sábado, 18 de maio de 2019

E o Benfica é Campeão

Mais um texto na Tribuna Expresso.

35 comentários:

Benfiquista Primário disse...

Vergonha alheia. Ou como até o mais pretensioso cronista de futebol português não passa, na hora da verdade, de um lagarto aziado.

De tanta piada involuntária, fica muito difícil seleccionar. As semelhanças, no essencial, do modelo de Bruno Lage com o modelo de RV? Sem dúvida: são tão próximos como o Bernie Sanders e o Bolsonaro. A falta de criatividade ofensiva e a incapacidade de se associar? Bela referência ao vice-campeão de Sérgio Conceição, sim senhor! Os médios-centro nunca entram no bloco adversário? Só passaram a estar posicionados já no segundo espaço, na saída de bola, sempre uns metros à frente da primeira linha defensiva do adversário - desde o primeiro jogo de Lage, todos viram menos o pseudo-visionário Nuno. Cruzamentos de longe e ataques à profundidade constantes? Nós percebemos que o Nuno tenha saudades do futebol de RV, mas o jogo entre-linhas de Pizzi e João Félix manda um abraço.

Bruno Lage está na linha de Guardiola, Sarri, Paulo Fonseca - que é suposto o Nuno cronista adorar. Mas o Nuno lagarto aziado não o deixa ver. E depois é está vergonha. Como diz o outro, sad.

Benfiquista Primário disse...

* é esta vergonha

J disse...

Desculpa lá Nuno mas estás a ser muito bonzinho com o Lage. O gajo é dos treinadores mais banais que já foram campeões em Portugal. Apostou nos jovens porque veio da equipa B e porque é óbvio para toda a gente que é isso que o presidente do Benfica quer. Para além disso, tirando o Ferro e o Félix os outros jovens são fraquissimos ou tens uma opinião diferente?
Ganhou jogos difíceis com mérito na altura em que não teve tempo para fazer qualquer mudança e quando já se sentia o dedo do treinador o Benfica foi inferior a todas as equipas contra as quais jogou. Foi inferior ao Sorting para a taça, foi inferior ao Braga, ao Portimonense, ao Rio Ave, foi inclusive inferior contra o santa Clara e foi completamente esmagado pelo Frankfurt onde jogou quase 90 min. com mais um.

Nuno disse...

Benfiquista Primário diz: "Vergonha alheia. Ou como até o mais pretensioso cronista de futebol português não passa, na hora da verdade, de um lagarto aziado."

Tens mais uma oportunidade para tentar adivinhar o meu clube. Mas deixa passar a bebedeira primeiro.

"Os médios-centro nunca entram no bloco adversário? Só passaram a estar posicionados já no segundo espaço, na saída de bola, sempre uns metros à frente da primeira linha defensiva do adversário - desde o primeiro jogo de Lage, todos viram menos o pseudo-visionário Nuno."

Nem percebo o que estás a dizer. Se calhar se fizeres um desenho ajuda.

"Bruno Lage está na linha de Guardiola, Sarri, Paulo Fonseca - que é suposto o Nuno cronista adorar. Mas o Nuno lagarto aziado não o deixa ver."

Foda-se! A sério que disseste isto? Tive de ler várias vezes. A sério que achas que o Benfica do Bruno Lage é uma equipa de posse? Foda-se! Lá se vai o optimismo na educação. Quando alguém não é capaz de ver a diferença entre uma coisa e outra, enfim, mais vale acabar com a escola. E, no dia em que o Guardiola não conseguisse ter mais bola do que uma equipa do Daniel Ramos, também não andava cá a fazer nada.

J diz: "O gajo é dos treinadores mais banais que já foram campeões em Portugal."

Já houve tantos treinadores banais a serem campeões. Não acho que seja dos mais banais. É banal, ou parece ser banal (ainda é preciso dar-lhe mais algum tempo), mas tantos e tantos banais que já foram campeões.

"Para além disso, tirando o Ferro e o Félix os outros jovens são fraquissimos ou tens uma opinião diferente?"

Eu acho que o Florentino tem qualidade. Seja como for, o Bruno Lage aposta neles, não lhes dá uns minutos para inglês ver. Não aposta apenas por apostar. O Gedson era titularíssimo e com ele perdeu esse estatuto, por exemplo. Para mim, ele tem muito mérito na forma como tem apostado nos putos. É assim que se faz.

Quanto ao resto, a equipa ganhou confiança e muitos resultados vieram em função disso. O futebol apresentado nunca foi espectacular, mas os níveis de confiança e a vontade de marcar sempre mais mantiveram-se sempre altos.

Benfiquista Primário disse...

Muito curiosa a tua selecção de citações para responder - tanto as que seleccionaste como as que deixaste de fora. Mas isso é o habitual - quem não te conhece que te compre.

