domingo, 9 de novembro de 2008

Professor...

No futebol actual, são cada vez menos os jogadores que nos apaixonam. Menos ainda são aqueles que nos "ensinam" futebol.

Aimar é um desses (poucos) exemplos.

O número 10 benfiquista tem-nos presenteado com verdadeiras lições de futebol, tanto a nível interpretativo como no aspecto técnico.

Na memória de todos ainda está aquela pequena maravilhosa "rabona" do argentino. A dificuldade, neste caso, consiste em determinar o maior mérito: se o do gesto técnico, se o da leitura rápida e correcta do lance. Porque estes movimentos, muitas vezes, funcionam apenas como artifícios e, como tal, seriam à partida dispensáveis. Direi mesmo que serão contrários à essência do futebol enquanto jogo. Porque muitas vezes são executados à margem de qualquer estratégia de jogo, em que cada movimento encerra sobre si mesmo a própria finalidade. Aimar, no entanto, utiliza a sua capacidade de execução como desbloqueador de situações complexas. As exibições de Pablito confundem-se entre os truques e a inteligência do seu futebol.
Digo "confunde-se" porque manda a razão que se jogue futebol de forma simples, que se coloque em campo os meios e esforços necessários para o sucesso da nossa forma de jogar (enquanto equipa), e que evitemos as palhaçadas frívolas.

A essência do futebol de Aimar não tem nada a ver com qualquer gesto técnico vistoso. A substância presente em cada movimento de Aimar, do mais complexo ao mais banal, é em função do que o jogo lhe requisita em dado momento para alcançar um objectivo que encerra muito mais do que esse simples momento. Ou seja, os seus movimentos não são desconectados entre si. Daí ele perceber quando deve lançar um jogador para um contra-ataque mortífero, ou por outro lado, quando é que deve entregar a bola a um colega que não se encontra a mais de um/dois metros de distância. A qualidade do futebol revelada em ambos os momentos é a mesma. A sua manifestação, porém, é que é diferente. Mas a presença activa do argentino no jogo e a importância deste jogador para a equipa alcançar os objectivos do jogar a que se propõe não oscila em função da estética dos seus movimentos.

A faculdade de Aimar conseguir concretizar o seu Futebol através de execuções fantásticas não seria suficiente para fazer dele um jogador de eleição... ou um Artista. Não se o Futebol dele, a essência do mesmo, não fosse por si só extraordinária. Aimar, o futebolista, não precisaria de recorrer a gestos técnicos deslumbrantes para ser um fantástico jogador porque o futebol que "nasce" dentro do argentino é soberbo. O facto de o argentino conseguir materializar essa interpretação e entendimento do jogo através de uma (a do próprio) visão estética, coloca-o no mesmo pedestal dos Artistas. Daqueles a sério.

E é aqui que Aimar assume, de forma inconsciente, um papel determinante para as gerações de futebolistas num futuro próximo. Com as suas pequenas lições, vai ensinando, entre meia-dúzia de truques, o que é jogar BOM FUTEBOL.
Porque na incapacidade de se perceber, por si só, algo tão profundo como o jogar bem, de forma racional (grande parte dos jovens jogadores apenas atribui importância a aspectos técnicos, descurando a sua interpretação do jogo), é importante que as gerações mais jovens cresçam a admirar um jogador que trata tão bem o jogo, ainda que o admirem por tratar bem a bola.

9 comentários:

cajo disse...

Bom texto, para quando um sobre um dos poucos que é melhor que ele, El Comandante? :D


abraço

PB disse...

é de outro mundo! Acima de todos os outros

"Há mts jogadores q decidem bem, há mts q decidem rápido...mas, ha mts poucos q decidem rápido e qs sp bem! Aimar é um deles" Quique Flores

de outro mundo! a bola sai sp redondinha dos seus pés... e sp para onde deve sair. Incrivel!

Pedro disse...

Ainda hoje Aimar fez um passe de primeira para Yebda, na segunda parte, que foi uma delicia. Coisas tão simples que por serem tão simples e tão poucos as conseguirem fazer é q Aimar é, realmente, um génio.

Batalheiro disse...

Grande Post.

A maior parte dos pessoas é da opinião que um jogador criativo faz imensos "truques" com a bola. Já foi várias vezes discutido por aqui...Aimar carrega dentro dele a própria essência do jogo! Como já não via nos relvados portugueses desde os bons tempos do João Pinto.

PS: o passe de ontem para o Maxi é o paradigma do pensamento rápido + opção correcta + execução rápida + execução técnica correcta.

PS2: Sidnei e David Luiz, o que acham desta dupla?

Peyroteo disse...

Gostaria de saber a vossa opinião sobre as semelhanças e diferenças entre o Aimar e o Romagnoli.

Gonçalo disse...

Batalheiro, ainda não os vi jogar, ontem só pude ver a primeira parte, mas à partida são os defesas que mais me impressionam(de forma positiva) no plantel benfiquista. Mas admito que poderá ser uma dupla interessante. Vamos ver.

Peyroteo, ainda hoje pensei nesse assunto. Acho que daria um post interessante. Sinceramente acho que os dois jogadores são semelhantes, e com um conteúdo futebolístico muito equivalente. Ambos perecebem o jogo como poucos. Para mim a principal diferença assenta na forma como materializam esse mesmo conteúdo. Aimar é mais potente e, talvez, mais hábil. No resto acho que são idênticos.
Muita gente defenderá que os dois são incompatíveis, mas não concordo. Seria um desafio enorme, mas, com o devido enquadramento, seriam uns educadores fantásticos, se jogassem no mesmo onze.

Um abraço

Batalheiro disse...

Ora aí está um bom exercicio academico.

Penso que o Aimar é mais regular, criativo e superior tecnicamente. Mas são jogadores do mesmo tipo sem dúvida, ambos muito inteligentes e decisivos.

Eu encaixava-os num 442 losangulo, o romagnoli numa das alas e o aimar a numero 10.

Gonçalo disse...

Sim, concordo. Tb acho que era a melhor opção.

Mas de certeza que 90% das pessoas optava por ter 4 Rochembacks:P

PB disse...

eu preferia Aimar a medio esquerdo (onde tou convencido q vai acabar por jogar esta época no Benfica. Creio q o de 10 ficará para o Reyes) e Romag a 10!