domingo, 26 de outubro de 2008

Sondagens (9)

À pergunta "Quem é, actualmente, o melhor treinador do mundo?", responderam 54 votantes. 30 deles, ou seja, mais de 50% afirmaram que o melhor do mundo era o Zé. A vitória de Mourinho, por maioria absoluta, não surpreende. Seria, por isso, talvez mais interessante ter perguntado quem era o segundo melhor treinador do mundo, pelo que os restantes 24 votos podem ajudar a perceber que outros treinadores são muito apreciados. Em segundo lugar, aparece Arséne Wenger, com 7 votos, e, em terceiro, Sir Alex Ferguson, com 5. Além de Mourinho, estes dois parecem ser os que maior consenso reúnem. Devo dizer, aqui, que aprecio muito a filosofia de jogo de Wenger e que acho que Alex Ferguson não é melhor que maior parte dos treinadores ingleses que treinam equipas da Premier League. Não acho que os resultados possam influir, de maneira convicta, na qualidade de um treinador. Em Manchester, até o José Mota era campeão da Europa. Seguindo para os menos votados, temos então 3 votos para Marcelo Lippi, 2 para Hiddink, Capello e Trapattoni. Aqui, a minha apreciação também se divide. Se concedo a Lippi e a Hiddink um lugar de destaque entre os bons treinadores actuais, o mesmo não acontece com os outros dois. De destacar ainda 1 voto para Rafael Benitez e 2 para outro treinador além destes. Pergunto-me quem mais poderia estar entre este elenco. Scolari? Aragonés? Del Bosque? Manuel José? Van Gaal? Destaque ainda para os 0 votos de Ancelotti, Pekerman, Queiroz e Rijkaard.

P.S. Esta sondagem não pretende tirar quaisquer conclusões práticas. É apenas um instrumento de curiosidade através do qual se apreciam as tendências dos visitantes deste espaço. Como tal, pede-se àqueles que insistem em achar que isto tem, para os autores, o peso de uma sondagem eleitoral que estejam caladinhos e guardem para si as observações palermas e os comentários sem nexo. Obrigado!

37 comentários:

PB disse...

1º Mourinho, depois Wenger.

concordo completamente

Refutador100 disse...

José Mourinho é, indiscutivelmente, o melhor treinador do Mundo, já que é inexcedível em todas as componentes do jogo (táctica, técnica, psicológica, etc). Aprecio também Wenger, Hiddink e Van Gaal, por serem apologistas do futebol como jogo colectivo e bem jogado. Também gosto do Lippi, por ser um treinador de rotura em relação à tradicional escola italiana. Já Capello, Benitez e Trapattoni são treinadores excessivamente resultadistas e, como tal, não costumo apreciar o futebol pouco atraente das suas equipas. Ferguson tem méritos, sobretudo na gestão dos recursos humanos, mas tacticamente está obsoleto e creio que muito do sucesso se deve à excelente qualidade individual dos sucessivos planteis de que dispôs.
Nuno, já agora, gostava de saber qual a tua opinião sobre os treinadores que não registaram qualquer voto.
Abraço e continuação do excelente trabalho.

cajo disse...

Não concordo com a apreciação do Fergusson; é, no meu entender, dos melhores treinadores de sempre. Tem tido grandes plantéis em Manchester, mas se fosse só isso então o Mourinho também tinha ganho a Champions no Chelsea, o Mancini tabém a teria ganho no Inter, Cappello e Schuster também a teriam ganho no Real.

E, aqui entre nós, um plantel com O'Sheas, Browns, Ji-sungs e afins não é propriamente dos melhores da Europa. Além disso controlar as manias e o ego do Cristianinho não deve ser fácil...

Nuno disse...

Refutador, de todos, o único de que não gosto mesmo é o Queiroz. Acho que é um tipo que estudou, que tem uma experiência teórica vasta, mas não percebe nada de bola. É um académico que teve a sorte de ter ganho dois mundiais com putos e que, por isso, ganhou alguma reputação. Falhou sempre que teve que treinar homens. Quanto ao Pekerman, há quem ache que é igual ao Queiroz. Eu não acho. As equipas dele não só ganharam coisas como jogavam sempre muito à bola. No entanto, confesso, o Pekerman desiludiu-me um pouco no mundial de 2006 ao nunca ter coragem para colocar de início a dupla Aimar/Riquelme. No entanto, acho que tem algum valor. Quanto ao Ancelotti, acho que pertence a uma nova vaga de treinadores italianos de alguma qualidade, da qual fazem parte, entre outros, Prandelli, Spaletti, Mancini, Donadoni. As suas equipas no Milan são sempre bastante organizadas. Faltar-lhe-á algum arrojo, mas é um treinador que tem o seu valor. Quanto ao Rijkaard, adorei o seu trabalho em Barcelona. De facto, o último ano não correu bem, mas os restantes revelaram um Barcelona que era só a equipa que praticava o melhor futebol do mundo. Eventualmente, em termos defensivos, o seu Barcelona não seria muito perspicaz e concentrado, mas em termos ofensivos era uma equipa extraordinária.

Abraço!

BAD-RELIGION disse...

Cheira-me que pró ano o Guardiola vai aparecer nessa lista...

Ricardo disse...

"E, aqui entre nós, um plantel com O'Sheas, Browns, Ji-sungs e afins não é propriamente dos melhores da Europa."

Se concordo que os dois primeiros são jogadores banais, discordo totalmente que o coreano seja da mesma estirpe. Muito pelo contrário: apesar das poucas oportunidades que tem de consolidar o seu jogo, sempre que o vejo em campo encontro uma rara qualidade de encontrar em vários jogadores, mesmo dos melhores do Mundo: não se distinguem os momentos defensivo e ofensivo. É tanta a intensidade que põe no seu jogo que, se perde uma bola, trata, antes de os outros ainda terem interiorizado a mudança de posse de bola, logo de a recuperar. Isto não é usual e demonstra uma excelente capacidade de ler o jogo e lhe dar competitividade. Além disso, em termos técnicos, é um bom jogador. Tenho pena que no Manchester seja tão pouco utilizado. Não tenho dúvidas de que o Park num Benfica, por exemplo, seria um dos melhores.

jp disse...

"Não concordo com a apreciação do Fergusson; é, no meu entender, dos melhores treinadores de sempre. Tem tido grandes plantéis em Manchester, mas se fosse só isso então o Mourinho também tinha ganho a Champions no Chelsea, o Mancini tabém a teria ganho no Inter, Cappello e Schuster também a teriam ganho no Real."

Falta aqui um pormenor...quantos anos teve o Ferguson no ManU e quantos anos tiveram os outros?

O Ferguson em tantos anos venceu 2 LC, tendo em conta os sucessivos planteis que dispôs, o facto de estar a treinar a mesma equipa, sem revoluções no plantel não acho que seja brilhante.