Não percebeste porquê? Não sabes o que é o segundo espaço? Na primeira fase de construção, em organização ofensiva, o Benfica de Lage tem saída a dois, com os centrais bem abertos no primeiro espaço, e os médios-centro já bem dentro do bloco adversário, nas costas da sua primeira linha de pressão. E por dentro do bloco continuam depois, na segunda fase de construção e na fase de criação - até para preparação da forte reacção à perda que a equipa tem...

O Benfica de Bruno Lage é sim equipa de posse e critério, em organização ofensiva. Que sai a jogar desde trás, com jogo apoiado que liga os três corredores, com sucessivas coberturas ofensivas a assegurar progressão e dinâmica, com o princípio do terceiro homem sempre presente e muita dialética jogo interior/exterior e ataque à profundidade/jogo entre-linhas. Isto foi visível mesmo com jogos de três em três dias, com pouquíssima disponibilidade para treinos aquisitivos de modelo de jogo. Para o ano, depois de o Bruno Lage ter uma pré-época para treino aquisitivo de modelo, retomamos este debate e veremos então se ainda achas que o Benfica de Bruno Lage é uma equipa de transições...

Benfiquista Primário disse...

Aliás, num campeonato como o português, em que apesar dos Ivos Vieiras, dos Silas e dos Luíses Castro, a grande maioria das equipas joga contra o Benfica fechadinha em bloco baixo, abdicando de ter bola em organização e só espreitando a criação de perigo nas eventuais transições ofensivas, gostava que me explicasses como é que o Benfica de Bruno Lage, sendo uma equipa de transições, marca 72 golos em 19 jogos??!? É que em grande parte desses jogos, foram os adversários do Benfica que vieram só para defender e apostar tudo nas transições! O Benfica nesses jogos, mesmo que não quisesse, não tinha outra hipótese senão jogar em organização ofensiva e ter a bola!

Seria concerteza a primeira vez na História do campeonato português que um dos grandes marcava uma média de 3,8 golos por jogo num modelo de transições ahahahah o Benfica foi campeão com um modelo de baixo risco e transições com o Trapattoni, vai la ver a média de golos marcados e compara!...

Benfiquista Primário disse...

* vai lá ver

Nuno disse...

"Não sabes o que é o segundo espaço?"

Não.

"E por dentro do bloco continuam depois, na segunda fase de construção e na fase de criação - até para preparação da forte reacção à perda que a equipa tem..."

Eu não sei o que tu achas que é o bloco adversário, mas os dois médios raramente se comprometem dentro do bloco. Ficam sempre em posição recuada, essencialmente para precaver a perda, e com bola servem essencialmente de apoio recuado, para circular por fora. Isto não invalida que, às vezes, e sobretudo na saída de bola, estejam atrás da linha atacante do adversário. Mas isso não é estar dentro do bloco.

"Para o ano, depois de o Bruno Lage ter uma pré-época para treino aquisitivo de modelo, retomamos este debate e veremos então se ainda achas que o Benfica de Bruno Lage é uma equipa de transições..."

Em primeiro lugar, não disse que é uma equipa de transições. Do facto de não ser uma equipa de posse não se segue que seja uma equipa de transições. Em segundo, também acho que ele não teve todo o tempo do mundo para implementar o seu modelo. Mas uma equipa de posse já se percebeu que não vai ser. Quando se sente confortável sem bola contra uma equipa como o Rio Ave do Daniel Ramos...

"gostava que me explicasses como é que o Benfica de Bruno Lage, sendo uma equipa de transições, marca 72 golos em 19 jogos??!?"

Ah, já cá faltavam os números. Como se os números justificassem o estilo. O Benfica do Bruno Lage era uma equipa que se empolgava com os golos. Foi frequente ter dificuldades em marcar o primeiro, e depois acabar a golear. Isto significa que é uma equipa que ataca muito e bem? Não, claro que não. Marcou muitos golos, é verdade, mas sobretudo porque não se encolheu depois de se encontrar em vantagem. Há que dar o mérito a isso, claro, mas há que saber separar isso da ideia de que controlou a seu bel-prazer todos os jogos do princípio ao fim. Não controlou. Teve aliás muitas dificuldades em controlar, mesmo depois de se encontrar em vantagem. Falas nos golos marcados, mas também podias falar nos golos sofridos. Já que citaste essa equipa do Trapattoni, desde esse ano que não havia um campeão que sofresse tantos golos. E antes que digas que isso foi uma herança do Rui Vitória, não foi. O Lage sofreu mais um golo (16) do que o Rui Vitória (15). O que é que isto diz desta equipa? E, já que gostas tanto de comparar, compara a posse de bola com o Benfica do Rui Vitória, para ver se é assim tão diferente.

Benfiquista Primário disse...

Dentro do bloco são os segundo e terceiro espaços - replicando a tua elegância, se calhar é melhor voltares à escola e depois retomamos a discussão dos médios-centro e o bloco adversário. E sim, eles não se comprometem muito dentro do bloco e são garante de equilíbrio cá atrás, garantindo 4 jogadores, com os centrais, mais recuados para o caso de contra-ataque adversário - afinal, o Benfica ataca com seis. Mas eu nunca disse que eles afundam muito ou se comprometem muito dentro do bloco - só discordei do que escreveste, que eles nunca entram no bloco adversário!

