Eduardo, não convocar Nuno Gomes, Postiga, Quim, Zé Castro, Fernando Meira, Pedro Mendes, Carlos Martins nem Quaresma. Estou de certeza a esquecer-me de mais qualquer coisa.

8. Imagem de marca do desafio: Queiroz com as mãos na cabeça, provavelmente a cogitar quem é que iria castigar por Cristiano Ronaldo falhar aquele golo.

9. Três jogos em casa, duas equipas medianas e uma fraca, dois empates e uma derrota; 5 jogos, 1 vitória, 6 pontos, três jogos sem marcar, 7 pontos de distância para o primeiro. São os números de Queiroz. Não seriam números maus, se Queiroz fosse seleccionador da Albânia. Assim, é a matématica a lixar a vida ao professor. O próximo a ser castigado é o Pitágoras, por ter ajudado a que houvesse forma de fazer contas.

10. Jogo amigável com a África do Sul. Ganhámos 2-0. Dois golos de bola parada, em dois falhanços incríveis da defesa sul-africana. Viva! A pergunta que se impõe é: para que é que Queiroz convocou três guarda-redes se dois deles nem no amigável entraram? Ou foram castigados a meio do estágio por terem sido encontrados a jogar ao berlinde?

11. A selecção B também jogou e Queiroz esteve na bancada. Acho que depois disso já castigou o operador de câmara que o filmou a roer uma unha. Do jogo em si, é sempre bom destacar o golo de Djaló, bem como o facto de nenhum dos jogadores portugueses ter sido castigado. Pelé fez 30 passes de ruptura inconsequentes e continua um senhor jogador.

12. Na zona sul do nacional de juniores, o Sporting foi vencer ao Seixal o Benfica, dando um passo seguro rumo à fase final. O Belenenses, que vai a Alcochete esta semana, ficou a 1 ponto do Benfica, que não contará com Nélson Oliveira nos próximos jogos, por ter sido expulso. Acho que Queiroz pensou em castigar toda a equipa do Sporting por ser muito melhor que a do Benfica.

13. Se os filhos do Queiroz aparecerem com um olho à belenenses, aposto que foi por o pai ter encontrado os miúdos a dizer que o Ibrahimovic jogava para caramba.

14. Na Liga, Lisandro foi castigado por ter simulado um penalty frente ao Benfica. Isto cheira-me a coisa do Queiroz.


14 comentários:

apenasfutebol disse...

Epá...excelente. Realmente a personagem dá para fazer uma verdadeira comédia. É demais, é muita palhaçada ao mesmo tempo...


Grande abraço e aproveita Barcelona, não apenas o futebol, mas também a cidade - tem muito para oferecer!

Sadeek disse...

Nuno...concordo com quase tudo o que dizes. Menos naquela de convocar o Carlos Martins. Pelo amor de Deus...nem em condições.....quanto mais lesionado...

O resto....é o que temos e merecemos...

ABRAÇO

rl disse...

Bom, muito bom!

http://coachdocoach.blogspot.com/

Bruno Pinto disse...

"O Porto perdeu novamente e fala-se em crise. O que é certo é que Jesualdo, em 2 anos, não conseguiu lançar na equipa principal do Porto praticamente nenhum jogador de relevo. Foi vivendo daquilo que já vinha de trás e quase todas as suas contratações foram fracassos: Kazmierczak, Bollatti, Guarín, Farías, Lino, Stepanov, Benitez, etc. Agora que escasseia a qualidade trazida em tempos, a qualidade do plantel portista já não disfarça a pouca qualidade de Jesualdo nesse âmbito. A palavra "qualidade", três vezes referida na frase anterior, parece-me aquela que, pela sua ausência, melhor define o que se está a passar no Dragão."

- Manchester-United-FC Porto 2-2
Onze: Helton, Sapu, Bruno Alves, Rolando, Cissokho, Fernando, Meireles, Lucho, Hulk, Lisandro, Rodríguez.

- 6 jogadores fizeram esta temporada a sua estreia na Champions.