Pesolamente acho que vale essencialmente pelo mesmo que Scolari, pelo carisma que tem e pela motivação que consegue dar aos jogadores. De resto penso que é banal.

Pedro disse...

Não consideras o Cappelo um bom treinador??
Credo...

BAD-RELIGION disse...

Por acaso também curto o Capello :)

cajo disse...

Duas Ligas dos Campeões é fraquito, de facto.


lol, pelo amor de Maradona...

jp disse...

"Duas Ligas dos Campeões é fraquito, de facto."

Ferguson 22 anos consecutivos em ManU => 2 LC
Del Bosque cerca de 10 epocas no RM intercaladas => 2 LC

O Del Bosque também dos melhores do mundo? É que se se medir em LC ele é melhor que o Ferguson...

Se 22 anos num clube com o ManU 2 LC é fantastico então há ai muitos treinadores fenomenais!!

cajo disse...

O que é que isso quer dizer? Que o Del Bosque em 22 anos tinha ganho 4 LC?

O que estou a dizer é que pra mim é exactamente o facto de ele ter estado mais de duas décadas no "top flight" que faz dele um grande treinador. E é preciso não esquecer o que ele fez no Aberdeen.

Além de tudo isto, o facto de não ganhar a Liga dos Campeões também não é o mais significativo... Imagina que o golo mal anulado ao United na eliminatória contra o Porto tinha sido validado...Mas pronto, não vou entrar em 'suponhamos'

Pedro disse...

"Se 22 anos num clube com o ManU 2 LC é fantastico então há ai muitos treinadores fenomenais!!"

Como se o United fosse o q é hoje qd o Fergunson lá chegou...as coisas não podem ser vistas por esse prisma...

Nuno disse...

Pedro, para mim, o Capello é um treinador ultrapassadíssimo. Para ele, só importa a forma como a equipa defende. Na frente, as unidades que resolvam. Isto não tem nada a ver com o que eu defendo. Por isso, não gosto dele.

Em relação ao Ferguson, o MU não era o que é hoje? O quê? O clube mais rico do mundo? É que já o é há uns 10 anos. E era o maior clube inglês, a par do Liverpool, quando ele lá chegou. E querem saber quais foram as classificações do Manchester nas primeiras épocas? 11º em 1986/87; 2º em 1987/88; 11º em 1988/89; 13º em 1989/90; 6º em 1990/91; 2º em 1992/1993. Ferguson só foi campeão com um dos maiores clubes de Inglaterra à 7ª época, em 1992/93, coleccionando classificações patéticas. Noutro país qualquer, teria sido corrido ao fim de uma época. Teve a possibilidade de lá ficar e o Manchester foi enriquecendo. Com isso, começou a ter cada vez mais os melhores jogadores. Não era difícil ter chegado onde chegou agora, nessas condições.

Pedro disse...

O United na altura era o segundo maior clube inglês??? Não vou teimar pq não sei mas q estava a atravessar uma fase muito má lá isso estava. Não estou a querer defender o Fergunson como treinador apenas acho q a discussão não pode ser centrada na argumentação de q ele tem 22 anos de United e só ganhou isto ou aquilo...

O Cappelo ganha e mostra resultados como poucos treinadores o mundo. Foi campeão no Milão, veio para Madrid foi campeão, foi para a Roma e fez da Roma campeã, regressou a Madrid e voltou a ser campeão...entretanto tb foi campeão pela Juventus não foi? Uma coisa são gostos, não gostar do futebol practicado ou das tácticas q se utilizam agora com esta vasta lista de sucessos, em clubes diferentes, só um grande treinador é q os consegue.

Nuno disse...

Pedro, ainda bem que separas os resultados da forma como foram atingidos. O Capello começou a treinar imediatamente o Milão, vindo das camadas jovens. Isto é, nunca teve testes em equipas menores. No Milan da sua altura, com aquela super-equipa, o estranho seria não ganhar. Em cinco épocas, foi quatro vezes campeão e uma vez ficou em 4º. Ganhou, no entanto, apenas uma liga dos Campeões. No Real, apanhou só uma grande equipa europeia, outra vez. Ganhou o campeonato. Quando voltou ao Milão, no ano seguinte, ficou pateticamente em 10º. De 1999/2000 a 2003/2004, cinco épocas, esteve na Roma. 6º, 1º, 2º, 8º e 2º foram as suas prestações. Foi campeão com a melhor equipa italiana da altura, com Batistuta, Montella, Delvechio, Cafu, Aldair, Samuel, Emerson, Totti, etc. Entre 3 bons resultados com uma equipa claramente valorizada, teve também um 6º e um 8º. Estas irregularidades deveriam demonstrar muita coisa. Nos dois anos seguintes, é campeão na Juventus, que era o clube mais estável em Itália, fruto do trabalho essencialmente de Lippi. Na Juventus, como anteriormente no Milan e no Real, o difícil seria não ganhar. Mas na Europa fez figura de parvo, sempre. Voltou ao Real e foi o campeão mais sortudo desde Trapattoni. Ganhou depois de o Barcelona ter tido 10 pontos de avanço ou mais e de os ter desperdiçado; ganhou mudando invariavelmente o seu esquema (aquilo em que, supostamente, acredita) a 10 minutos do fim, em desespero, com golos nos últimos minutos. Não se pode dissociar desse título a sorte. Tanto é que, apesar de campeão, foi corrido. Na Europa, o melhor é nem falar, novamente. O que é certo é que Capello, tirando os anos em que esteve na Roma, teve sempre das melhores equipas europeias e ganhou apenas uma Liga dos Campeões. A sua irregularidade demonstra que beneficia do momento dos seus jogadores e da inspiração dos mesmos. É um treinador metódico, rigoroso em termos defensivos, mas que separa os momentos. Para ele, há jogadores para defender, normalmente 8 ou 9, e jogadores para atacar. Uma declaração ridícula comprova isto. Numa determinada entrevista, disse que a táctica mais comum actualmente era o 9-1, isto é, 9 jogadores para defender e 1 avançado lá quietinho. Isto é Capello no seu melhor.

Pedro disse...

Nuno às vezes fico perplexo com a tua argumentação. Olha lá para o escreveste e anota as quantidades de vezes q "falaste" em sorte ou algo parecido.

Até parece q qd ele teve essas super-equipas os rivais eram fraquíssimos. E isso de treinar super equipas qqr um ganha não é bem assim e o próprio Real Madrid é um bom exemplo, Scolari tem uma super equipa e provavelmente não será campeão nem tocará na Champions, Fergunson com um super United tb já ficou a olhar para o boneco, e o q dizer do Inter com super equipas atrás de super equipas e não tocava em lado nenhum...

Só pode ganhar UM. E Cappelo tem sido um desses "UM" muitas vezes. Sorte? É pá...dá um trabalho do caraças ter tanta sorte assim como diz o outro.