Ah portanto para ti, não é uma equipa de posse, mas também não é uma equipa de transições. Então é o quê para ti o modelo de Lage? Não me digas que achas que o Lage não tem um modelo e filosofia de jogo bem definidos?!? Quanto a mim, se há equipa nos últimos anos em Portugal com um modelo e uma identidade bem vincados, é o Benfica de Bruno Lage. Tentei ali acima descrever esse modelo, mas foi uma das passagens que curiosamente ignoraste. O teu único argumento para negar que o Benfica de Lage é uma equipa de posse é o Rio Ave ter tido bola contra nós e o Benfica ter estado confortável...isto não é argumento, não passa de um embirranço teu. Esse jogo foi o penúltimo da recta final decisiva; a equipa, cheia de putos, estava a sentir a sentir muito a pressão das últimas jornadas; o empate servia o objectivo prioritário do título...e provavelmente, na altura a que te referes, já estávamos a ganhar. É lícito que nesse contexto todo, uma equipa de posse siga outras nuances estratégicas, em função do objectivo primordial. Sim, estratégicas...por mais que vociferes, a dimensão estratégica é uma realidade, que em nada põe em causa o modelo.

Também não sou fã de números como argumento no futebol, mas não explicaste o paradoxo que a tua tese de não sermos uma equipa de posse implica, face a estes números. Em geral não é preciso ser uma equipa de posse para marcar muitos golos, necessariamente, mas no campeonato português, em que quase todas as equipas põem o autocarro e abdicam de ter bola em organização, é! Senão, como é que impões as tuas transições ofensivas, suficientes para golear, se o adversário nunca está em organização ofensiva??? Que eu saiba, antes de o Benfica estar em transição ofensiva, teve que ter estado em organização defensiva!...

Nuno disse...

"É lícito que nesse contexto todo, uma equipa de posse siga outras nuances estratégicas, em função do objectivo primordial. Sim, estratégicas...por mais que vociferes, a dimensão estratégica é uma realidade, que em nada põe em causa o modelo."

Ah, estratégias. Querias saber qual era o modelo do Lage? Aí tens. É o da estratégia. Ele não tem pudor nenhum em abdicar da iniciativa, por questões estratégicas. Não foi só contra o Rio Ave. Foi contra quase todos os adversários. Em quase todos os jogos, houve largos momentos em que a equipa abdicou da iniciativa. Na Liga Europa, então, foi um abuso. Nada contra. São opções. Agora não me ponhas é uma equipa que faz isso constantemente no mesmo saco das equipas do Guardiola ou do Sarri.

Benfiquista Primário disse...

Continuas a não aceitar que a estratégia é inserida no modelo e não o exclui...as melhoras.

Cenas da Bola disse...

A verdade é que as diferenças são algumas mas não muitas,
Já o tinha dito em Março...

https://cenas-da-bola.blogspot.com/2019/03/o-que-mudou-no-benfica-com-bruno-lage.html?_sm_au_=iTHqrVN6VNPFjHfq

Benfiquista Primário disse...

Li este post na altura. Concordo mais do que com o do Nuno, mas acho que ambos subestimam grosseiramente a amplitude e a magnitude das mudanças e melhorias com Bruno Lage vs RV...as diferenças abissais nos resultados não surgem do nada: são efeito das drásticas melhorias na qualidade do futebol apresentado, na sofisticação, robustez e tipo de modelo de jogo, na perspicácia e acerto estratégico para cada jogo - e também, claro, do que ambos destacam, mas com um peso relativo quanto a mim excessivo: a 'libertação' dos jogadores e a recuperação da alegria de jogar e da confiança.

Antigamente, na era pré-Lateral Esquerdo, toda a gente analisava o jogo em função do resultado, por falta de conhecimento do jogo. Mas agora, para muitos dos que (como eu e vocês) seguem o Lateral Esquerdo há anos, caíu-se na falácia oposta - ir SEMPRE contra os resultados na análise ao jogo, para se mostrar que não se cai naquela esparrela clássica de fazer o resultado determinar a análise ao jogo...é como aquela história de que correr não interessa nada num jogo de futebol...são duas más interpretações de teses correctas do Lateral Esquerdo, que estão a levar muita gente para o extremo oposto ao tradicional ignorante, com vantagens estéticas e de gosto mas nem por isso com muito maior taxa de acerto nas análises...

Benfiquista Primário disse...

Entretanto...https://www.lateralesquerdo.com/2019/05/21/a-maquina-trituradora-de-lage-explica-pizzi/

Não é que o Pizzi também pensa que o Benfica de Bruno Lage tem um modelo de posse de bola?! Francamente, oh Pizzi, só porque treinas todos os dias com ele e trabalhaste o modelo de jogo com ele, julgas-te no direito de contrariar o Nuno Amado?! Oh sacrilégio, oh heresia! Impõe-se que o Pizzi vá urgentemente falar com o Nuno para ser esclarecido!...

