terça-feira, 25 de setembro de 2007

Papa-Açorda

Não sei de onde veio, mas foi sugerido por um repórter, há uns dias, uma possível saída de Liedson para o estrangeiro. Queria saber o repórter o que achava Liedson dessa hipótese, caso surgisse. A resposta do "levezinho" foi pronta. Gostaria muito, como qualquer jogador, de representar um grande clube europeu, mas para já estava de corpo e alma no Sporting. Fiquei a pensar nisto e cruzei esta informação com a de há uns anos, quando se dizia que Liedson sairia para Itália. Ficou-me na cabeça a possibilidade de Liedson ir jogar para a Juventus. Sorri ante a possibilidade e imaginei as maiores contradições possíveis. Se o futebol italiano fosse comida, era uma pizza, com as diferentes camadas bem distintas, a massa, o tomate e o queijo dispostos com exactidão, desenhada com a arte de um grande chefe. Podia também ser uma lasanha, com uma camada de carne e outra de massa, uma de carne e outra de massa. Tudo organizadinho. O futebol de Liedson, quando muito, é uma açorda. E, desculpem o cepticismo, não estou a ver italianos a comer açorda. Naquele rigor militar, naquela febre posicional em que são obrigados a viver, a estroinice táctica de Liedson impacientaria-os logo no primeiro jogo. Aliás, que tipo de diálogo poderia ter um Del Piero para com Liedson? "Pá, ó saltitão, pára lá quieto! Para que é que vens ter comigo quando estamos três para um e tens espaço para te desmarcares?" Ou então: "Ó saguim, para fazer coisas giras com a bola estou cá eu e o Nedved e para defender temos... como é que se chamam aqueles gajos?... ah, os defesas, é isso... Por isso, vai lá para a tua posição, que esta merda joga-se com 11 jogadores e que eu saiba o Buffon ainda não se aleijou." Ao que Liedson responderia: "Oi? Cê não pode falar em brasileiro? Não estou entendendo! Está muita gente no estádio gritando e só estou ouvindo isso: "Va fancullo! Va fancullo!"

6 comentários:

Pampa disse...

Percebo a abordagem... está engraçada.

mas, não me referindo necessariamente ao Liedson, muitas vezes é preciso um elemento desestabilizador. E o futebol italiano poderia ter mais. O Kaká quando chegou acabou por ser uma pedrada no charco. O Seedord chegou a sê.lo em tempos, mas depois assimilou rapidamente a estrutura e está um jogador diferente.

Nuno disse...

Tens toda a razão. Mas pode-se ser irreverente sem se ser necessariamente burro...

voualiejavolto disse...

Pode-se ser só burro. Veja-se a Amélia.

Nuno disse...

Pois, o que o Nuno Gomes tem mais é burrice, de facto... Já ias ali e não voltavas...

Pampa disse...

Não considero o Liedson burro de todo, mas por acaso já o achei um jogador mais inteligente...nas duas primeiras épocas...a forma como ele abordava alguns lances divididos...como conseguia antecipar a acção do defesa no corte...mas ultimamente já não faz isso.

Relativamente ao posicionamento...não acho que seja assim tão desajustado.

José Leal disse...

Realmente, se analisarmos bem, não podemos considerar que o Liedson tenha evolúido.

A verdade é que desde que chegou até hoje, o seu futebol não se alterou nem evoluiu, nem aprendeu mais.

Sempre achei que o Liedson é daqueles casos "what you see is what you get".