Dizes q na Roma foi campeão com a melhor equipa italiana na altura. Acho q é pacifico q foi ele q a construiu. Seria o mesmo q retirar mérito ao Wenger por ter sido campeão inglês com a melhor equipa inglesa na altura. Wenger tem o mérito de a ter construido, tal como o Fergunson com o United anos antes...

Tu não gostas é do seu estilo de jogo e da sua metodologia como deixas bem expresso no fim do teu último comentário. Mas isso nuno são opções pessoais e tens todo o direito a elas, agora por em causa a qualidade do homem por causa disso não me parece lógico. Até pq para se treinar grandes equipas é preciso saber. Não são todos q sabem gerir os egos das grandes vedetas.

Pedro disse...

Já agora, a titulo de curiosidade, o q achas de Peseiro?

Gonçalo disse...

Pedro, não estou com isto a dizer que o Cappelo é o um treinador banal, mas acho legitimo dizer que não é o que tu defendes. Foi um treinador que logo na sua primeira experiência cm técnico, a nivel sénior, teve a oportunidade de treinar uma super-equipa cm o era o Milan. Podes argmentar que teve mérito para merecer essa oportunidade, mas a verdade é que tb teve uma boa dose de sorte.

O último campeonato que ele ganhou é sintomático do que penso dele: ganhou a liga espanhola, mas para o fazer teve que, em muitos jogos(demasiados), abdicar do modelo de jogo que ele preconizava, para arricar em algo que não acreditava. Eu já falei disso noutro texto.

Posso aceitar que digas que ele tem qualidade, mas não acho que mereca estar no mesmo patamar de um Lippi, um Mourinho, Van Gaal, etc.

Um abraço.

cajo disse...

Bem, o Mourinho também tem tido sorte, nisso não há qualquer margem para dúvidas... Todos os grandes treinadores/jogadores/clubes a têm, não é por aí...

O que se está aqui a confundir penso eu é o gosto pessoal do estilo de um ou outro treinador, e as suas reais capacidades...

Pedro disse...

Não sei o q é isso de estar no mesmo patamar q Lippi ou Van Gaal.

Sei q Cappelo é um treinador vencedor e q apresenta resultados e é isso q se quer. Se quero vencer o Cappelo é um dos primeiros nomes q vem à baila.

Mourinho tb teve a sorte de a sua primeira experiência como treinador principal ser no maior clube de um país, neste caso o Benfica. Depois teve a sorte de ir para o fcp após boa estadia em Leiria, depois Chelsea e depois Inter. Achas q ele não fez por merecer essa sorte? Cappelo teve sorte em entrar no Milão mas depois fez pela vida.

Mas não percebi essa do abdicar do modelo de jogo q preconizava na última passagem por Madrid. Se vocês não gostam dele por ser super defensivo, se ele abdicou disso não estar a ir ao encontro do q vocês defendem?

E podemos aqui apostar q Mourinho irá ser obrigado a abdicar de muita coisa se quiser triunfar em Itália. E isso apenas lhe dá maior mérito pq saberá mudar qd necessário para atingir os objectivos propostos. Um grande treinador tb se vê nessas alturas.

Nuno disse...

Pedro diz: "Olha lá para o escreveste e anota as quantidades de vezes q "falaste" em sorte ou algo parecido."

E então? Se um treinador, em 15 anos que treinou, treinou 6 anos o Milan, 5 anos a Roma, 2 anos a Juventus e 2 anos o Real Madrid, achas que não teve sorte. Não teve que fazer muito para construir a sua reputação. Começou na melhor equipa do mundo, de longe, herdeira de Sacchi, e ganhou notoriedade. A partir daí, foi fácil. Mesmo quando dizes que a equipa da Roma foi ele que a construiu, é falso. Ele chegou à Roma e já a Roma vinha em progressão. A Roma ainda não era uma equipa de topo em Itália, mas estava num patamar seguinte, capaz de lutar por isso. Nas duas épocas antes, tinha feito 4º e 5º. Ele chegou lá e fez 6º. Nesse ano, foi campeão a Lázio. Ou seja, o futebol italiano vivia uma fase de grande competitividade e a Roma, nesse momento, não era significativamente inferior à Juventus ou ao Milan.

"Até parece q qd ele teve essas super-equipas os rivais eram fraquíssimos."

Mas é que eram mesmo. O Baggio fala disso, quando trocou a Juventus pelo Milan, na época de 1995/1996. Aquele Milan era a melhor equipa da Europa, com os melhores jogadores. No Real, encontrou a mesma realidade. Na Juventus, igual. As únicas vezes em que aceito que não tinha obrigação de ganhar foram na Roma (ainda assim, tinha jogadores para tal) e no Real na segunda vez (que ganhou como já disse, aí sim com muita sorte). Se o Capello tivesse sido 3 ou 4 vezes campeão na Roma, nos 5 anos que lá esteve, era diferente. Ou se tivesse ganho a Liga dos Campeões com a Juventus, ou mais do que 1 vez com aquela super-equipa do Milan, ou com aquele Real da primeira vez, era uma coisa. Mas não. Ganhou o que ganhou porque é minimamente competente e tinha jogadores de grande categoria. A crítica que lhe faço é que ele apenas trabalha para conferir às suas equipas uma capacidade defensiva de relevo, deixando a cargo do talento individual e da inspiração dos seus avançados todo o processo ofensivo. E nas equipas em que esteve, tinha sempre o melhor conjunto de avançados. Lembro-me do quão patético foram aqueles quartos-de-final em que a sua Juventus, depois de perder 2-1 em Anfield com o Liverpool, precisava apenas de marcar 1 golo para seguir em frente e ele, em Turim, passou 90 minutos a bombear bolas para o coitado do Ibrahimovic resolver sozinho lá na frente. Isso não é de um treinador de categoria.

"E isso de treinar super equipas qqr um ganha não é bem assim e o próprio Real Madrid é um bom exemplo"

Quando ele treinou o Real Madrid a primeira vez, ainda não havia a febre galáctica. Lembra-te que ele pôde ir buscar o Secretário. Portanto, naquele ano, o Real era uma equipa a sério. Aliás, nessa altura, até o Heynckes foi campeão europeu.

"Só pode ganhar UM. E Cappelo tem sido um desses "UM" muitas vezes. Sorte? É pá...dá um trabalho do caraças ter tanta sorte assim como diz o outro."

Mas tem sido esse UM como? Tens de ver é como é que os resultados são obtidos. O teu problema é não veres isso. Olhando para os resultados, o Vicente del Bosque era o maior. Para dar um exemplo recente, no Europeu critiquei muitíssimo o Aragonés. Quando foi campeão europeu, ouvi insultos e levantaram-se vozes a dizer que o gajo era bom. Eu sempre disse que o mérito era inteiramente da qualidade dos jogadores e não dele. A verdade é que chegou ao Fenerbahçe e com a equipa com que Zico fez o que fez nos últimos anos, com um plantel até melhor, está pateticamente em 9º na liga turca e a ponto de ser eliminado das competições europeias. Para aqueles que defenderam o seu valor, isto é uma incoerência. Eu, que sempre separei os resultados obtidos da forma como se obtém, comprovo com isto que ele é fraquinho. Porquê? Porque ganhar e merecer ganhar são coisas diferentes. O teu problema é que olhas apenas para o palmarés. O Trapattoni já ganhou muito e isso não faz dele um bom treinador actual. Assim como o que Capello ganhou não faz dele isso.