Nuno disse...

Benfiquista Primário diz: "Antigamente, na era pré-Lateral Esquerdo, toda a gente analisava o jogo em função do resultado, por falta de conhecimento do jogo. Mas agora, para muitos dos que (como eu e vocês) seguem o Lateral Esquerdo há anos, caíu-se na falácia oposta - ir SEMPRE contra os resultados na análise ao jogo, para se mostrar que não se cai naquela esparrela clássica de fazer o resultado determinar a análise ao jogo...é como aquela história de que correr não interessa nada num jogo de futebol...são duas más interpretações de teses correctas do Lateral Esquerdo, que estão a levar muita gente para o extremo oposto ao tradicional ignorante, com vantagens estéticas e de gosto mas nem por isso com muito maior taxa de acerto nas análises..."

Mas quais teses correctas? Muito antes do Lateral Esquerdo existir já eu olhava para os resultados com desconfiança. E é aqui que está o problema. Este teu discurso é todo Lateral Esquerdo. Há muito muito tempo que o Lateral Esquerdo foi vendido. Vendeu-se à ideologia da Estratégia. Se não tiveres reparado, eu explico. A partir de determinada altura, a única coisa que passaram a valorizar foi a estratégia. Os únicos treinadores que lhes pareciam realmente bons eram os que eles achavam que se adaptavam ao adversário. E mesmo os que não o fazem regularmente, ou nunca o fizeram, como o Guardiola, eles arranjaram maneira de defender que o faziam. Queres saber porquê? Porque não lhes convém dizer mal de ninguém. Chegaram a um lugar de destaque, e têm algumas ambições, e por isso não convém aborrecer ninguém. Então arranjaram uma narrativa bonita, para acomodar os Mourinhos desta vida. Não são capazes de dizer que a "Estratégia" do Mourinho é que o matou. E por isso valorizam todos estes treinadores medíocres. Tu e muitos outros dos leitores acéfalos do Lateral Esquerdo, que nem percebem que o que está ali a ser dito não é coisa em que os autores sequer acreditem, comem aquilo tudo e vêm para a rua reproduzir aquela ideologia. Não percebem que aquilo são eles que não se podem comprometer com certas ideias, e acham que a Era da Estratégia existe mesmo. Tenho uma novidade para ti: é só treta. O Lateral Esquerdo defende o Bruno Lage como defendia o Rui Vitória. Eram pessoas importantes, em posições importantes, e que um dia mais tarde lhes podem retribuir as palavras bonitas. E, na verdade, são treinadores do mesmo tipo. Não têm uma ideia clara de como a equipa deve comportar-se em campo. Têm algumas ideias vagas, e completam isso com uma componente estratégica muito grande. O Lage está sempre a falar de como o adversário se comporta. E é em parte isso que faz com que a sua equipa não seja capaz de controlar jogos. Quando o ímpeto desta época se perder, quando a motivação e a confiança começarem a faltar, quando algumas das peças-chave não puderem dar o seu contributo, quando os adversários tiverem ideias um bocadinho melhores do que as actuais, vai-lhe acontecer o que aconteceu ao Rui Vitória. Toda a gente fala do Lage agora, mas se o Porto se tem mantido em primeiro o que é que se dizia? À partida, dava-se uma segunda oportunidade, mas com desconfiança. Os benfiquistas estão eufóricos, mas devem a euforia é ao Sérgio Conceição. Mas acho de facto divertido que fales no Lateral Esquerdo. É que já tinha percebido de onde vinham todas as tuas ideias. As pessoas, de facto, são tão previsíveis... Põe-se a ler uma coisa apenas porque muitas pessoas a lêem, e não têm capacidade crítica para destrinçar o que é bom do que não, ou quando uma coisa que em tempos chegou a ser boa deixou de sê-lo. Enfim...

Nuno disse...

"Não é que o Pizzi também pensa que o Benfica de Bruno Lage tem um modelo de posse de bola?! Francamente, oh Pizzi, só porque treinas todos os dias com ele e trabalhaste o modelo de jogo com ele, julgas-te no direito de contrariar o Nuno Amado?! Oh sacrilégio, oh heresia! Impõe-se que o Pizzi vá urgentemente falar com o Nuno para ser esclarecido!..."