- Jogadores lançados (e trabalhados) por Jesualdo Ferreira: Sapu, Rolando, Cissokho, Fernando, Hulk. Já nem falo de Bruno Alves, que só se tornou uma referência também com Jesualdo. A evolução de Rodríguez também é notória.

- Há quem diga que esta equipa já não tem nada a ver com o que vinha de trás e que o mérito da construção da mesma é de Jesualdo. Também há quem diga que Jesualdo é fraquinho...

- É fraquinho o Jesualdo, é...

- O FC Porto acaba de empatar na casa do campeão europeu e mundial, após uma exibição colectiva personalizada e madura. Há quem diga que ali há dedo de Co Adriaanse. Também há quem diga que no Dragão falta qualidade; talvez o 2-2 se tenha devido a um cesto de fruta...

Nuno disse...

Bruno, estavas à espera que o Porto fizesse algo assim há quanto tempo? Se estivesse 5 anos sem fazer um resultado interessante, voltavas aqui para pegar numa coisa antiga nessa altura? Louvo-te a paciência. Então e fazê-lo num post dedicado a outro dos teus heróis é de homem.

Vamos ao que interessa. Disse e mantenho que Jesualdo é fraco a lançar jogadores na principal equipa. Tem um 11 base e rotina a equipa para jogar em função desses 11. Nesse aspecto, porém, Jesualdo é bastante bom. Sabe trabalhar com exaustão aquilo que considera importante. Reconheço-lhe esse mérito. Mas quando tem de lançar jogadores diferentes, jogadores que podem dar ao Porto outras coisas, não consegue. Viu-se isso com Leandro Lima, por exemplo. Falas de 6 jogadores que fizeram a sua época de estreia. Podemos ir a eles. Sapunaru é horrível. O facto de estar a jogar deve-se à ausência do melhor lateral direito do campeonato, um jogador que nem sempre caiu nas boas graças de Jesualdo. Cissokho é mediano. Tendo em conta a concorrência, não é um grande feito estar a jogar. Rolando idem. Fernando é dos poucos que se impôs, mas não graças ao "olho" de Jesualdo. Apareceu para fazer a pré-época e acabou por ganhar o lugar porque Guarín, esse sim a primeira opção de Jesualdo, era fraco naquela posição, e Pelé, supostamente a segunda, é claramente inferior a ele. Não estou a ver, até aqui, que jogadores de jeito é que o professor incluiu na sua equipa. Continuou a beneficiar de um trabalho de prospecção que fora feito antes da sua chegada ao Dragão. É até engraçado que refiras o Bruno Alves depois da oferta a la Secretário de ontem, mas pronto. O único jogador que, reconheço, encontrou o seu espaço neste Porto graças à aposta deliberada de Jesualdo foi Hulk. E Hulk até está muito longe dos outros jogadores de ataque, Lisandro e Rodriguez, por exemplo. Em termos individuais, é um jogador forte, mas em termos colectivos o Porto ganha muito mais em ter em campo, por exemplo, Mariano. Acontece, contudo, que o modelo de Jesualdo privilegia a individualidade e Hulk tem lugar por isso. Quanto a Rodriguez, já toda a gente tinha visto a qualidade dele o ano passado. Não houve melhoria nenhuma. Houve melhoria, isso sim, do início da época para agora, mas o ano passado o Rodriguez já se tinha exibido ao nível a que se exibe agora.

Resumindo, acho que o Jesualdo, em termos defensivos, trabalha muito bem a equipa. É, de longe, a melhor equipa a defender em Portugal. E fá-lo de uma forma colectiva. Por causa disso, as fragilidades individuais de cada um dos jogadores acaba por passar despercebida. O Porto não tem grandes jogadores no sector defensivo, mas uma vez que defende verdadeiramente de forma colectiva, esses jogadores parecem menos maus, pois estão menos exposto às suas debilidades. Do meio-campo para a frente, a qualidade dos jogadores pouco ou nada deve à capacidade de prospecção ou de integração no 11 de Jesualdo. Fernando joga porque conseguiu impor-se. Rodriguez joga porque toda a gente já tinha visto que tinha valor. Lisandro, Lucho e Meireles já vêm de trás e são o motor da equipa. O modelo de Jesualdo privilegia, em termos ofensivos, as capacidades individuais dos jogadores em detrimento das suas capacidades colectivas. Nesse campo, esteve sempre bem servido e tem pouquíssimo mérito nisso. É assim esta época, mas foi também assim com Quaresma, por exemplo, ou Bosingwa. Teve sempre, para atacar, individualidades fortes. E nisso o seu papel tem sido pouco relevante.

apenasfutebol disse...