"Tu não gostas é do seu estilo de jogo e da sua metodologia como deixas bem expresso no fim do teu último comentário. Mas isso nuno são opções pessoais e tens todo o direito a elas, agora por em causa a qualidade do homem por causa disso não me parece lógico."

Já é a segunda ou a terceira vez que dizes esta merda. Eu não misturo gostos com qualidades. E não misturo porque não tenho que gostar. Eu gosto daquilo que tem qualidade. Como tal, gosto daquilo que se me apresenta logicamente com qualidade. Não tem a ver com estilos. Não sou defensor do estilo do Benitez, mas reconheço que, em competições a eliminar, pode ter êxito a jogar assim. Não reconheço necessidade de um treinadro ser quase tirano, como o Van Gaal ou o Adrianse, mas reconheço que são bons treinadores. Eu gosto daquilo que tem valor. Desse modo, não é o meu gosto pessoal que está a interferir nesta apreciação. Eu, simplesmente, não reconheço ao Capello qualidades como treinador de topo. Tal como não reconheci, por exemplo, o ano passado, qualidades ao Mancini, que deu o 2º título ao Inter, que é a tal equipa na qual nenhum treinador conseguia ter sucesso. Tal como não reconheço valor ao Inácio, apesar de ter levado o Sporting ao título 18 ou 19 anos depois. O que importa é a forma como as coisas acontecem. O estilo e a metodologia de um treinador não são coisas para se gostar ou não. São coisas que têm a ver com a qualidade de um treinador. Nesse sentido, não gostar do estilo dele ou da metodologia dele, para mim, é não lhe reconhecer qualidade.

Sobre o Peseiro, já o disse aqui muitas vezes, gosto dele. Pôs o Sporting a jogar o melhor futebol em Portugal de que me lembro e só não teve sucesso em várias frentes por manifesto azar. Não creio ser preciso lembrar as patetices do Hugo e do Ricardo, ou a expulsão do Hugo Viana na taça, ou a forma azarada como sofre o terceiro golo na final da UEFA na jogada seguinte a ter enviado uma bola aos 2 postes da baliza adversária, com a qual empataria de novo a partida. O restante trabalho de Peseiro não acompanhei, mas no Sporting fez uma época espantosa.

Cajó diz: "o Mourinho também tem tido sorte, nisso não há qualquer margem para dúvidas... Todos os grandes treinadores/jogadores/clubes a têm, não é por aí..."

Claro, o Mourinho ganha a Champions tendo apanhado apenas um tubarão. Não é isso que está em causa. Está em causa, isso sim, a forma como a sorte influencia ou não os resultados. E o Mourinho procura a sorte. Já o Capello mete-se lá atrás fechado à espera que ela apareça. É uma diferença muito grande.

"O que se está aqui a confundir penso eu é o gosto pessoal do estilo de um ou outro treinador, e as suas reais capacidades..."

Não, não é que se passa. Já o disse ao Pedro. Para mim, não há gostos pessoais. Tudo é capacidades.

Pedro diz: "Sei q Cappelo é um treinador vencedor e q apresenta resultados e é isso q se quer."

Aqui exemplificas o que digo. Olhas apenas para os resultados. O problema é que os resultados não servem para ilustrar o valor de um treinador. Enquanto não perceberes isso, é natural que continues, como quase toda a gente, a equivocar-te quanto ao valor de um treinador.

"Mourinho tb teve a sorte de a sua primeira experiência como treinador principal ser no maior clube de um país, neste caso o Benfica. Depois teve a sorte de ir para o fcp após boa estadia em Leiria, depois Chelsea e depois Inter. Achas q ele não fez por merecer essa sorte? Cappelo teve sorte em entrar no Milão mas depois fez pela vida."

Han?? O Mourinho teve a sorte de quê? O Mourinho estava repimpadinho em Barcelona, com mais um ano de contrato, e decide rescindir porque estava farto de ser adjunto e de não partilhar das ideias dos seus superiores. Entretanto, aparece o Benfica, que estava de rastos, ele vai para lá, mas ao fim de um mês bate com a porta. Que sorte é que está aqui? Ele decide vir-se embora de um grande clube e vai para o Leiria, onde deixa a equipa no 2º ou no 3º lugar. Isto é fazer pela vida. Depois, no Porto, ganha tudo em Portugal e na Europa. Ou seja, com equipas menores, ganha coisas e mostra futebol. É muito diferente de começar a treinar séniores logo na melhor equipa do mundo, como foi o caso do Capello. Como é que o Capello fez pela vida?? Começou no Milan, herdeiro de Sacchi, foi para o Real, que na altura era dos melhores do mundo, e quando voltou a Milão ficou em 10º. Onde é que ele fez pela vida? Onde é que ele treinou uma equipa que não estava montada há muito tempo? Onde é que chegou e revolucionou aquilo? Podes falar, quando muito, no exemplo de Roma, e mesmo esse não é tanto assim. A Roma já era o que era antes de ele chegar. Capello nunca teve de fazer pela vida como o Mourinho.

"Mas não percebi essa do abdicar do modelo de jogo q preconizava na última passagem por Madrid. Se vocês não gostam dele por ser super defensivo, se ele abdicou disso não estar a ir ao encontro do q vocês defendem?"

Porra, Pedro. Se aquilo que ele preconiza fosse bom, ele manteria as suas ideias e venceria com elas. Mas para vencer, há dois anos, teve que abdicar invariavelmente das suas ideias. Percebeste?

"E podemos aqui apostar q Mourinho irá ser obrigado a abdicar de muita coisa se quiser triunfar em Itália. E isso apenas lhe dá maior mérito pq saberá mudar qd necessário para atingir os objectivos propostos."

Han?????????????????? De que é que o Mourinho vai abdicar? Ai, a droga, a droga...

Ricardo disse...

Olha! um gajo que não acha o Peseiro um cepo. Finalmente, Nuno, encontro-te. Casas comigo?

Pedro disse...

Lá está nuno, lá está. A tua própria argumentação acaba por contrariar o q dizes.

O Del Bosque seria o maior se depois do Real ele tivesse tido sucesso noutros clubes, noutras passagens. Cappelo teve sucesso em TODOS os clubes por onde passou. TODOS. Arranja lá as desculpas q tu queiras sobre as equipas estarem montadas a verdade é q foi ele q ganhou e não outros. Qts e qts treinadores têm as equipas montadas e acabam por destruir tudo o q de bom foi feito? Trappatoni pegou no trabalho feito por Camacho e, a bem ou a mal, foi campeão. Depois disso chegou Koeman, com muito mais tranquilidade, com uma equipa coesa e campeã foi o q foi. Há q dar mérito a quem consegue manter o bom e apresentar resultados. Será q se Jesus para o ano for campeão pelo Braga não terá mérito pois a equipa já vem detrás?!?!? Não faz sentido.