Resta saber se o Pizzi pensa mesmo assim. O Oliver também diz maravilhas do Sérgio Conceição e duvido que goste dele a sério. Seja como for, o Lage até pode querer isto e aquilo. Mas não é o que a equipa faz em campo. Ou só o faz em circunstâncias muito específicas. O Rui Vitória também dizia que a equipa jogava que se fartava, sempre em posse e sempre a assumir o jogo, e a criar oportunidades. O que os treinadores querem nem sempre é aquilo que conseguem pôr em prática, mesmo quando acham que o conseguem. No Benfica, a importância da estratégia é de tal modo acentuada que se sobrepõe a todas essas ideias. Como é que se pode querer que a equipa ataque com bola quando a estratégia específica de cada jogo se sobrepõe a qualquer outra coisa? O problema do Lage, e de outros treinadores dessa linha, é esse. Querem duas coisas incompatíveis. A estratégia só não compromete o modelo se se subordinar a ele. Quando é o mais importante no comportamento de uma equipa, sobrepõe-se ao modelo e torna-o opaco. Nenhum treinador que assuma que cada jogo implica uma estratégia diferente, e que cada adversário obriga a equipa a adoptar padrões comportamentais completamente diferentes, pode querer que a sua equipa se comporte sempre de determinada maneira. As duas coisas não são compatíveis. A única maneira de ser estratégico sem comprometer o modelo é em pequenas coisas, num movimento específico de um jogador, na escolha de um atleta com características ligeiramente diferentes, etc. Quando é a estratégia que define tudo o que a equipa deve fazer em campo, então não há modelo que resista. Ou melhor, o modelo passa a ser a estratégia. É o caso do Mourinho, por exemplo. E é o caso do Lage.

rui de almeida disse...

Dentro da micro-sociedade intelectual do futebol, é sempre saudavél ler uma opiniao que destoa no consenso sobre a estrategia. A verdade é que a estrategia é uma manta que esconde muita pobreza.
Quanto ao assunto do Lage e para defendê-lo, ele pegou na equipa a meio caminho que nao tinha um modelo muito bem definido e com tao pouco treino, foi inteligente a trabalhar o suficiente para ser eficaz em Portugal :
1/ uma estrategia defensiva com pressao alta para recuperaçao rapida de bola aliada à segurança da retaguarda de 4 jogadores atràs da linha de bola. Esta estrategia é suficiente no panorama português.
2/ Tactica ofensiva que dà as chaves do jogo aos jogadores mais tacticos ( Felix, Rafa, Pizzi, Gabriel, Samaris ) organisando dinamicas de rutura para multiplicar as linhas de passe. O jogo do Benfica centralizou-se e desapareceram as flechas das alas( Cervi, Salvio, Zivko e Gedson).
O Benfica atual nao tem propriamente um jogo de posse porque essa maneira de jogar exige sempre paciencia e menos rutura letal mas quando consegue asfixiar o adversario com linhas altas recuperando a bola logo à perda, hà uma ideia global de posse. Agora, o nivél tecnico dos jogadores para sair da pressao alta é tao baixo em Portugal que é suficiente para ganhar a competiçao interna ( o RV e o Conceiçao ganharam assim). Alias, o desgaste desse tipo de jogo é tanto que essas fases foram menos constantes nos ultimos jogos do Benfica e nessas retaguardas, vimos as debilidades defensivas do Benfica em linhas baixas.
Para o proximo ano, poderemos avaliar melhor o trabalho do Lage.

Martins disse...

Já disse várias vezes a amigos em privado, as ideias deste Benfica são muito próximas do Porto de SC. A diferença está essencialmente na (maior) qualidade individual do ataque.

Benfiquista Primário disse...

É verdade, Nuno, as pessoas são mesmo previsíveis: bastou eu lançar o isco da estratégia e do Lateral Esquerdo, que tu reagiste tal e qual como eu previa! Lol uma delícia. Obrigado.

Ah e estás enganado sobre mim a muitos níveis: concordo com muito do que dizes do novo LE, discordo de muitas outras. Assim como acho que eles exageram quando chamam Era da Estratégia (não é uma 'revolução' e uma mudança de paradigma comparável ao que trouxe o aparecimento da Era do Modelo, até porque a estratégia sempre existiu, mesmo antes da Era do Modelo), acho que tu cristalizaste no fanatismo do Modelo de Guardiola e subestimas a importância de nuances estratégicas, em cima do modelo, no futebol hiper organizado e preparado de hoje em dia. Vejo a estratégia como um Era do Modelo 2.0, se quiseres...

Também deixa-me que te diga que a única constante da vida é a mudança, como alguém já disse. E só não mudam os 1) estúpidos 2) fanáticos 3) imaturos. Não me passa pela cabeça que sejas estúpido...

E talvez eu saiba mais sobre o novo LE e a nova realidade do seu líder do que tu imaginas...e há realmente coisas lá que eu percebo que possam ser decorrentes disso e de que não gosto nada! À cabeça essa tendência de que falas para dizerem bem de tudo e de todos - de Guardiolas, de Simeones e de tudo o que está no meio...

Benfiquista Primário disse...

😂🤣 é tal e qual - tanto como o Trump e o Bernie Sanders.

O jogo do Fruta Corrupção Pancadaria é kick and rush da era pré-Modelo...é só jogo directo para as correrias do Marega na profundidade, levar o jogo para os duelos e o lado atlético...jogo entre-linhas, nas costas dos médios, com inteligência táctica e qualidade técnica - a marca de água do Benfica de Lage - alguma vez viste isto no FCP de SC? Saída de bola desde trás, com futebol apoiado de bola no chão e ligação de todas as fases sem saltar nenhuma, com critério e inteligência até surgir o espaço e o desequilíbrio- alguma vez viste isto no FCP de SC? Não brinques comigo.