Gabo-te a paciência. Nuno. Tens um lugar reservado no céu. Este bruno Pinto é uma comédia. Eu não tive 1/3 da tua paciência, mas, digo que subscrevo este teu comentário na íntegra. Agora, nos próximos dias o Jesualdo vai ser eleito por muitos, o melhor treinador do mundo...

Eu acrescentaria apenas uma coisa, uma curiosidade. Na liga interna, há uam tendência para, num jogo de um grande "frente" a um "pequeno", analisar a coisa pelo lado do "grande"...já nas competições internacionais, a lógica inverte-se! É curioso...


Grande abraço, Nuno, e o teu Barça continua a dar show...é impressionante, porventura apenas o Jesualdo o parará!!


Bruno Pinto, ganhe juizo!

Nuno disse...

É verdade, Paulo. Este Barcelona continua imparável. A forma aparentemente fácil com que ridiculariza os adversários é notável. Amanhã, em princípio, estarei em Camp Nou.

Quanto às personagens da blogosfera, nada de novo. Gente com recursos neuronais ao nível de um gafanhoto...

Grande Abraço!

Luís disse...

Muito bom post.

http://romanticfootball.blogspot.com/

ChuckE disse...

"Quanto às personagens da blogosfera, nada de novo. Gente com recursos neuronais ao nível de um gafanhoto..."

O futebol ë pra ti uma fonte de punhetas cerebrais. Relaxa e deixa de te vir.

Nuno disse...

ChuckE, obrigado por teres ajudado a dar sentido ao que disse.

Pedro disse...

Nuno se te apetece bater no Hulk agarra nos dois jogos contra o United q tens lá muito material...
:)

Daria um post interessante.

JFC disse...

se lhe apetecer bater no hulk pelas duas exibições contra o man united, o nuno nao tem material para fazer um post interessante mas sim uma verdadeira cartilha de como não jogar futebol...Foi absolutamente miseravel! O porto sem lucho não tem ideias nem criatividade...

Nuno disse...

Acordei, vim aqui e, em vez de um Monsieur Homais a dizer que o Jesualdo é o maior treinador à face da terra e que o Porto é ENORME e é o melhor clube do Universo, tenho dois comentários a bater no Hulk e no Porto. Bolas, os resultados são mesmo importantes.

Pedro, melhor que bater no Hulk depois de duas exibições patéticas, é tê-lo feito antes, quando todos lhe andavam a gabar as qualidades. A única coisa que me apetece fazer em relação ao Hulk, neste momento, é rir.

JFC, sem dúvida. É que ele nem sequer é bom no um para um. É um gajo que tem um poder de explosão notável e, graças a ele, parece difícil travá-lo. Mas basta apanhar uma equipa que encurte os espaços que todo o seu futebol perde o sentido. O Mariano, que não tem nem de perto nem de longe a sua capacidade atlética, é bem mais forte que ele no um para um. Essencialmente, porque sabe quando deve driblar e quando não deve. Como é que é possível, sequer, comparar o Hulk ao Lisandro ou ao Rodriguez? Que parvoíce! Melhor foi a substituição de Jesualdo, tirando Rodriguez quando estava a ser dos melhores em campo e deixando Hulk, que estava a ser o 12º do Manchester.

Pedro disse...

Estes dois jogos contra o United foram os dois unicos jogos dos azuis q vi com olhos de ver esta época é por isso q nunca opinei sobre o Hulk. É notório q tem características físicas impressionantes mas nestes dois jogos mostrou muitas debilidades quer a nível individual com, por exemplo, recepções de bola patéticas, quer a nível de conjunto com decisões espatafurdias e muita "funçanguisse".