É evidente q os resultados é q interessam. Trouxe o nome do Peseiro à baila para perceber se tinhas a opnião q acabaste por ter. Foi, para ti, o treinador q melhor futebol mostrou em Portugal. E ganhou o q? ZERO. Azar dizes tu...pois..hás uns treinadores q têm uma sorte do caraças outros um azar. Não é coerente com a defesa da metodologia de treino q tu muito bem advogas. Se Peseiro fosse assim tão bom teria tido sucesso noutras paragens...não teve. Cappelo teve. São diferenças abissais.

Cappelo só treinou clubes de topo por alguma razão né? É como o Mourinho... nunca mais treinará um "Leiria"...só se lhe apetecer...Isso só está ao alcance dos grandes treinadores.

O Mancinni ganhou no Inter por uma série de particularidades q todos nós percebemos...

Trap foi campeão em todos os países por onde passou, Itália, Alemanha, Portugal, Austria...está ultrapassado? Talvez...mas vamos ver se quem o ultrapassou conseguirá ter um curriculo como ele. Tu dizes que gostas de qualidade. O q é isso? É ser "Peseiro" jogar á brava e nada ganhar "por azar"? Eu gosto é de ganhar. Nunca apreciei o estilo de jogo de Trapp, o jogo do SLB era feio, mas ganhámos. Por mim se todos os anos fossem como aquele comprava já de caras essa realidade. Não gosto do Trap mas reconheço q é um grande treinador com provas dadas.

Caro amigo sorte é apresentar resultados esporádicamente, qd esses resultados são habituais não é a sorte q influencia....

Nuno disse...

"O Del Bosque seria o maior se depois do Real ele tivesse tido sucesso noutros clubes, noutras passagens. Cappelo teve sucesso em TODOS os clubes por onde passou. TODOS."

Começa a ser complicado falar para as paredes. Teve sucesso em todos. Vamos ver que todos foram esses: Milan, Real, Roma e Juventus. Na altura em que passou por estes clubes, o único onde não tinha obrigação de ganhar era a Roma. Lá, ganhou 1 campeonato em 5 anos. Achas notável? Eu não acho. Nos outros, teve 6 anos em Milão, 2 no Real e 2 na Juventus. Ganhou, nestes 10 anos, 8 campeonatos e fez 1 4º lugar e 1 10º lugar no Milan. Ganhou 1 só Liga dos Campeões. Achas notável? Eu não. Eu acho que os 8 campeonatos é bom, mas pedir menos não é possível, com as equipas que teve. Já 1 Liga dos Campeões apenas, acho pouco para os clubes onde esteve. Queria ver o Capello numa equipa de 2ª linha. Se ele fizesse boas coisas, talvez mudasse a minha opinião. Assim, nada feito. Claro que ganhou em TODOS onde esteve, mas também nunca esteve em clubes mais fracos. Assim também eu.

"É evidente q os resultados é q interessam."

É evidente, isso sim, que não são os resultados que interessam. Ou para ti o melhor treinador de selecções é o Aragonés? Os resultados não interessam para nada. Porquê? Porque, pelos resultados, ficas sem saber se o mérito é dos treinadores, dos jogadores, da sorte, dos árbitros, etc. Os resultados não servem para nada. Enquanto não perceberes isto, não vale a pena teres ideias.

"Trouxe o nome do Peseiro à baila para perceber se tinhas a opnião q acabaste por ter. Foi, para ti, o treinador q melhor futebol mostrou em Portugal. E ganhou o q? ZERO."

Ganhou ZERO, é verdade. Mas esteve perto de ganhar tudo e não foi por responsabilidade sua que isso aconteceu. Ele não tem culpa que o Ricardo encave no jogo decisivo ou que o Hugo tenha cometido mais erros numa época do que o Pepe na sua carreira toda. Também não tem culpa que o árbitro tenha expulsado o Hugo Viana por este soprar para cima do João Pereira, naquele jogo dos oitavos-de-final da Taça. Também não tem culpa que o Rogério tenha tido azar e não tenha conseguido empatar a final no lance em que a bola bate nos dois postes. No Sporting, o Peseiro fez um excelente trabalho e só não ganhou alguma coisa por manifesta falta de sorte. Quem disser o contrário, não está a ver bem as coisas. Nos outros clubes, não sei o que se passou. No Panathinaikos, não sei se tinha equipa para ganhar o campeonato, isto é, se tinha equipa para poder lutar pelo título. Nem sei de que forma a sua equipa jogou. Por isso, não me posso pronunciar. Não sei se fez um bom trabalho ou não. Mas o facto de não ter ganho nada não faz dele mau. E isso de ele não ter ganho nada não é bem assim. Em 1999/2000 subiu o Nacional à Liga de Honra, no ano seguinte ficou em 7º e no ano seguinte subiu-o à primeira liga. Em 3 anos, fez com que o Nacional subi-se duas vezes. Chega?

"Cappelo só treinou clubes de topo por alguma razão né?"

Claro, porque teve sorte. Teve sorte de ir logo para a melhor equipa do mundo na altura. Aproveitou, ganhou, que era o mais fácil, e partir daí tinha a reputação feita. Era difícil ter mais sorte.

"Caro amigo sorte é apresentar resultados esporádicamente, qd esses resultados são habituais não é a sorte q influencia...."

Pedro, para ti, se um gajo ganhar sempre, não pode ter sorte? Ou melhor, tem que ter mérito? Então o que achas do Manuel José? É que o gajo tem ganho tudo no Egipto e em África há não sei quantos anos. Não me digas que o Manuel José não é bom, pá...

Pedro disse...

A diferença é q Cappelo não ganhou no Egipto mas sim nas duas mais fortes ligas europeias. Essa comparação é, digamos, parva e tu sabes disso. Não entre nessa onda.

O Aragonés ganhou UMA vez. Pode ter sido sorte, jogadores, whatever...Se amanhã for treinar outra selecção e ganhar e depois outra e voltar a ganhar...é pá...é sorte a mais.

Ninguem está tantos anos no topo por sorte. Ninguem. Se tu achas isso...enfim...

PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gonçalo disse...

psosusa*bancadadirecta+, tu leste o que se disse nos outros comentários? Se sim, patético é colocares o Mourinho no mesmo saco do Cappelo.

Abraço

PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PB disse...

Só para lançar alguns dados sobre Peseiro (alguns podem não ser mt objectivos, se alguém tiver paciencia para os investigar a fundo, para comprovar a sensação q tenho, agradeço)

3 anos no Oriental, 3 2ndos lugares (em todos eles na ultima jornada do campeonato, ainda era possível ser cmapeao.