Espero que isso seja só azia portista...

Unknown disse...

Havia, em tempos de Rui Vitória, uma ideia generalizada de que a fraca transição defensiva era consequência directa da presença de Pizzi no miolo. Como se viu, o problema persiste, mesmo com novos actores naquele espaço. Podemos, Nuno e os restantes companheiros, concluir que o problema não é individual (Nunca foi de Pizzi e não é de Samaris), mas, sim, colectivo. É correcto este raciocínio?

Nuno disse...

Benfiquista Primário diz "É verdade, Nuno, as pessoas são mesmo previsíveis: bastou eu lançar o isco da estratégia e do Lateral Esquerdo, que tu reagiste tal e qual como eu previa! Lol uma delícia. Obrigado."

Assim também eu sou o maior da minha aldeia: sempre que me espalho, digo que fui eu que me mandei para o chão.

"(não é uma 'revolução' e uma mudança de paradigma comparável ao que trouxe o aparecimento da Era do Modelo, até porque a estratégia sempre existiu, mesmo antes da Era do Modelo)"

Isto é só jargão Lateral Esquerdo. Não conseguires perceber que estás apenas a ser um papagaio de tudo que lá se diz, enfim, é doloroso...

"acho que tu cristalizaste no fanatismo do Modelo de Guardiola e subestimas a importância de nuances estratégicas, em cima do modelo, no futebol hiper organizado e preparado de hoje em dia. Vejo a estratégia como um Era do Modelo 2.0, se quiseres..."

Nuances aceito. Pequenos ajustes também. A ideia de que a estratégia é uma "era do modelo 2.0" é um pouco mais do que isso. E isso já não aceito.

"Também deixa-me que te diga que a única constante da vida é a mudança, como alguém já disse. E só não mudam os 1) estúpidos 2) fanáticos 3) imaturos. Não me passa pela cabeça que sejas estúpido..."

Estás enganado. Há um quarto tipo de pessoas que não muda: os que têm razão. Não consta que as pessoas que acreditam que a terra é redonda sejam estúpidas, fanáticas ou imaturas. Às vezes, as pessoas não mudam de opinião apenas e só porque têm razão. Vale a pena considerar isto, ou então ficas sem argumentos para recusar a legitimidade das crenças dos amiguinhos da Terra Plana.

"Saída de bola desde trás, com futebol apoiado de bola no chão e ligação de todas as fases sem saltar nenhuma, com critério e inteligência até surgir o espaço e o desequilíbrio- alguma vez viste isto no FCP de SC? Não brinques comigo."

Mas alguém disse que o modelo do Lage era tão pobre como o do Conceição? Aquilo que tenho estado a dizer é só que a proeza de ter vencido este campeonato, ultrapassando o Porto, que tinha 7 pontos de avanço, não é lá grande proeza precisamente porque o Porto do SC não pratica um grande futebol.

"Espero que isso seja só azia portista..."

Depois de lagarto, agora sou portista. Ainda não foi desta que acertaste...

Unknown diz: "Podemos, Nuno e os restantes companheiros, concluir que o problema não é individual (Nunca foi de Pizzi e não é de Samaris), mas, sim, colectivo. É correcto este raciocínio?"

Claro. A ideia de que coisas complexas possam ter soluções simples é sempre absurda. Como se a simples substituição de um jogador modificasse toda a manobra colectiva... Claro que o problema não era do Pizzi.

Benfiquista Primário disse...

A perturbação e o ressabiamento são tais que até respondes a passagens minhas de resposta a outro comentário, do Martins - que defendeu ser a ideia de jogo do Lage muito semelhante à do SC...

As melhoras. Já disse tudo o que tinha a dizer.

rui de almeida disse...

Caro amigo benfiquista, nao atacas o Nuno sobre a azia clubite porque, mesmo se ele jà se pronunciou sobre quem torcia( o Sporting) ,ele, como homem de pouca paixao, prefere a frieza do prazer estético. Se o Sarri fosse para o Benfica, ele seria benfiquista ; pouco ferrenho, claro !
O Nuno é aquele verdadeiro cidadao do mundo, sem instintos primarios ou emocionais. Ele é alheio a sentimentos de partilha devido a laços comuns seja de clubes ou até duma naçao : ele nao se abaixa ao comum dos humanos e por isso, nao teve regojizo nenhum da vitoria portuguesa do Euro. O Nuno é um Homem Individual Total da Transcendencia que potencia ao maximo o seu poder interino. Ai se o Nietzsche ainda estivesse vivo, teria um grande orgulho….e se calhar uma pequena làgrima.
Se ele é assim tao distante, muitos nao entendam essa arrogancia e pretensao mas quantos de vocês, tem o raciocinio e a inteligencia adequadas para se aproximar da sua essencia vital.
Claro que ele despreza, sim é uma realidade, mas nunca com aquele calor do odio. O Nuno menospreza os impulsos considerando a racionalidade como um ideal. O desejo nao é procurado porque seria uma intranquilidade das aguas mornas do seu ideal. Alguns leitores dos seus livros me responderao que ele prefere a presença feminina à dos homens. A razao dessa procura feminina é devido à sua beleza aliada a uma preciosidade longe do primal e da virilidade. Nao hà desejo, ainda menos erotico e nem romantico porque essa ultima noçao traz a ideia de paixao, de morte e de tragédia. Aguas mornas e pacificas, como jà foi dito. E o futebol ? O ritmo morno da posse é o seu ideal. E como se o ténis nao tinha evoluido e que o jogo estivesse parado aos tempos do Borg e do Wilander: jogo doce sem fulgurancias ( ele odeia as violencias fisicas!)com uma perfeiçao total sem erros e sem riscos à espera do erro adverso.
Cruzamentos e passes em profundidade, ai que nojo! Muitos lhe falarao que resultam e que permitem vencer. Ele responderà que é por causa da aleatoriedade. O seu futebol ideal seria com uma mudança das regras : sem o fora de jogo e sem a bola libre no pé. Imaginem, o espaço e a bola presa permitiriam o controlo total. Imaginam o Guardiola que trabalha a tactica ( fazer com a bola) e a estrategia ( fazer sem a bola) no detalhe absoluto com uma minuciosidade extrema nessa scondiçoes? Ja que ele é um estratega demoniaco do controlo nesta versao do futebol. Sem aquelas fintas e novos espaços sempre a abrir e a nao chatear, um mar sem tempestade. Que doçura de vida seria a televisao futebolistica dos fins de semana.
Outros lhe dirao que as arabescas do futebol nao seriam variadas e perderiam das suas belezas. Esses sao aqueles que nao percebem os ideais absolutas sem nuanças. Fanatismo? Como ele ja disse, meu caro amigo benfiquista, somente uma pessoa que tem razao e uma clarividencia impar. Por causa desse feitio que o nosso amigo Nuno passa muitas vezes despercebido. E claro, ele detesta o sentido de humor; e nao venham com essas tretas!

Unknown disse...

Grato pela atenção!

Benfiquista Primário disse...

Bela contribuição! Mesmo que no conteúdo concordes em parte com o Nuno, o tom e o não absolutismo dogmático fazem toda a diferença.

Concordo particularmente com duas coisas que dizes: o modelo de Lage é um work in progress porque teve muito pouco tempo para treino aquisitivo de modelo - só na próxima época poderemos tirar as dúvidas! Para mim, é um modelo de posse de bola que: 1) ainda está a ser trabalhado e vai melhorar ainda bastante na próxima época e 2) não despreza as oportunidades de ataque rápido quando há boas condições de tempo e/ou espaço. A segunda com que concordo é talvez a principal diferença para o modelo de RV: desapareceu a obsessão, que chegava a ser patética, pelos corredores laterais, e foi levantada a abertamente patética 'proibição' de utilizar o corredor central, o jogo interior e os espaços entre-linhas - o deprimente Benfica de RV construía e criava sempre por fora do bloco adversário (o que isso me exasperava). Desde Janeiro que venho sublinhando isso nos blogs em que participo (o guerreiro da luz à cabeça).

Já da tua categorização do Benfica de Bruno Lage como equipa de pressão alta e contra-pressão, transições ofensivas e contra-transições ofensivas, discordo. Acho que nas primeiras 4-6 semanas de BL tivemos vários jogos atípicos para o Benfica - jogos mais difíceis do que o habitual em PT em que se antecipava mais divisão de posse de bola e iniciativa do que acontece na maioria dos jogos nacionais - estou a falar do clássico da Taça da Liga, das duas deslocações em Guimarães e da eliminatória com o Galatasaray. Ora, nesses jogos, por ter tão pouco tempo de treino e porque sabia que não ia ser possível ainda monopolizar a posse de bola nesses jogos, o Benfica usou e muito bem, realmente, a pressão alta e as recuperações altas, tendo conseguido muitos "lances de notoriedade" (para usar o "jargão do LE") - oportunidades de golo flagrantes e vários golos decisivos marcados - nesse momento do jogo, nesses jogos mais divididos. Estes lances e golos nesse momento do jogo fizeram muita gente rotular o Benfica de BL como uma equipa de pressão alta e transição ofensiva/contra-pressão e contra-transição ofensiva. Rótulo esse que depois não actualizaram quando, com o passar do tempo e com outros jogos contra equipas mais fracas, o Benfica foi se "desKloppizando" progressivamente, e progressivamente se "Guardiolizando"!...

Um processo que ainda está em curso. Deixem o Bruno Maurizio Lage Sarri Guardiola trabalhar na pré-época e verão!...

Benfiquista Primário disse...

Então mas afinal o Nuno é racionalista ou sportinguista?!? São claramente condições mutuamente exclusivas.

PS. Acabaste de desmascar essa criatura mítica e diáfana que aparentemente veneras: ao meu palpite ali acima de que será sportinguista, ele assegura que não...