Sai para o Nacional e o Oriental na época seguinte desce.



3 anos no Nacional. No 1º sobe a equipa até à Liga de Honra. No 2ndo, sobe a equipa até à superliga, no 3º é a equipa revelação da Superliga

No Sporting, faz o que somente um treinador em toda a sua historia consegue (final europeia), alem de que chega com o Sporting em 1º à penultima jornada do campeonato. Não é um troféu, mas é capaz de ser melhor do que todos os outros (salvo a excepção q foi Inácio e Boloni) nos últimos 20 ou 30 anos.

No Panathinaikos, luta pelo 1º lugar até as 2 ultimas jornadas da liga (perde o titulo para o Olympiakos, que nos últimos 10 anos, foi...9 vezes campeão)




Podemos concluir que nunca ganhou nada, mas tb podemos especular::

Se tivesse treinado o FCP, será q teria sido campeão europeu? Sim, pq nacional, parece-me óbvio que teria sido!

Nuno disse...

Pedro diz: "A diferença é q Cappelo não ganhou no Egipto mas sim nas duas mais fortes ligas europeias. Essa comparação é, digamos, parva e tu sabes disso. Não entre nessa onda."

Sabes por que é que a comparação não é parva. É que, tanto no Egipto, como na Europa, Manuel José e Capello tiveram as melhores equipas. Se tu achas que o Capello tem de ter obrigatoriamente mérito por ganhar nas duas maiores ligas europeias, com a melhor equipa dessas ligas à altura, também tens de achar que o Manuel José tem de ter mérito por ganhar no Egipto com a melhor equipa de lá. É que não há muita diferença. O Zamalek também é uma equipa histórica no Egipto e não tem ganho nada.

PSousa*Bancada Directa* diz: "Isto de dizer que Capello é um treinador com sorte, é do mais patético que já vi, mesmo que venha de alguém que tenha ideias próprias, pois por essa ordem de ideias, Mourinho tem tido muita sorte..."

Porquê?? O vosso problema é não perceberem que aquilo que dizemos se prende não com os resultados, mas sim com a forma como eles são conseguidos. Aquilo que Mourinho tem de fazer e faz para atingir os resultados é completamente diferente daquilo que o Capello faz. O Capello é um treinador competente na forma de organizar defensivamente a sua equipa. Mas é só isso. Em termos ofensivos, precisa de jogadores talentosos para ter resultados. Acontece que, por onde passou, teve-os sempre. Não tenho a menor dúvida que, numa equipa menos dotada, Capello não faria nada de jeito. Porquê? Porque é um treinador que aguarda pela sorte. Mourinho procura-a. É muito diferente.

"Gostar ou não do estilo é uma coisa, que não pode confundida com categoria que o homem tem, pois ganhar muitas vezes em diversos clubes, nunca será sorte."

Pá, já chateia esta do gostar ou não gostar. Já expliquei que para mim não há gostos. Gosto daquilo que considero ter categoria. E não gosto do Capello porque considero que não tem categoria. Não disse que o Capello ganhou com sorte. Aliás, sorte terá tido apenas na última passagem pelo Real. E muita. O que digo é que ele nunca foi posto à prova em equipas com menos capacidades. Podes ver isso como sorte. Mas é um facto. Em 10 dos 15 anos em que treinou, teve de caras a melhor equipa do campeonato em que se encontrava. Desses 10 anos, ganhou 8 campeonatos. Nos outros 5, teve na Roma, numa altura em que a Roma, se não era superior às outras equipas italianas, também não era inferior. Foi uma vez campeão, é verdade, mas foi só uma vez em cinco anos. E fez um 6º lugar, também. O Capello pode não ter sempre sorte, mas é indiscutível que teve a felicidade de ter treinado sempre equipas com as quais podia fazer alguma coisa de jeito.

"Depois Capello tem tido sucesso, por onde passa, Mourinho também, começaram os dois em grandes clubes, cada qual nas suas ligas, melhor, com jogadores pagos a preço de ouro, do melhor em cada país tem nas suas respectivas ligas."

Han???? O Capello saiu dos juniores do Milan para o Milan que era só a melhor equipa da Europa. Mourinho teve de fazer um bom trabalho em Leiria para depois ir para o Porto. É falso que os dois tenham começado nos melhores clubes das respectivas ligas. Capello teve essa felicidade. Mourinho teve que trabalhar para ela.

"Estás nesse direito, mas não digas que os outros que por exemplo digam que Capello tem tanta qualidade como Mourinho, e que isso torna os outros mais patéticos que achar o contrário."

PSousa, sabes porque é que podemos dizer que os outros não têm razão quando dizem que o Capello não tem tanta qualidade quanto o Mourinho? Porque argumentamos. Quem defende o Capello, defende dizendo que ele obteve resultados. Nós nunca falamos nos resultados do Mourinho. Nós falamos na forma como Mourinho atinge esses resultados. E a forma é claramente diferente da de Capello. Para me convenceres de que Capello tem tanta qualidade como Mourinho, tens de falar da forma de trabalhar de Capello e não dos resultados que alcançou. Isto porque os resultados não provam nada (e quem disser o contrário é claramente idiota) por si só. Qualquer treinador que treine um grande arrisca-se a ser campeão e isso não faz dele melhor treinador que, por exemplo, um Carlos Carvalhal, que nunca teve hipóteses de treinar um grande.

"Mourinho é um dos melhores treinadores mundiais da actualidade, mas não penso que seja superior a outros que até tem conceitos diferentes no futebol, Capello, Lippi, Alex Ferguson, ou Hiddink,Rijkaard, por exemplo, tem é conceitos diferentes e um estilo próprio, que o definem."

Amigo, todos têm conceitos diferentes. Ninguém tem de ser igual ao Mourinho para ser bom. Agora, esses conceitos têm de fazer sentido. Qual é o critério para dizeres que esses são os melhores? Um só: os resultados. Ou seja, um critério que não demonstra nada. Eu distingo os treinadores bons dos menos bons pela coerência e pela lógica daquilo que defendem. Quando o Capello diz claramente que há uns para defender e outros para atacar, tenho de discordar logicamente dele. Quem disser isso, para mim, está ultrapassado. E quem o demonstrar em campo, como é também o caso do Ferguson, não me merece tantos louvores como os outros. Mas façamos um exercício: diz-me por que é que achas que esses são os melhores. E não me fales em resultados, se faz favor.

"E porque não falar em Trapatoni, que tem ganho por onde passa e tem um palmarés extraordinário.
tem conceito diferente, tem, mas ganha!!E não uma vez ou duas, ganhou muitas, e por vários países, e com equipas diferentes, e por ter conceitos diferentes é fraco?!!!Não tenho essa opinião, mas respeito."

O problema é tu achares que qualquer conceito é válido. Mas não é. Há coisas válidas e outras que não são. Não posso concordar, por exemplo, nos dias que correm, que um treinador que não tenha uma ideia absolutamente colectiva daquilo que é uma equipa é tão bom quanto o Mourinho, que é dos poucos que a têm.

"Para a minha decisão, contribuem diversos factores,como palmarés, historial de competência,profissionalismo, conceito de jogo e resultados obtidos."

De tudo isso, a única coisa que pode ter alguma importância é o conceito de jogo. O resto é sempre consequência de alguma coisa, logo não pode, por si só, significar nada. Agora, quanto a conceito de jogo, há muito por onde pegar e não me parece que pegues nas coisas certas.

"Uma das coisas que aprendi quando tirei os cursos de futebol, depois de muitos anos a jogar, foi que os conceitos de cada um, podem ser discutidos para analise, até porque cada treinador é uma visão diferente, nunca para julgar superioridade de quem quer que seja, ou que alguém no futebol terá mais certezas do que outro, pois depende sempre do grau de subjectividade pessoal."

Cá está. Eis o teu problema. Presumes que no futebol ou em que quer que seja, a subjectividade é uma possibilidade. Pois não é. A subjectividade são lérias. Não há subjectividade nenhuma. Isso é um erro teu. Numa partida de futebol, 2 pessoas podem discordar de quem merecia ganhar, mas isso porque o futebol é uma coisa complexa e o aparelho perceptivo que te permite interpretar não é perfeito. Como não é perfeito e está desenvolvido de forma diferente em cada pessoa, cada pessoa interpreta de maneira diferente. Mas as coisas são todas objectivas. Numa determinada partida de futebol, há dados objectivos, ainda que sejam difíceis de averiguar, que atribuem um só valor à mesma partida. Essa valor existe nas coisas e não advém da interpretação que fazes delas. Isto significa que, em futebol, ainda que haja várias maneiras de ter sucesso, há umas melhores que as outras. E isto objectivamente. Não há subjectividade nenhuma, há coisas objectivas. O facto de achares que a subjectividade existe é o que te faz achar que os treinadores só podem ser distinguidos pelos resultados. Ou seja, para ti, uma vez que as formas de trabalhar, os conceitos, são todas válidas, porque é uma questão de subjectividade, o valor desse trabalho só pode ser aferido pelos resultados. Isso não corresponde à verdade. Aliás, nem sequer percebo a utilidade de discutir seja o que for presumindo uma coisa dessas. Isto é, presumindo que a subjectividade existe, qual é a vantagem de discutir pontos de vista? Nenhuma. Se tudo é válido, um maluquinho que diga que jogar com 2 defesas e 2 médios e o resto avançados é bom tem tanta razão como o Mourinho. Logo, a opinião, para ti, é um luxo, porque é uma coisa subjectiva e com tanto valor quanto outra opinião qualquer. Nesse sentido, e este é o meu argumento, quem acha que a subjectividade existe só tem opiniões gratuitas. Ter opiniões gratuitas ou não tê-las é a mesma coisa. Portanto, quem acha que a subjectividade existe não deveria falar. Quem acha que discutir futebol é algo que depende de subjectividade, não deveria falar de futebol.

"Os resultados obtidos em vários contextos,e não um ano, mas sim em vários, é o mais fiel para se analisar um treinador, na minha opinião."

Boa conclusão. Só a li depois de escrever o excerto anterior. Através do meu raciocínio, cheguei à conclusão de que só poderias fiar-te nos resultados. Comprova-lo aqui. Estás errado, obviamente...

PB, é óbvio que o Peseiro fez um bom trabalho no Sporting e que tem até resultados anteriores a provar a categoria que tem, mas há gente que continua a achar que jogar um futebol espectacular como o do seu Sporting, chegar à final da UEFA, perder o campeonato por erros infantis de alguns dos seus jogadores e ser eliminado da Taça por causa de um erro de arbitragem grosseiro é igual a jogar um péssimo futebol, a ficar mal classificado ou a ganhar um campeonato por manifesta sorte. Conclusão: há por aí muito maluco...

PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

"Para Capello, a filosofia centra-se num objectivo: ganhar.
A qualidade é essencial, sendo que o colectivo tem de funcionar nas suas mais variadas vertentes com rigor, forte na organização defensiva, equilíbrio táctico e grande objectividade ofensiva e, sobretudo, uma grande mentalidade são uns dos pontos fortes das suas equipas."

O que é que entendes por grande objectividade? É que para o Capello, o ofensivo é deixado a cargo dos poucos jogadores que lá aparecem. Ser muito objectivo é o quê? Chegar com 2 ou 3 toques à frente? Concordo. Agora, o problema é que defendendo como defende e chegar lá à frente assim, a sua equipa ataca sempre em clara inferioridade numérica. Nesse sentido, são as individualidades que têm de resolver. Nas equipas do Capello, essa objectividade de que falas é sinónimo de pouco risco e de mau trabalho a nível ofensivo. Sem ninguém talentoso na frente, as equipas de Capello seriam um deserto ofensivamente.

"E um treinador que em Itália, todas as equipas que treinou ganhou, Milan, Roma, Juventus, foi só porque jogou bem organizadamente a defender e no plano ofensivo era deixada ao acaso e só porque tinha grandes jogadores, não me digas que não trabalhava o plano ofensivo e os golos eram marcados só porque a sorte o protegia ou jogadores resolviam sozinhos?!!!"

Lá estás tu a falar de sorte. Não era sorte. Era porque os jogadores eram bons individualmente. E da maneira que falas, parece que ele ganhou sempre. Na Roma, esteve lá 5 anos e só ganhou 1 campeonato. No Milan, em 6 anos, foi campeão apenas 4 vezes. Calma lá com isso.

"Deixa só que te diga que o Real Madrid antes de Capello com todas essas estrelas, em quatro anos despacharam cinco treinadores,."

Pá, tou um bocado farto de argumentarem partindo de coisas falsas. Em 95/96, o treinador foi o Del Bosque, o mesmo que mais tarde ganharia 2 Ligas dos Campeões (ou seja, segundo o teu argumento, é um bom treinador, porque conseguiu, por 2 vezes, o que outros não conseguiram no Real, inclusive o Capello) e o Real ficou em 6º. Em 94/95, o Real é campeão com Valdano e em 93/94 tinha ficado em 4º. O treinador é novamente Vicente del Bosque. Ou seja, nos três anos antes de Capello, o Real teve 2 treinadores, um deles que mais tarde ganharia muitos títulos, outro que ganhou mesmo.

"Mourinho também ninguém pode dizer que joga um futebol bonito, bem pelo contrário, pois por isso foi despedido do Chelsea, e é por isso que deixa de ser excelente?!!"

Pá, a partir do momento que dizes que a equipa do Mourinho não pratica um futebol bonito, não me apetece falar mais de futebol contigo. É perder tempo...