Benfiquista Primário disse...

* desmascarar!

Benfiquista Primário disse...

And now for something completely different: acabei de ler o texto do Nuno na revista da Tribuna Expresso dedicada ao #37. E devo dizer: está verdadeiramente brilhante! Muitos parabéns. Subscrevo tudo - até estranhei, fui rever o nome do autor um par de vezes rss

rui de almeida disse...

Caro amigo benfiquista, a fronteira entre o elogio e a sàtira é assim tao ténue para nao adivinhar a intençao real?
E verdade que o meu modelo roça muitas vezes a caricatura.
Agora,sou honesto e reconheço também as suas competencias. Para além do seu absolutismo e da sua cegueira que lhe confere aquele postura ridicula, ele é honesto nas suas convicçoes, nao se comprometendo como os caes do LE, e sobretudo ele é o melhor estilista de todos os novos cronistas do futebol.

Benfiquista Primário disse...

🙂 Por acaso fiquei sempre na dúvida se era satírico ou sincero - confesso.

Eu concordo que ele tem virtudes - acabei de fazer-lhe, aliás, um grande elogio mesmo aqui acima.

Mas acho que a atitude de absolutismo dogmático, o tom de arrogância e desrespeito pelo Outro e a incapacidade de reconhecer qualquer razão aos outros, recorrendo se for preciso a argumentos absurdamente ridículos (reparou que ele comparou opinião sobre futebol a 'opinião' sobre o facto da Terra ser redonda, como se o futebol não evoluísse ou a Terra mudasse de forma em anos, décadas ou séculos!?!? 😁🤣) para se convencer que tem razão, sempre e invariavelmente, anula esmagadoramente os méritos que também tem - porque está muito a montante deles.

Um abraço amigo Rui.

Nuno disse...

Benfiquista Primário diz: "A perturbação e o ressabiamento são tais que até respondes a passagens minhas de resposta a outro comentário, do Martins - que defendeu ser a ideia de jogo do Lage muito semelhante à do SC..."

Convinha então seres explícito a esse respeito. Dado que me estavas a responder a mim, e não havendo indicação em contrário, parece-me legítimo assumir que era comigo.

Rui de Almeida diz: "Caro amigo benfiquista, nao atacas o Nuno sobre a azia clubite porque, mesmo se ele jà se pronunciou sobre quem torcia( o Sporting) ,ele, como homem de pouca paixao, prefere a frieza do prazer estético."

Ai pronunciei-me?? Essa é nova... Quanto ao resto do comentário, enfim... Assumir o que assumes da minha pessoa com base naquilo que te pareço ser num blogue é como assumir que o Paulo di Canio era uma jóia de moço só porque uma vez agarrou a bola à mão quando tinha a baliza escancarada porque o guarda-redes adversário se tinha aleijado...

"And now for something completely different: acabei de ler o texto do Nuno na revista da Tribuna Expresso dedicada ao #37. E devo dizer: está verdadeiramente brilhante! Muitos parabéns. Subscrevo tudo - até estranhei, fui rever o nome do autor um par de vezes rss"

Às vezes surpreendo...

Benfiquista Primário disse...

Não, não te estava a responder a ti - basta ires ali acima e verificares, escrevi isso em resposta directa ao comentário do Martins, ele é que defende que o FCP de SC tem "ideias muito semelhantes" ao Benfica de BL...

Já toda a gente tinha percebido que não percebes como funciona isto dos comentários nos blogues. Mas escusas de o destacar ainda mais 🙄 Nunca respondes directamente a quem comenta aqui, fazes sempre um novo comentário com citações parcelares...só não se percebe se o fazes por seres info-excluído e não saberes como isto funciona - o que, convenhamos, não deixa de ser irónico para um blogger - ou porque te dá jeito só responderes às passagens que citas, perpetuando a sarapitola intelectual com as muy convenientes omissões...

Aceitam-se apostas.

Nuno disse...

Portanto, tu fazes um comentário a responder-me a mim, e a seguir fazes um comentário a responder ao Martins sem o citares e sem te referires a ele, e eu tenho de adivinhar que o segundo comentário, ao contrário do primeiro, não é dirigido a mim? E, se não adivinhar, apesar de não ter indicação nenhuma nesse sentido, é porque não percebo como isto funciona? Faz todo o sentido, de facto. Realmente, eu é que não percebo nada disto e sou um info-excluído. Realmente, não reparei que, quando comentavas, não estavas a pensar em mim. Foi falta de cuidado meu, foi...

Benfiquista Primário disse...

Eh pá, não te envergonhes mais, a sério. Acabaste de confirmar que não sabes o básico de como funciona um blog.

Eu não preciso de "citar" o Martins ou "referir-me a" ele porque o teu blog, como todos aliás, dá-me uma opção que, imagina tu, diz "responder" por baixo do comentário do Martins - e de todos os comentários, não é incrível?! Se eu clicar aí, respondo ao Martins por baixo do comentário dele, numa secção que diz "respostas".

De nada.