"Claro, que o que tu para ti interpretas ideal, para mim pode não ser, mas isso não deixa de dar razão a ti que estás certo e eu errado ou vice-versa, é como dizes “cada pessoa interpreta de maneira diferente” e isso dá alguma subjectividade."

Pá, não existe subjectividade. Haver duas opiniões diferentes não significa que as duas estejam certas. Pode haver uma certa e uma errada, como podem estar as duas erradas. As duas certas é que não.

"O futebol, tem uma lógica de organização, mas também de subjectividade na forma como se joga, como cada um observa, pois o que para ti pode ser um excelente jogador, para mim, não tem de o ser, ou tem?!"

Isso não é subjectividade. Isso é diferente capacidade de apreciação. Um de nós está mais correcto que o outro, ao dizer isso. A interpretação das coisas não é tua. O valor desse jogador existe, é real e objectivo. Um de nós, ao interpretar esse valor, está mais perto da verdade do que o outro. Nada há de subjectivo. Enquanto não perceberes isto, não vale a pena falares de futebol.

"Pá deixa-te de dar lições de futebol e pensares que és mais inteligente que outros, pois deves respeitar a opinião de quem não tem a mesma opinião [algo que começo a ver até pelos comentários contra, que não vives bem com eles], e não quer dizer que todos os que falam sejam gratuitamente, ou que falem bem, simplesmente podem discordar da maneira que tu pensas, e não quer dizer que estejam errados."

Amigo, isto funciona assim: se achas que as coisas são subjectivas, achas que cada um pode dar a sua opinião, por mais estúpida que pareça. Se concedes essa liberdade e achas tão válida uma opinião como outra, não podes criticar a minha opinião de que a tua opinião é estúpida. Ou seja, se tu tens liberdade para achar que 2+2 não é 4, eu tenho liberdade para dizer que tu não sabes fazer contas. Quem criou esta forma de dialogar foste tu. A partir do momento em que aceitas qualquer opinião, tens de aceitar opiniões que assentem em considerar que as opiniões como a tua não prestam. Portanto, se achas que a subjectividade existe, não podes querer censurar a minha pretensa arrogância, pois no teu mundo subjectivo a arrogância é tão válida como a humildade. Para seres coerente, não podes ficar melindrado por eu dizer que não percebes nada de futebol...

P.S. Normalmente, um gajo que aceita todas as opiniões dos outros é alguém que não tem uma opinião bem fundada, que não tem opinião própria e que não tem coragem para defender as suas opiniões. Normalmente, estas pessoas passam por gente humilde, que privilegia a liberdade de expressão e tretas do género, mas na verdade a opinião destas pessoas em pouco ou nada contribui para uma boa conversa ou para aprender o que quer que seja...

Abraço!

PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nuno disse...

"Olha, lá, eu afirmo que para adeptos comuns, o futebol, especialmente do Chelsea, nunca foi muito bonito, apesar de ter a espaços praticado bons jogos ofensivamente, mas para um treinador é excelentemente bonito, pois no aspecto táctico é delicioso ver certos movimentos e como a equipa está organizada."

Amigo, o que é bom tacticamente é bonito. Se o adepto comum gosta é de correrias desenfreadas, não tenho a culpa. A mim agrada-me ver um jogo bom a nível táctico, mesmo que acaba 0-0. Prefiro um jogo desse género a qualquer jogo da Liga inglesa que não inclua os jogos dos grandes. Aquilo que emociona os adeptos é muitos oportunidades, muita loucura, muito ataque irreflectido. Normalmente, tudo isso é sinónimo de mau futebol. Para mim, o bom é igual ao bonito. Nesse sentido, as equipas do Mourinho são das que praticam o melhor futebol que por aí anda...

"não se pode chamar futebol bonito, para nenhum adepto, e essa foi uma das razões da sua despedida de Chelsea, pois jogava muito mais defensivamente [depois com 2/3 toques resolvia muitos jogos!!]"

Das duas uma: ou não vias jogos do Chelsea, ou não percebes nada de futebol. O Chelsea ganhava jogos jogando defensivamente?? É por isto que eu digo que não vale a pena falar com um gajo que não percebe nada daquilo que o Mourinho fala. Quanto ao Abrahmovic pretender outro tipo de futebol, não tem nada a ver. O homem também não percebe nada de bola.

"Ainda me lembro um jogo da Liga dos Campeões em Anfield, em que o Chelsea levou um baile de bola e só no prolongamento o Chelsea tentou atacar mais, pois o resultado, não lhe era favorável, e no fim também disse, que foi injusto e que a sua equipa merecia ganhar!!!
Aprecio o Mourinho, mas nesse dia foi do mais patético que já vi, e tu possivelmente ainda vais dizer que nesse jogo também merecia ganhar, quando foi bombardeado pelo futebol ofensivo do Liverpool que falhou golos até dizer chega e Chelsea só esporadicamente ia lá a frente…"

Pá, o Mourinho disse que merecia ganhar a eliminatória. E merecia mesmo. Nesse jogo, o Liverpool criou mais oportunidades que o Chelsea, que fez um jogo excessivamente directo, mas na primeira mão foi o contrário e no somatório das duas mãos o Chelsea até teve mais oportunidades de golo. Por isso, merecia passar.

"Na subjectividade, concordo contigo, mas sempre digo que no futebol, muitas vezes é difícil dizer que está certo ou errado, pois o que para ti pode ser o acertado, para mim e outros pode não ser, e existem muitas coisas no futebol, que nunca serão 100% certas, pois existe aquilo que chamo a subjectividade de cada um."

Dava jeito que escrevesses em português. Começas a frase a dizer que concordas comigo na questão da subjectividade e acaba-la a dizer o contrário. Haja paciência...

"eu também posso dizer que percebes mais de literatura futebolística, do que o futebol é na realidade, pois o futebol é mais, muito mais do que esta conversa de blog."

Não é só isto??? Tens a certeza? Ia jurar que o futebol era só isto...

"Não sei se já jogaste, ou se já treinaste com alguma equipa, e muito menos, sei se já foste treinador ou se tens algum curso, mas como escreves, penso que não"

Espera. Eu escrevo sobre futebol. Tenho ideias próprias. Como tal, não posso ser treinador. Até porque os treinadores saem todos formatados de igual maneira, de uma escola expressamente feita para tal; lêem todos o livro mágico do Jorge Castelo e sabem todos certas fórmulas mágicas que eu, pelo que escrevo, não posso saber. Ser treinador, na tua definição, é ser igual aos outros. Como sou diferente, já não posso ser treinador. E bombeiro, posso?

"mas quando fores, existem certas coisas, que te vais aperceber, que não é o romantismo que pensas que o futebol é, muito menos tão subjectivo como falas"

Andei a dizer que não há subjectividade e agora sais-te com esta? De repente, eu digo que o futebol é subjectivo? Boa... O teu problema é não teres ideias próprias. Normalmente, quem não as tem, pensa que todos podem estar certos.

PSousa*Bancada Directa* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.